Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Após seca e conflitos 273 mil somalis fogem das inundações

Somalis esperam por mercadorias de ajuda, entregues por organizações não-governamentais em um campo no estado da Baía da Somália. Em 4 de abril de 2017 (Arif Hüdaverdi Yaman/Agência Anadolu)

Pelo menos 273 mil pessoas tiveram que fugir das fortes inundações do rio Shabelle, na Somália, disse o Conselho Norueguês para os Refugiados (CNR) em um relatório divulgado na sexta-feira, informou a Anadolu.

Pedindo ajuda humanitária urgente, o documento registra que os moradores da região mais afetada de Beledweyne estavam “abrigados sob árvores ou em tendas de emergência depois que suas casas improvisadas foram lomadas pelas inundações causadas pelas chuvas torrenciais”.

“As inundações destruíram mais de três quartos de Baladweeyne [Beledweyne] e submergiram muitas aldeias vizinhas. Estas são partes extremamente pobres da Somália, onde agora não há eletricidade nem água potável. O gado foi perdido e a produção agrícola foi dizimada ”, afirmou Victor Moses, diretor da Somália do CNR, no relatório.

“Nossa equipe está extremamente preocupada com pelo menos 30 mil pessoas vulneráveis, deslocadas pelas enchentes em Bardaale, mais ao sul. Essas comunidades precisarão de resposta imediata para sobreviver e apoio de longo prazo para se recuperar ”, acrescentou.

“O país já está devastado pela seca, o que contribuiu para o deslocamento de cerca de milhares de pessoas este ano, até agora. Comunidades vulneráveis tornam-se mais dependentes da ajuda humanitária e acham mais difícil se recuperar ”, disse Moses.

O CNR citou números da Rede de Proteção, Monitoramento e Retorno, liderados pelo ACNUR e pelo CNR, segundo os quais, só em outubro, cerca de 273 mil pessoas foram deslocadas pelas enchentes. Na recente crise relacionada às inundações, o número total de pessoas deslocadas na Somália devido a uma combinação de enchentes, secas e conflitos armados neste ano, até agora, subiu para 575 mil pessoas, segundo o relatório.

“As reservas alimentares foram destruídas, […] as pessoas deslocadas, principalmente crianças, mães e idosos, correm um alto risco de fome e doença. Doenças transmitidas pela água, como a cólera, podem gerar surtos e se espalhar rapidamente. As águas estagnadas são um terreno fértil para mosquitos e podem resultar em um surto de malária ”, alertou Moses.

Destacando os obstáculos causados pelo conflito armado em andamento, Moses observou que Beledweyne e toda a região de Hiran “não receberam apoio humanitário suficiente devido aos riscos contínuos à segurança e à prevalência de atores armados na área.

“Esta já é uma comunidade extremamente vulnerável e poderemos ver um enorme sofrimento e potencial perda de vidas, se a chuva continuar a cair e a ajuda não for recebida a tempo. É urgentemente necessária uma resposta humanitária coordenada e multissetorial para apoiar milhares de pessoas ”, afirmou.

Isso ocorre enquanto chuvas fortes devem atingir a Somália e mais inundações ao longo dos dois rios de Shabelle e Juba nas próximas semanas, segundo o relatório.

Prevê-se também que o desembarque de uma potencial tempestade tropical ocorra nas próximas 72 horas no leste da África, alertou o relatório.

A Somália, que foi destruída pela guerra civil por mais de duas décadas, luta com a falta de dinheiro e agora está determinada a coletar mais impostos de seus vastos portos e outras fontes para pagar os salários dos funcionários públicos e prestar serviços.

O CNR, em um relatório no mês passado, anunciou que apenas 62% do recurso de ajuda humanitária da ONU, 1,08 bilhão de dólares para a Somália foi liberado em 2019 e é improvável que atinja sua meta até o final do ano.

Categorias
ÁfricaNotíciaONUOrganizações InternacionaisSomália
Show Comments
Show Comments