Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Autoridade Palestina escolherá perder a Palestina se for para manter sua ‘autoridade’

Manifestantes palestinos carregam cartazes representando o presidente palestino Mahmoud Abbas em 14 de abril de 2017 [Ashraf Amra/Apaimages]

O líder da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, continua a provar sua inutilidade quando se trata de tomada de decisões políticas. Se os EUA “continuarem” com o chamado acordo do século, o que Abbas ameaça é apenas a possibilidade de um boicote total.

O “plano de paz” dos EUA, que aprimora as estratégias de Israel para deslocar os palestinos à força e torná-los refugiados, tirando o direito de serem reconhecidos como tal, não é suficiente para a Autoridade Palestina implementar suas ameaças, pois depende da coordenação da segurança com a ocupação a sua existência e função. Em maio de 2014, Abbas descreveu a coordenação de segurança com Israel como “sagrada”, apesar das diferenças de política com o governo israelense.

Essa coordenação facilitou a perseguição a palestinos dissidentes e ativistas da resistência. Em 2014, a Operação Brother’s Keeper com Israel resultou na prisão de 50 ex-prisioneiros palestinos que foram libertados no acordo de troca de Gilad Shalit. Um dos acordos de coordenação de segurança mais assustadores envolveu a AP na morte do ativista e escritor palestino Basel Al-Araj em março de 2017.

Outras logísticas ainda dependem da coordenação de segurança, incluindo a movimentação de mercadorias e pessoas. A existência política da Autoridade Palestina depende dela, enquanto o povo palestino suporta o impacto da violência associada à sua vigilância.

LEIA: Alinhamentos na América Latina definem as primeiras posições frente ao Acordo do Século

As ameaças periódicas de Abbas de cessar essa coordenação não podem ser levadas a sério. Quanto a anular a dissidência e a resistência políticas palestinas, o acordo com Israel é o melhor que o colonizador e o colaborador podem obter. Em termos de engajamento político, a coordenação de segurança fornece à AP os fundos necessários para sustentar sua existência. A premissa de construção do estado, embora ilusória, fornece o pano de fundo para que esse financiamento continue, assim como o compromisso de dois estados, também ilusório.

Acordo do século, mudança de embaixada e as Colinas de Golã – Israel não pode acreditar na sorte? – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A resposta da comunidade internacional ao plano do presidente dos EUA, Donald Trump, anunciada na semana passada, não foi uma rejeição completa. O fato de deixar uma pequena possibilidade de que o mundo encontre um entendimento comum sobre a designação de dois estados feita pelos EUA isola a AP mais do que nunca. Seu constante balido à ONU e à UE para salvar a imposição de dois estados sobre a qual foi alcançado consenso internacional não salvará os esforços diplomáticos da AP agora. No que diz respeito à comunidade internacional, a AP é ainda mais coagida a manter a coordenação de segurança. Há um terreno comum entre os EUA e a comunidade internacional nisso, apesar do hype anterior que tentava colocar um contra o outro com o único objetivo de estender ainda mais a diplomacia de dois estados.

Desta vez, Abbas não será levado a sério (se ele já foi). Na verdade, suas ameaças vazias trarão mais ridículo à AP, expondo sua falta de autonomia. Embora a dinâmica do plano de Trump seja de fato uma ameaça à Autoridade Palestina, especialmente ao considerar a ação anterior empreendida pelos EUA para isolá-lo diplomaticamente, Abbas enfrenta uma ameaça maior ao seu poder se a coordenação de segurança for encerrada permanentemente. O ponto principal é que a AP arrisca-se a perder o que resta das terras palestinas para manter sua fachada de “autoridade”. Afinal, ele desenvolveu uma reputação notória por fazer concessões à ocupação, mas não comprometerá as migalhas de poder lançadas por Israel e pela comunidade internacional.

LEIA: A esquizofrenia de Mahmoud Abbas à medida que procura por um ‘fim honroso’

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments