Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Argélia renova apelo para que França reconheça seus crimes coloniais

Os pedidos argelinos para a França “reconhecer, pedir desculpas e compensar” por seus crimes coloniais foram renovados, no 65º aniversário da Guerra da Independência da Argélia (1954-1962), que começa a ser rememorado em novembro, à luz de uma recusa oficial francesa em reconhecer suas tentativas de apagar a identidade argelina, saquear, torturar, assassinar e realizar experimentos nucleares durante os anos de ocupação (1830-1962).

Durante todo aniversário da Guerra da Independência da Argélia, vozes exigindo que os franceses reconheçam os crimes coloniais renovam seu chamado. No entanto, este ano e com o movimento popular em andamento na Argélia desde 22 de fevereiro, forçando Abdelaziz Bouteflika a renunciar à presidência (1999-2019), em 2 de abril, a situação não é mais a mesma.

Os manifestantes exigem, a cada marcha de sexta-feira, romper com a França nos níveis cultural e político, cancelar o uso da língua francesa nos estabelecimentos estatais, escolas e universidades e até responsabilizar a França pela atual situação política e econômica na Argélia.

Os crimes coloniais mais importantes cometidos pela ocupação francesa na Argélia são os seguintes:

Imagem da Guerra da Argélia (arquivo da AFP)

Primeiro: Tentativas de apagar a identidade argelina

Desde que ocupou a Argélia, em 5 de julho de 1830, a França trabalhou para aniquilar os diferentes componentes da identidade argelina, lançou uma feroz campanha em mesquitas e escolas corânicas e construiu a primeira escola missionária, em 1836. A ocupação francesa também promulgou leis de apartheid, rotulando os argelinos como habitantes locais, muçulmanos ou árabes, e os explorou para servir os colonos, depois de usurpar suas terras.

Segundo: crânios de militantes

Em toda a Argélia, a campanha colonial francesa enfrentou uma resistência popular que não conseguiu alcançar a independência. A França enviou as caveiras dos líderes executados dessas revoluções ao Musée de l’Homme em Paris em 1880 e 1881. Desde 2011, a Argélia exige que a França devolva essas caveiras, depois de identificar 31 entre elas. No entanto, Paris ainda se recusa a atender a essa demanda.

Terceiro: Massacre de Sétif e Guelma

Em 8 de maio de 1945, centenas de milhares de argelinos comemoraram o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e exigiram que a França cumprisse sua promessa de lhes conceder independência. No entanto, as forças coloniais usaram munição real, matando 45.000 manifestantes desarmados, em um crime contra a humanidade.

Quarto: 1,5 milhão de mártires

A Guerra da Independência da Argélia estourou em 1954 e terminou com a vitória em 1962. Durante esse período, mais de um milhão e meio de argelinos foram mortos, e a Argélia ficou conhecida como o “país de um milhão de mártires”. Em 2015, a Argélia anunciou um censo abrangente de crimes coloniais. A França também usou civis como reféns e escudos humanos em sua luta contra o Exército de Libertação Nacional da Argélia.

A Liga da Argélia para a Defesa dos Direitos Humanos revelou em um relatório de 2017 que o número de vítimas da ocupação francesa excedia dez milhões.

Quinto: O massacre de Paris de 1961

Em 17 de outubro de 1961, cerca de 60.000 argelinos marcharam na França para protestar contra a ocupação francesa de seu país. As autoridades francesas confrontaram os manifestantes com munição real e jogaram muitos deles no Sena, com um total de 1500 mortos e 800 desaparecidos, além de milhares de cativos.

Sexto: experimentos nucleares

As autoridades francesas de ocupação realizaram uma série de experimentos nucleares sob e acima do deserto da Argélia entre 1960 e 1966. Durante esse período, 17 ensaios nucleares foram realizados, segundo autoridades francesas, enquanto historiadores argelinos disseram que o número de experimentos é muito mais significativo .

O experimento de Gerboise Bleue foi o primeiro ensaio nuclear realizado em 1960 na região de Reggane, província de Bechar e sudoeste da Argélia. Os testes nucleares coloniais resultaram na morte de 42.000 argelinos e causaram danos permanentes devido à radiação atômica que continua a poluir esse local até hoje.

Sétimo: Genocídio

O colonialismo francês praticou os mais hediondos abusos e torturas contra argelinos, segundo vítimas e historiadores argelinos. Os ocupantes eletrocutaram prisioneiros, usaram poços de água como prisões e jogaram detidos de helicópteros.

Os Arquivos Nacionais da Argélia, que continham milhões de documentos e artefatos, e foram saqueados pelo ocupante francês, estão entre outros arquivos pendentes entre os dois países, pois a França ainda se recusa a entregar bens saqueados para a Argélia, além do arquivo de 2200 desaparecidos argelinos durante a revolução; um número deduzido pelas autoridades argelinas.

A Agência Anadolu citou o professor de história da Argélia, Mohamed Lamine Belghith, segundo o qual “a França terá que reconhecer o genocídio cometido contra a população argelina desde 1830” e que “o ocupante saqueou o tesouro do estado argelino. As quantias de dinheiro roubado e tesouros, ou seja, cinco navios franceses com carga total nos primeiros meses da ocupação, estão registradas nos arquivos oficiais franceses.

Categorias
ÁfricaArgéliaEuropa & RússiaFrançaNotícia
Show Comments
Show Comments