Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Justiça, afinal? Passo momentâneo da Corte Internacional na direção certa leva pânico a Israel

Procuradora do Tribunal Penal Internacional (TPI), Fatou Bensouda [foto de arquivo]

Finalmente, Fatou Bensouda, o promotora-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI) proferiu a conclusão há muito esperada de que “todos os critérios do estatuto de Roma para a abertura de uma investigação (sobre supostos crimes de guerra nos Territórios da Palestina Ocupada”) foram cumpridos ”.

O veredicto de Bensouda está em processo há muito tempo e, francamente, deveria ter chegado muito antes. As investigações preliminares do TPI sobre crimes de guerra israelenses começaram em 2015. Desde então, muitos outros crimes de guerra foram cometidos, enquanto a comunidade internacional persistiu em sua inércia moral.

A declaração do TPI, emitida em 20 de dezembro, foi de que o tribunal não via “razões substanciais para acreditar que uma investigação não serviria aos interesses da justiça”.

Mas o “interesse da justiça” pode ser atendido enquanto o governo dos Estados Unidos continuar a exercer uma força maciça, usando sua influência diplomática, política e financeira para garantir que Israel saia ileso de sua última briga legal?

Há pouca dúvida de que Michael Lynk, relator especial das Nações Unidas para a situação dos direitos humanos no território palestino, esteja absolutamente certo: uma investigação criminal formal do TPI sobre crimes de guerra na Palestina é um “importante passo à frente na busca de responsabilização” .

Ele também está correto em sua avaliação, publicada no site do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, de que “a prestação de contas, até agora, esteve praticamente ausente em 52 anos da ocupação”.

Trump não se importa com o Direito Internacional e legaliza acordos ilegais – Cartum [Sabaaneh / Monitor do Oriene Médio]

Eu iria ainda mais longe e expandiria o cronograma da falta de prestação de contas para incluir as duas décadas anteriores à ocupação israelense de Jerusalém Oriental, da Cisjordânia e da Faixa de Gaza. Caso contrário, como explicar a limpeza étnica da Palestina em 1947-48, os numerosos massacres e outros assassinatos arbitrários que acompanharam e seguiram aqueles anos decisivos, ou o fato de Israel nunca ter sido responsabilizado por suas violações das leis internacionais e humanitárias entre 1948 e 1967?

Não obstante essa questão, a Autoridade Palestina e todos os partidos políticos na Palestina devem aproveitar esta oportunidade sem precedentes de responsabilizar Israel.

Assim que o TPI emitiu sua declaração, surgiram notícias transmitindo um sentimento de “pânico” em Israel. O Times de Israel informou que uma reunião do governo israelense para discutir a decisão da corte foi realizada logo em seguida, com o objetivo de considerar uma resposta adequada, incluindo a possibilidade de impedir que os investigadores cheguem a Israel.

Isso é estranhamente familiar. Israel negou a entrada de – ou se recusou a cooperar com – investigadores e observadores internacionais em muitas ocasiões no passado.

Após uma investigação planejada pela ONU sobre supostos crimes de guerra israelense no campo de refugiados palestinos de Jenin em 2002, o governo israelense rapidamente se moveu e, infelizmente, conseguiu bloquear completamente a investigação.

Isso foi feito repetidamente, muitas vezes demonizando os mesmos indivíduos encarregados da missão de examinar a ilegalidade do comportamento de Israel no contexto do direito internacional. Juízes respeitados e especialistas em direito internacional, como Richard Goldstone, Richard Falk e John Dugard, foram atacados com veemência por autoridades e mídia israelenses e, por extensão, também pelo governo e pela mídia dos EUA.

Israel conseguiu sobreviver a dezenas de resoluções das Nações Unidas e a incontáveis denúncias legais da ONU e de todas as organizações afiliadas a ela, em grande parte por causa do apoio cego e inequívoco dos americanos, que impediu os criminosos de guerra israelenses de responderem a suas horríveis ações na Palestina .

“Lembre-se de que foi (a então secretária de Estado) Hillary Clinton que se orgulhou do fato de ter matado pessoalmente o Relatório Goldstone”, disse a autora norte-americana Norman Finkelstein, em recente entrevista ao site de notícias Mondoweiss.

O relatório Goldstone foi publicado logo após a guerra israelense em Gaza em 2009, apelidado de “Operação Chumbo Fundido”. A campanha de intimidação e pressão sobre Goldstone, pessoalmente, forçou o juiz, antes respeitado, a retirar suas acusações de crimes de guerra israelenses e o alvo deliberado de civis.

Se Clinton fez sua parte para torpedear o Relatório Goldstone, o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, segundo Finkelstein, fez um grande esforço para “neutralizar o direito internacional contra assentamentos e outros crimes israelenses nos territórios ocupados”.

Pior ainda, em 14 de setembro de 2016, Obama entregou ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusado de realizar numerosos crimes de guerra contra palestinos, o maior pacote de ajuda dos EUA a um país estrangeiro na história moderna, com US$ 38 bilhões ao longo de dez anos.

Este não é um fenômeno novo, onde os EUA permitem crimes de Israel e simultaneamente protegem Tel Aviv de qualquer responsabilidade perante a comunidade internacional. Todas as administrações dos EUA, sejam republicanas ou democratas, honraram a mesma máxima sinistra, garantindo assim que Israel, literalmente, se safasse de acusações de assassinatos.

Um caso particular ocorreu em 2001, quando 28 sobreviventes palestinos e libaneses do massacre de Sabra e Shatila em 1982 tentaram julgar, em um tribunal belga, o falecido líder israelense e acusado de crime de guerra, Ariel Sharon. As intensas pressões americanas e uma campanha de intimidação descarada, visando o governo belga e o sistema judicial, resultaram no arquivamente do caso em 2003. Para negar às vítimas de Israel a oportunidade de buscar justiça em todo o país, a Bélgica revisou sua própria lei, para satisfação de Israel e dos Estados Unidos.

O alto nível das investigações do TPI coloca a pressão legal contra Israel em um nível totalmente novo. Este é um território desconhecido para Israel, Estados Unidos, Palestina, TPI e a comunidade internacional como um todo. Há poucas dúvidas de que algum esforço conjunto entre israelenses e americanos já esteja em andamento para desenvolver estratégias destinadas a combater, se não de todo, a investigação do TPI.

É claro que a justiça para os palestinos diante da agressão israelense, alimentada pelo apoio incondicional americano, não é possível se não for acompanhada de unidade regional e internacional e uma posição clara e decisiva de todas as partes interessadas em que Israel, de uma vez por todas, pague por sua ocupação militar, leis racistas de apartheid, o prolongado cerco a Gaza e os muitos massacres no meio disso tudo.

Sem esse tipo de vontade internacional, a investigação do TPI poderá se tornar outro triste caso de justiça negada, uma opção inaceitável para qualquer indivíduo, organização e governo que busque justiça em qualquer lugar do mundo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestineSlide GrandeTPI
Show Comments
Show Comments