Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A esquizofrenia de Mahmoud Abbas à medida que procura por um ‘fim honroso’

Palestinos na Faixa de Gaza protestam contra o chamado “acordo do século”, proposto pelo Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, em 28 de janeiro de 2020 [Mohammed Assad/Monitor do Oriente Médio]

A pedidos do Presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, a Liga Árabe realizou uma reunião de emergência na cidade do Cairo, capital do Egito, no último sábado (1°), para discutir o chamado “acordo do século” proposto pelo Presidente dos Estados Unidos Donald Trump. O plano do presidente americano contempla a anexação de grandes blocos de assentamentos na Cisjordânia ocupada pelo Estado de Israel, incluindo Vale do Jordão, e concede aos palestinos um estado residual em partes remanescentes e não-contínuas da Cisjordânia e Faixa de Gaza, além de um pequeno pedaço de terra em Jerusalém ocupada para servir-lhes de capital. Todo o acordo é condicional aos palestinos reconhecerem Israel como estado judeu e Jerusalém como capital israelense “indivisível”.

Trump propõe que grupos de resistência sejam desarmados e que o estado palestino permaneça desmilitarizado, sem qualquer controle ou soberania sobre suas próprias terras, espaço aéreo, águas territoriais, travessias de fronteira e, de fato, suas próprias fronteiras. A “Palestina” seria proibida de estabelecer alianças com outros estados, ou mesmo acordos.

Os palestinos, no entanto, não estão sozinhos ao repudiar o acordo; muitos estados, instituições e indivíduos árabes, islâmicos e seculares também o fizeram. O ex-Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter afirmou que o acordo “rompe a lei internacional no que se refere à autodeterminação dos povos, à aquisição de terras a força e à anexação de territórios ocupados” e que “prejudica prospectos para uma paz justa entre israelenses e palestinos”.

LEIA: Trump e seu espetáculo à la Balfour

Dada a tendência histórica de Mahmoud Abbas em defender os interesses de Israel, pode ser confuso vê-lo rejeitar com tamanha veemência o chamado plano “Paz para Prosperidade: Uma visão para melhorar a vida dos povos palestino e israelense”. Levar o caso à Liga Árabe e planejar levá-lo ao Conselho de Segurança da ONU mostra-se, talvez, ainda mais desconcertante.

Ouvir Abbas falar sobre o plano é como ouvir a um herói nacional que sacrificaria sua alma e sua fortuna em nome do país. “Jerusalém não está a venda”, insistiu Abbas na última semana. “Os direitos do povo palestino não estão a venda”, reiterou. Em voz alta, indagou se os palestinos seriam capazes de aceitar um estado sem Jerusalém, mas prontamente respondeu a si mesmo: “É impossível para qualquer palestino, árabe, muçulmano ou cristão aceitar isso.”

Abbas também é presidente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e do partido Fatah. O político palestino alega que não possui qualquer contato com a gestão de Donald Trump. Afirmou também que está encerrando a colaboração de segurança da Autoridade Palestina com Israel – certa vez, descrita por ele como “sagrada” – em resposta ao acordo. Durante a reunião da Liga Árabe, Abbas insistiu ter dito aos israelenses que “não haverá relações com eles ou com os Estados Unidos, incluindo cooperação de segurança.”

Presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas em Ramallah, Cisjordânia, 11 de novembro de 2019 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

Em 2012, Abbas tornou notório que havia desistido de seu direito de retorno. Em entrevista à emissora israelense Channel 2 News, o político palestino afirmou que, embora tenha nascido em Safed – cidade ocupada por Israel desde 1948 –, não possuía qualquer direito para retornar. Segundo ele, possuía apenas o direito de visitá-la. “Creio que Cisjordânia e Gaza’, declarou Abbas, “e outras partes [ocupadas em 1948, incluindo sua terra natal] são Israel”. De qualquer modo, vale reiterar, que o direito de retorno é um direito individual e não coletivo; portanto, não pode ser barganhado ou declinado por quaisquer autoridades.

Ao insistir que Israel é livre para fazer o que bem quiser no que se refere aos direitos palestinos e que os palestinos devem concordar com isso e manter a cooperação de segurança com o estado de ocupação colonial, Abbas certa vez declarou à emissora Palestine TV: “Caminhamos sob os auspícios da ocupação israelense”. Segundo o presidente do Partido Kulanu e ex-Ministro das Finanças de Israel Moshe Kahlon: “Sem coordenação de segurança, a Autoridade Palestina não pode sobreviver sequer por um dia.”

Em 2017, 2018 e 2019, o Conselho Nacional Palestino e o Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina decidiu em diversas ocasiões interromper a cooperação de segurança com Israel em resposta às violações contínuas contra os palestinos. Abbas jamais implementou qualquer uma dessas decisões, supostamente compulsórias. Ele sabe muito bem que a alternativa para a cooperação de segurança com Israel é a resistência armada, caracterizada por ele como “terrorismo”.

“Enquanto eu estiver neste gabinete, não haverá uma terceira intifada armada, jamais”, afirmou em certa ocasião. “Não queremos usar o medo. Não queremos usar a força. Não queremos usar armas. Queremos usar a diplomacia. Queremos negociações. Queremos uma resistência pacífica. Isso, sim.”

Acordo do século, transferência da embaixada e Colinas de Golã – Israel sequer imagina a sorte que tem? – cartum [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Agora, entretanto, Abbas parece levar a sério a possibilidade de encerrar a cooperação de segurança com Israel. Caso sim, isso pode refletir em sua eventual renúncia?

É bastante improvável. O mesmo homem que afirma indignação sobre o “acordo do século” e enuncia reiterados slogans nacionais foi responsável, em certa ocasião, por esboçar um documento com o Ministro de Justiça de Israel Yossi Beilin que incluía quase os mesmos termos do plano de Trump. O documento Beilin-Abu Mazen jamais foi adotado por Israel ou pelos palestinos. A isso, podemos acrescentar que, segundo relatos, os serviços de segurança da Autoridade Palestina de fato encontraram-se com suas contrapartes israelenses logo antes do anúncio de Trump, a fim de coordenar a contenção de quaisquer protestos subsequentes contrários ao plano, nos territórios palestinos ocupados.

É preciso questionar-se então: quais os interesses de Abbas em manter abordagem tão esquizofrênica?

Enquanto Abbas declarava indignação diante da cúpula da Liga Árabe, seu chefe de inteligência, Majid Faraj, reunia-se com a Diretora da CIA Gina Haspel, em Ramallah. Haspel recebeu garantias de que a cooperação de inteligência entre a agência de inteligência dos Estados Unidos e a Autoridade Palestina não seria afetada, e confirmou a vigência da cooperação de segurança com a ocupação israelense.

Desde 2017, Trump realizou uma série de medidas contrárias aos direitos palestinos: reconheceu Jerusalém como capital de Israel; transferiu a Embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém; suspendeu o envio de milhões de dólares em apoio humanitário aos palestinos e à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) e fechou o escritório da OLP em Washington. Considerando o encontro de Faraj com a diretora da CIA e a cooperação de segurança ainda vigente, que tipo de contatos e relações de fato foram cortadas pela Autoridade Palestina?

Ao falar à Al Jazeera no sábado (1°), Fayiz Abu Eita, porta-voz do Fatah em Gaza, recusou-se a responder uma pergunta sobre as medidas práticas que Abbas assumiria para provar que a cooperação de segurança com Israel foi encerrada. O oficial palestino ateve-se a dizer: “A liderança da Autoridade Palestina é capaz de tomar a decisão apropriada no momento apropriado.”

Algum esclarecimento foi concedido ao MEMO pelo jornalista israelense Baruch Yadid, próximo do Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu. Embora Abbas alegue que está boicotando Israel, “a cooperação de segurança continua como sempre.”

Ao longo do tempo, vimos Abbas abdicando de direitos legítimos do povo palestino e colocando à venda a própria Palestina e Jerusalém. Agora, vemos uma versão de Abbas que lamenta reiteradamente sobre os termos de um acordo basicamente produzido por ele. Tais contradições decerto representam uma esquizofrenia política da pior espécie. Segundo Yadid, entretanto, trata-se apenas da busca de Abbas por um “final honroso para sua vida política”.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestineSlide Grande
Show Comments
Show Comments