Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Holanda pede zona de exclusão aérea em Idlib, Síria

Ministro das Relações Exteriores holandês, Stef Blok, em coletiva de imprensa após reunião com seu colega turco em Ancara. Em 3 de outubro de 2018. [Adem Altam/AFP/Getty Images]

A Holanda pediu hoje uma zona de exclusão aérea sobre Idlib, no noroeste da Síria, antes de uma reunião dos principais diplomatas da União Europeia na Croácia.

“Fico feliz que o cessar-fogo tenha sido alcançado, mas temos que ver se ele será mantido. E ainda acho que seria muito sensato adicionar uma zona de não-voo ao cessar-fogo, pode ser o primeiro passo ”, disse o ministro das Relações Exteriores, Stef Blok, em um comunicado.

“Ainda acho que precisamos muito de uma zona de exclusão aérea, porque todos vimos relatos terríveis sobre os atentados a hospitais em Idlib. E para parar com isso, precisamos mudar a zona de exclusão aérea ”, acrescentou.

Blok explicou os detalhes de sua proposta em um comunicado no início desta semana.

“Vamos dar um passo atrás e, pelo menos, garantir que os ataques aéreos sobre Idlib sejam interrompidos. Isso significa que não háaverá mais aviões de caça ou helicópteros sírios. Em outras palavras: uma zona de exclusão aérea para Assad sobre Idlib ”, disse Blok.

“A UE precisa consultar a Rússia e a Turquia para que Assad não tenha escolha a não ser manter sua força aérea em terra”, acrescentou.

“O fechamento do espaço aéreo sobre o Idlib deve ser monitorado internacionalmente e, se ocorrer um ataque aéreo no Idlib, pelo menos saberemos quem é o responsável”, disse Blok.

Ancara e Moscou chegaram a um acordo ontem para restaurar um cessar-fogo entre as partes em conflito em Idlib, após dias de escalada.

Segundo o pacto, o cessar-fogo entrou em vigor às 00:01 de hoje (6)Ambos os lados enfatizaram a importância da prevenção de uma maior deterioração da situação humanitária, da proteção de civis e da garantia de assistência humanitária a todos os sírios em necessidade.

Idlib é um reduto dos grupos armados da oposição e do governo desde o início da guerra civil síria em 2011.

Em setembro de 2018, Ancara e Moscou chegaram a um acordo para transformar Idlib em uma zona de desmilitarização na qual atos de agressão são expressamente proibidos.

Mas mais de 1.800 civis foram mortos em ataques do regime sírio e das forças russas desde então, desprezando o cessar-fogo de 2018 e o mais recente, iniciado em 12 de janeiro.

Na semana passada, pelo menos 34 soldados turcos foram mortos em um ataque do regime, aumentando as tensões entre Ancara e Moscou, um aliado do regime de Assad.

Categorias
Europa & RússiaHolandaNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioRússiaSíriaTurquiaUE
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments