Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel precisa mesmo da Arábia Saudita?

Príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman, em Islamabad, Paquistão em 17 de fevereiro de 2019 [Bandar Algaloud/ Anadolu Agency]

Não há duas pessoas sãs no mundo que contestem o fato de que a Arábia Saudita possa ter tudo e qualquer coisa, menos liberdades civis. Portanto, seria um erro grave pensar por um momento que os jornalistas sauditas e ativistas de mídia social que correm a insultar os palestinos e buscar a amizade de Israel o estejam fazendo por seu livre arbítrio e se beneficiando dos supostos ventos da mudança no reino.

A Arábia Saudita é uma prisão enorme para liberdades de qualquer tipo. Levaria décadas para se livrar dessa prisão se um trabalho genuíno e bem-intencionado começasse hoje. Aqueles que compartilham o papel de lisonjear Israel e amaldiçoar a Palestina e os palestinos estão fazendo isso por ganância e desejo de benefícios imediatos e gratificação material. Pode haver alguma compensação moral para isso, mas nada além de satisfazer o governante imprudente, a fim de atrair sua atenção.

Aqueles que observam a cena saudita, mesmo antes da disseminação das mídias sociais, sabem que o liberalismo à maneira saudita ficou restrito a um punhado de jornalistas que se descrevem como rebeldes contra a estagnação e a escuridão que envolvem seu país. Essas pessoas vivem em capitais europeias e levam um estilo de vida ocidentalizado, mas seu liberalismo, mesmo quando excessivo, não chegou ao ponto de amaldiçoar os palestinos publicamente ou flertar com Israel da maneira sem precedentes e vergonhosa como acontece em Riad nos dias de hoje.

LEIA: Sauditas expressam descontentamento após governo anunciar medidas de austeridade

A verdadeira posição saudita na Palestina é ambígua. É fato que o discurso diplomático declarado abraça e defende a causa palestina com tanto vigor quanto os outros países árabes, do Golfo ao Atlântico. No entanto, tudo isso é para consumo público e internacional. Na realidade, existe uma face invisível da política saudita em relação à Palestina desde 1948. Essa face é deixada para o tribunal da história, mas há muitos pontos de interrogação em torno dela. Honestidade e honra exigem que digamos que a Arábia Saudita não está sozinha na questão do rosto oculto voltado para Israel, pois outros governos árabes têm suas próprias histórias que ainda precisam ser contadas, algumas das quais são vergonhosas.

No entanto, nenhum país árabe jamais teve a audácia, nem mesmo aqueles que normalizaram suas relações com Israel, de ter relações relaxadas e amigáveis ​​com Israel e insultar os palestinos como a Arábia Saudita vem fazendo há meses. Os líderes sauditas que lideram o coro da normalização são parecidos com o falecido Muammar Kadafi da Líbia em seu esnobismo e imprudência em relação aos palestinos, a ponto de muitas vezes ficar confuso sobre o que queria deles.

Aqueles em Riad que sonham que a normalização com Israel os absolverá de sua história de pecados e obscurantismo, e manterão abertos os portões da amizade com Washington, sejam quais forem as circunstâncias, chegaram tarde ao mercado e estão oferecendo poucos produtos baratos. A normalização à maneira saudita não está mais na moda e Israel não precisa mais dela porque os tempos mudaram. De fato, ele realmente não se beneficiou muito de experiências anteriores.

LEIA: FBI acidentalmente expõe ligação de diplomata saudita com o 11 de setembro

Se sua normalização governamental, apoiada por um impulsionamento da mídia e da cultura, tivesse realmente beneficiado Israel, as maravilhas da normalização com o Egito e a Jordânia teriam sido colhidas. Foi isso que a Arábia Saudita não entendeu quando soltou seus ativistas frenéticos e permitiu que jogassem sujeira, sem escrúpulo, em tudo que é palestino.

Israel não precisa mais dos governos árabes, como fazia no passado. Sabe que o estilo egípcio de normalização (depois de mais de 40 anos) e a Jordânia (depois de mais de um quarto de século) são benéficos psicologicamente e somente para a mídia; apropriado para uso em eventos públicos e agendas políticas internas. A prova é que, depois de todas essas décadas de normalização, um grupo turístico israelense ainda não se atreve a vagar livremente pelas ruas do Cairo ou Amã.

Israel também sabe que essa normalização colide com uma rejeição árabe profundamente enraizada do Estado, mesmo que normalize com todos os governos árabes, sem exceção. Resta, portanto, a Israel entender que essa recusa, enraizada no subconsciente árabe, não é quebrada pelas elites da mídia e da cultura que não têm credibilidade e estão em conluio com os governantes contra seu povo.

No caso da Arábia Saudita, os esforços de normalização na forma e no conteúdo são ridículos. Aqueles que ordenaram essa intensa campanha cultural e de mídia estão agindo como o tolo que se castra para ofender sua esposa. Alegar que os palestinos são ingratos e odeiam a Arábia Saudita, e usar isso como desculpa para elogiar Golda Meir e lisonjear Israel, é patética.

A causa palestina nunca foi exclusivamente a causa de Mahmoud Abbas ou de seu governo e nunca foi a causa exclusiva do Hamas ou de qualquer outro partido social, político ou religioso.

LEIA: Arábia Saudita e Catar são os mais atingidos por coronavírus entre os países árabes

A parte triste dessa farsa é que a difamação e a indecência organizadas estão sendo acompanhadas por uma campanha de prisão e abuso de palestinos que vivem há décadas  na Arábia Saudita e lá cresceram. Alguns estão na prisão e outros foram deslocados, enquanto os mais sortudos ainda estão em liberdade, mas sabem que é apenas uma questão de tempo até que eles também sejam presos.

Não se discute o direito dos governantes sauditas planejarem um futuro menos sombrio para seu povo. No entanto, o futuro de nenhum povo se baseia em ódio contra inimigos imaginários. O inimigo da Arábia Saudita hoje é o atraso, não os palestinos. O problema é a esterilidade econômica e a obstrução de perspectivas, não a questão palestina. A menos que os governantes da Arábia Saudita entendam isso, seus esforços serão em vão.

Este artigo apareceu pela primeira vez em árabe em Al-Quds Al-Arabi, em 11 de maio de 2020

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments