Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel prende cinco palestinos após colonos invadirem o portão de Al-Rahma

Forças prendem palestinos após protestos contra o fechamento dos portões que levavam à mesquita, Al-Rahma (Mercy) Gate. Em 18 de fevereiro de 2019 [Twitter]

As forças de ocupação israelense prenderam cinco palestinos e confiscaram divisórias de madeira e sapateiras no histórico Portão Al-Rahma, da mesquita Al-Aqsa.

Os espectadores foram ameaçados de prisão e impedidos de filmar para documentar o ataque israelense, informou a agência de notícias palestina Safa.

Além disso, cinco palestinos foram reunidos na área de oração do Portão de Al-Rahma e levados para a delegacia pelo portão do leão da cidade velha.

Essa invasão ocorre depois que centenas de colonos judeus invadiram o complexo de Al-Aqsa ontem de manhã no portão de Al-Mughrabi, sob proteção policial israelense.

“Cerca de 159 colonos judeus entraram no complexo”, disse a Autoridade de Doações Religiosas, a agência da Jordânia responsável por supervisionar os locais sagrados muçulmanos e cristãos da cidade, em comunicado

O diretor da mesquita de Al-Aqsa, Sheikh Omar Al-Kiswani, disse a Safa: “Há um incitamento claro por Israel e um programa sistemático para mudar a realidade de Al-Aqsa e impor uma nova situação pela força armada”.

Também foi relatado que houve uma “acentuada escalada” na frequência de visitas de judeus israelenses e “chamadas extremistas para atacar Al-Aqsa durante os feriados judaicos, em meio a rígidas restrições impostas pelas autoridades de ocupação aos palestinos”.

O Portão Al-Rahma (Portão da Misericórdia), um grande salão que faz parte do Portão Al-Dhahabi (Portão Dourado), foi fechado com correntes e trancas pelas forças israelenses em 2003 durante a Segunda Intifada.

Em fevereiro deste ano, centenas de fiéis palestinos protestaram contra o fechamento e entraram no Port Al-Rahma, reabrindo seus portões e orando nele.

Israel respondeu prendendo cerca de 60 palestinos em suas casas e detendo o chefe do Waqf de Jerusalém, o xeque Abdel Azeem Salhab, e seu vice, xeque Najeh Bkeirat.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments