Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um policial, um pastor e um palestino: chilestinos são modelo para a unidade palestina

Manifestantes se reúnem para marchar no sexto dia de protestos contra aumento da tarifa do transporte público em Santiago do Chile. Em 23 de outubro de 2019 [Cristobal Venegas / Agência Anadolu]

Só fui apresentado ao termo “chilestinos” em fevereiro passado em uma conferência em Istambul, durante uma apresentação do diretor da Federação Palestina do Chile, Anuar Majluf.

Quando Majluf se referiu à comunidade palestina bem enraizada no Chile, que conta entre 450 mil e meio milhão de pessoas, usando essa frase desconhecida e peculiar, sorri. Outros também.

É muito raro que uma conferência sobre a Palestina, em qualquer lugar, inclua uma atmosfera otimista como a apresentada pelo líder chileno-palestino, já que o discurso atual sobre a Palestina é saturado com um sentimento cada vez maior de fracasso político, desunião e traição.

Digo ‘chileno-palestino’ por uma questão de conveniência, porque, mais tarde, percebi que o termo ‘chilestinos’ não era cunhado ao acaso ou de brincadeira.

A Dra. Lina Meruane, uma estudiosa chilena de descendência palestina, disse a Bahira Amin, da revista on-line ‘Scene Arabia’, que o termo ‘chilestinos’ é diferente de ‘chileno-palestinos’ no sentido de que é uma demarcação de uma identidade única.

“Não é uma identidade hifenizada, mas a fusão de duas identidades que pertencem uma à outra e não têm problemas em pertencer uma à outra”, disse Meruane. Amin se refere a este como um ‘terceiro espaço’ que foi criado na diáspora, ao longo de 150 anos.

Pode ser uma surpresa para aqueles que não estão familiarizados com a experiência palestina no Chile conhecer o velho ditado: “para cada vila no Chile você encontrará três coisas: um policial, um pastor e um palestino”. Mas o ditado, de fato, expressa um vínculo histórico entre a Palestina e um país localizado na extrema costa sudoeste da América do Sul.

A imensa distância – mais de 13.000 quilômetros – entre Jerusalém e Santiago, pode, em parte, explicar a razão pela qual o Chile e sua grande população “chilestina” não ocuparam seu merecido status na imaginação coletiva dos palestinos em todo lugar.

Mas há outras razões também, entre elas o fato de sucessivas lideranças palestinas terem falhado em apreciar completamente o imenso potencial das comunidades palestinas na diáspora, especialmente os palestinos do Chile. A história deste último caso não é apenas a de luta e perseverança, mas também de grande sucesso e contribuições vitais para sua própria sociedade e para a causa palestina.

A partir do final da década de 1970, a liderança da Palestina trabalhou para se envolver politicamente com Washington e outras capitais ocidentais, culminando no sentido penetrante de que, sem a validação política dos EUA, os palestinos permaneceriam sempre marginais e irrelevantes.

O cálculo palestino mostrou-se desastroso. Depois de décadas atendendo às expectativas e ditames de Washington, a liderança palestina voltou de mãos vazias, como o ‘Acordo do Século’ do governo Donald Trump finalmente provou.

As decisões políticas também têm repercussões culturais. Por pelo menos três décadas, os palestinos se reorientaram política e culturalmente, repudiando seus aliados históricos no hemisfério sul, como um todo. Pior, o novo pensamento ampliou os abismos entre palestinos na Palestina e seus próprios irmãos, como comunidades palestinas na América do Sul que mantinham forte sua identidade, idioma, música e amor por sua terra natal ancestral.

Dia de Nakba 1948 – Cartum [Carlos Latuff / Monitor do Oriente Médio]

O que há de tão único nos palestinos no Chile e em outras comunidades palestinas na América do Sul é que suas raízes remontam décadas antes da destruição da Palestina e do estabelecimento de Israel em suas ruínas em 1948.

Israel frequentemente afirma que suas vítimas palestinas não tinham uma identidade nacional no sentido moderno. Alguns estudiosos, às vezes bem-intencionados, concordam, alegando que uma identidade palestina moderna foi amplamente articulada após a Nakba – a destruição “catastrófica” da Palestina histórica.

Aqueles que ainda estão presos a essa distorção histórica devem se apresentar a historiadores palestinos como Nur Mashala e seu livro de leitura obrigatória “Palestina: uma história de quatro mil anos”.

Os “chilestinos” oferecem um exemplo real da verdadeira força da identidade coletiva palestina que existia antes que o próprio Israel fosse violentamente imposto no mapa palestino.

O “Deportivo Palestino”, um importante clube de futebol que joga na primeira divisão do Chile, foi estabelecido informalmente em 1916 e, oficialmente, quatro anos depois. Aprendi com a delegação ‘chilestina’ em Istambul que os fundadores da comunidade palestina naquele país criaram o ‘Palestino’ para garantir que seus filhos nunca esqueçam o nome e que continuam cantando o nome da Palestina por muitos anos.

O clube de futebol – conhecido como “segundo time nacional de futebol” da Palestina – em breve celebrará seu aniversário de cem anos, uma celebração que provavelmente ocorrerá em meio ao canto predominante de ‘Gaza resiste; Palestina existe ‘.

O estádio La Cisterna do Palestino, em Santiago, um imponente edifício decorado com bandeiras palestinas, não é apenas um testemunho da tenacidade da identidade palestina, mas também da generosidade da cultura palestina, já que o estádio é um dos maiores centros comunitários da cidade, atraindo pessoas de todos os lugares, juntas em uma celebração contínua de tudo o que temos em comum.

Para evitar qualquer entendimento reducionista da experiência palestina no Chile e em toda a América do Sul, devemos aceitar que, como qualquer outra sociedade, os palestinos tenham suas próprias divisões, que geralmente são motivadas por riqueza, classe e política.

Essa divisão atingiu seu auge durante o golpe do ditador chileno apoiado pelos EUA, Augusto Pinochet, em 1973. Mas a brecha não durou muito, pois os ‘chilestinos’ se uniram mais uma vez após o massacre de Sabra e Shatila, no sul do Líbano, engendrado por Israel, em 1982.

O ex-ditador chileno Augusto Pinochet [Wikipedia]

Desde então, a comunidade palestina do Chile aprendeu a aceitar suas diferenças políticas, ao concordar que seu relacionamento com a Palestina deve ser o seu ponto comum unificador. Há anos, os ‘chilestinos’ estão trabalhando lado a lado com outras comunidades palestinas na América do Sul para acentuar a necessidade de unidade, distanciando-se da desarmonia política e do faccionalismo que causou estragos na identidade política palestina na própria Palestina.

Lentamente, os palestinos da América do Sul estão voltando a ocupar o centro do palco no grande fluxo palestino, não apenas como parte integrante da identidade coletiva palestina, mas também como um modelo que deve ser totalmente compreendido e até emulado.

Não passa um dia sem que eu verifique meu aplicativo de esportes para acompanhar o progresso do “Deportivo Palestino”. Sei que muitos palestinos em outras partes do mundo fazem o mesmo, porque, apesar da distância, idioma e diferença de tempo, em última análise, sempre permaneceremos um povo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments