Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestinos descrevem a renúncia de Greenblatt como “fracasso” americano

Assistente e enviado especial do presidente dos EUA Donald Trump para negociações internacionais, Jason Greenblatt (2º esq.) em visita à base militar de Nahal Oz perto da fronteira entre Gaza e Israel. Foto tirada em 30 de agosto de 2017 [Stringer/AgênciaAnadolu]

Na madrugada de 1º de setembro, um grupo formado por quatro homens e uma mulher, carregando uma faca, dirigiu-se à entrada do bar, restaurante e espaço cultural Al Janiah, na Bela Vista, bairro tradicional de São Paulo, chutando a porta da casa e lançando spray de pimenta no interior. Ainda havia frequentadores e funcionários no local, e estes conseguiram conter o ataque. Um vídeo mostra a chegada do grupo, o lançamento do gás de pimenta e, depois, a fuga.Várias autoridades palestinas descreveram a renúncia do enviado de paz dos EUA para o Oriente Médio, Jason Greenblatt, como “fracasso” da política americana na região.

O funcionário sênior da OLP, Dr. Hanan Ashrawi, declarou: “Acho que este é um reconhecimento final do fracasso”, informou a AFP.

“Tenho certeza de que os palestinos diriam: ‘muito bem!’ Greenblatt não perdeu nenhuma oportunidade de degradar os palestinos … Ele estava completamente comprometido em justificar violações israelenses em vez de trabalhar pela paz”, disse Ashrawi.

Ele foi além, dizendo que “eles tentaram nos extorquir para aceitar seu plano, mas nasceu morto e a renúncia de Greenblatt não é mais do que um prego no caixão do plano de paz dos EUA (acordo do século)”.

Enquanto isso, o oficial do Hamas, Basim Naim, insistiu que a renúncia do enviado dos EUA ao Oriente Médio era “boa notícia” e um sinal do “fracasso” da equipe norte-americana que trabalhou na consolidação da paz e na resolução de conflitos entre palestinos e Israel. .

“Isso destaca o fracasso do chamado” acordo do século “que nasceu morto”, argumentou a autoridade do Hamas.

Ele disse esperar que a renúncia de Greenblatt possa levar o governo Trump a rever a visão e a política dos EUA em relação à resolução de conflitos na região.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNotíciaOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments