Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano corre risco de crise alimentar, alerta primeiro ministro

Primeiro-ministro libanês Hassan Diab em reunião com representantes de diplomatas e organizações internacionais sobre o plano de resgate econômico, em Beirute, 5 de maio de 2020,[Presidência do Líbano/ Divulgação/ Agência Anadolu]

O Líbano está em risco de uma grande crise alimentar e muitos libaneses podem em breve ter dificuldade para comprar pão por causa de uma crise financeira aguda devido à pandemida de covid-19, alertou o primeiro-ministro, segundo a Agência Reuters.

Escrevendo no Washington Post, Hassan Diab também alertou para uma emergência global de segurança alimentar desencadeada pela pandemia. Ele disse que as tentativas de restringir as exportações de alimentos devem ter resistência e pediu aos Estados Unidos e à União Européia que estabeleçam um fundo de emergência para ajudar o Oriente Médio a evitar uma crise grave.

Caso contrário, “a fome pode desencadear um novo fluxo migratório para a Europa e desestabilizar ainda mais a região”, escreveu ele.

O Líbano estava em profunda crise antes mesmo da covid-19. A moeda local caiu mais que a metade desde outubro, em meio a uma escassez de liquidez em moeda forte. A inflação e o desemprego estão aumentando. O Líbano deixou de pagar sua dívida soberana em março.

LEIA: Presidente do Líbano diz que a reforma começa com o enfrentamento da corrupção

Os preços dos alimentos importados mais que dobraram desde o início de 2020, escreveu Diab. Mais da metade da comida do Líbano é importada.

“Uma vez tido como cesta de pão do Mediterrâneo Oriental, o Líbano está enfrentando um desafio dramático que parecia inimaginável há uma década: o risco de uma grande crise alimentar”, escreveu Diab.

“Há algumas semanas, o Líbano testemunhou seus primeiros ‘protestos contra a fome’. Muitos libaneses já pararam de comprar carne, frutas e legumes, e em breve poderão achar difícil comprar pão”.

Diab, que assumiu o cargo este ano com o apoio do grupo xiita Hezbollah, apoiado pelo Irã e seus aliados, também culpou décadas de má administração política e corrupção pela falta de investimento na agricultura.

A covid-19 e os bloqueios “pioraram dramaticamente a crise econômica e perturbaram profundamente a cadeia de suprimento de alimentos”.

Oitenta por cento do trigo do Líbano vinha da Ucrânia e da Rússia, mas no mês passado a Rússia suspendeu as exportações de trigo, enquanto a Ucrânia está considerando uma ação semelhante, disse ele.

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments