Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Alemanha estenderá proibição de venda de armas para a Arábia Saudita

Chanceler alemã Angela Merkel, em Berlim, Alemanha, em 21 de março de 2019 [Abdülhamid Hoşbaş/Agência Anadolu]

O governo de coalizão da chanceler Angela Merkel estenderá uma proibição controversa de exportação de armas para a Arábia Saudita até o final do mês, disse uma fonte do governo ontem.

A proibição foi implementada após o assassinato do importante jornalista saudita Jamal Khashoggi no ano passado e se aplica a todos os países envolvidos na guerra do Iêmen. A medida enfrentou críticas de fabricantes de armas alemães e de alguns vizinhos da UE, como a França e o Reino Unido, que argumentam que o congelamento das exportações prejudica os projetos comuns de defesa.

No entanto, de acordo com a Times, a Alemanha e a França assinaram “um acordo secreto na tentativa de aliviar o atrito franco-alemão sobre a exportação de armas”, permitindo a venda de armas francesas contendo componentes alemães a países com questionáveis registros de direitos humanos. Os fabricantes franceses de armas foram afetados pela proibição de exportação de armas da Alemanha, pois as vendas para a Arábia Saudita foram perdidas ou atrasadas devido à necessidade de obter licenças de exportação de Berlim para equipamentos que contenham peças alemãs.

Além disso, um parlamentar do próprio partido Democrata-Cristão de Merkel disse a jornais alemães que “a suspensão da proibição de exportação de sistemas de armas defensivas é do nosso interesse estratégico”.

Em março, o governo alemão foi criticado por aprovar acordos de armas no valor de quase 400 milhões de euros (441 milhões de dólares) para a Arábia Saudita e seus aliados envolvidos na guerra do Iêmen, apesar da proibição.

No início deste ano, um tribunal do Reino Unido decidiu que as exportações de armas para a Arábia Saudita são ilegais. Segundo a política de exportação do Reino Unido, os juízes disseram que as licenças de equipamentos militares não devem ser concedidas se houver um “risco claro” de que armas possam ser usadas em uma “violação grave do direito internacional humanitário”. As licenças existentes devem ser revisadas, acrescentaram.

Ontem, a secretária de Comércio Internacional do Reino Unido, Liz Truss, pediu desculpas depois que o governo “inadvertidamente” quebrou sua própria promessa de não licenciar a exportação de armas para a Arábia Saudita, que poderiam ser usadas no conflito no Iêmen.

A violação foi identificada pela primeira vez no início deste mês, explicou ela, “durante uma análise de rotina do Ministério de Relações Exteriores e da Commonwealth (FCO)”. Trata-se da exportação de refrigerador de ar para um Renault Sherpa Light Scout, um veículo de alta mobilidade usado pelos militares para atravessar terrenos difíceis, e a segunda violação envolve a exportação de 260 itens de várias peças de rádio.

Categorias
AlemanhaArábia SauditaEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioReino Unido
Show Comments
Show Comments