Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Prêmio Nobel é concedido ao negador do genocídio de Srebrenica

Dramaturgo austríaco Peter Handke, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura 2019 [Twitter]

A decisão de conceder ao dramaturgo austríaco Peter Handke o Prêmio Nobel de Literatura de 2019 provocou indignação depois que ele havia anteriormente negado o genocídio de Srebrenica.

Em 1995, durante a guerra da Bósnia, o exército sérvio entrou na cidade de Srebrenica e matou, em cinco dias, mais de 8.000 muçulmanos da Bósnia, o maior crime de guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

O ministro das Relações Exteriores da Albânia, Gent Cakaj, disse no Twitter que é vergonhoso que o prêmio tenha sido dado a um “negador de genocídio”. O primeiro-ministro da Albânia escreveu: “Nunca pensei que iria vomitar por causa de um Prêmio Nobel”.

Handke, que em 2006 compareceu e falou no funeral do ex-presidente da Sérvia Slobodan Milosevic, receberá nove milhões de coroas suecas (917 mil dólares).

Milosevic foi indiciado em 1999 por crimes de guerra que cometeu durante a guerra do Kosovo, incluindo o genocídio de milhares de albaneses étnicos.

O embaixador do Kosovo nos Estados Unidos chamou de “decisão absurda e vergonhosa” e o presidente do Kosovo, Hashim Thaci, disse que “a decisão do Prêmio Nobel trouxe dor imensa a inúmeras vítimas”.

O filósofo esloveno Slavoj Zizek o chamou de apologista de crimes de guerra.

No entanto, nem todo mundo se opõe à sua vitória. A mídia sérvia o chamou de “grande amigo” e o presidente austríaco Alexander Van der Bellen disse que “temos muito a agradecer a Peter Handle. Espero que ele saiba disso.”

A Academia Sueca que concede o prêmio ainda está sofrendo um escândalo depois que o ex-vencedor e marido de um membro da academia Jean-Claude Arnault foi preso por estupro.

A Fundação Nobel ameaçou retirar o direito da academia de dar o prêmio depois que Arnault foi acusado de estupro e agressão sexual por 18 mulheres e recebeu uma sentença de dois anos de prisão.

A academia também foi acusada de se concentrar em escritores europeus e masculinos.

Em 2014, o próprio Handke solicitou a abolição do prêmio, alegando que ele trouxe ao vencedor “falsa canonização”.

Categorias
Bósnia & HerzegovinaEuropa & RússiaNotíciaSérviaSuécia
Show Comments
Show Comments