Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Proibição a passeio ciclístico pró-Palestina no Reino Unido é na verdade uma decisão pró-Israel

Grande Passeio pela Palestina em Londres, em 27 de julho de 2019 [Ovais Mughal]

Na semana passada, a Campanha de Solidariedade à Palestina revelou que um conselho em East London proibiu o uso de qualquer um de seus parques em um passeio de bicicleta beneficente para crianças palestinas.

O Big Ride for Palestine realiza anualmente eventos patrocinados em Londres e Manchester para angariar fundos para instituições de caridade que atendem crianças palestinas.

Este ano, a causa escolhida foi a da Aliança das Crianças do Oriente Médio, que tem foco na saúde mental das pessoas traumatizadas que vivem sob a cruel ditadura militar de Israel.

A corrida levantou dezenas de milhares de libras por causas igualmente importantes ao longo dos anos.

Os organizadores passaram em março por toda a ladainha de preencher os requerimentos necessários para usar os parques públicos de Tower Hamlets para o comício final do evento.

Por mais de um mês houve envio e-mails aos conselheiros que finalmente respondessem ao pedido dos organizadores: recusado.

As razões dadas pareceram nebulosas: “reuniões com conotações políticas” consideradas “problemáticas”, especialmente se um dos oradores quisesse “dizer algo controverso”.

O resposta também mencionou vagamente “questões de coesão e igualdade da comunidade”.

Nada no e-mail, no entanto, alegava antissemitismo ou a desacreditada definição técnica de antissemitismo da Aliança Internacional de Recordação do Holocausto (IHRA), que o conselho adotou no ano passado.

Os organizadores, no entanto, desconfiaram. A Campanha de Solidariedade da Palestina, em seguida, protocolou um pedido baseado em direito à informação e obteve 158 páginas de e-mails dos conselheiros discutindo o pedido.

O material revela a verdadeira razão para o conselho impedir o evento de usar qualquer um dos seus parques públicos ou espaços abertos.

A justificativa declarada no e-mail de recusa aos organizadores – de que “comícios com conotações políticas” não são permitidos nas instalações do conselho – foi uma cortina de fumaça.

(Esse argumento seria claramente falso, de qualquer forma, porque o parque Altab Ali, que os organizadores da Big Ride inicialmente solicitaram ao conselho, já foi usado para muitos comícios no passado, inclusive por ninguém menos que o prefeito de Tower Hamlets, John Biggs. , durante sua campanha eleitoral em 2015.)

A verdadeira razão era que os oficiais do conselho, em sua infinita sabedoria, haviam decidido que o site Big Ride for Palestine era “antissemita”, baseado no fato de que condenava “os crimes do Estado de Israel” e falava de “paralelos entre apartheid da África do Sul e do Estado de Israel”.

O gerente do conselho em questão ignorou – ao que parece deliberadamente – uma sentença na mesma página da Web, declarando a oposição inequívoca do grupo da corrida ao antissemitismo. Para justificar essa inversão distorcida e bizarra da realidade, o gerente, Oudwa Idehen, invocou a definição técnica do antissemitismo da IHRA em algum aspecto, alegando que os exemplos citados em seu site “seriam prejudiciais” ao documento.

A definição foi escrita pela Aliança Internacional de Recordação do Holocausto, mas baseada em uma definição muito mais antiga e quase idêntica, descartada e desacreditada, escrita por um lobista de Israel dos EUA.

É uma definição confusa, muito mais longa do que seria necessário para qualquer trabalho antirracista real. Pior ainda, vários dos seus “exemplos” de antissemitismo trazem Israel ao pacote, quando não é necessário.

Todo o propósito do documento é atacar a campanha de solidariedade da Palestina. Este incidente em Tower Hamlets torna isso mais claro do que nunca.

O governo conservador, em 2017, primeiro fez pressão sobre as autoridades locais para que adotassem formalmente a definição da IHRA, mesmo admitindo não ter força legal.

Mas o Partido Trabalhista também ajudou a censurar a solidariedade da Palestina ao adotar o documento. Isso aconteceu no ano passado, depois de uma campanha maciça de pressão pela direita do partido, por muitos parlamentares e pelo lobby de Israel.

Na época, os críticos das comunidades locais e do Partido Trabalhista foram constantemente atacados pela direita e pelos grupos de lobby de Israel, e até mesmo por algumas figuras da esquerda trabalhista, como Jon Lansman.

Disseram-nos que estávamos fazendo um barulho por nada, e que a definição não proibia críticas “legítimas” do “governo Netanyahu” que não fossem além dos limites admissíveis.

Isso sempre foi uma mentira e a evidência em Tower Hamlets é definitiva.

Não é possível imaginar uma forma de solidariedade palestina mais fofinha e familiar do que o Grande Passeio à Palestina.

Não há nada que lembre uma organização radical , antissionista, de esquerda e dura, que está na febril imaginação dos lobistas de Israel. Essa é simplesmente uma maneira divertida de arrecadar o dinheiro necessário para uma instituição de caridade para crianças – algumas das crianças mais vulneráveis no Oriente Médio, se não no mundo.

Para os racistas anti-palestinos por trás do constante impulso para adotar a definição técnica da IHRA, o problema não é a forma como a solidariedade com a Palestina é expressa, é a própria existência da Palestina que é o problema.

E é disso que se trata a definição venenosa da IHRA: eliminar qualquer apoio deste país à existência palestina e à Palestina.

Qualquer pessoa preocupada em resistir a isso, deve, portanto, lutar para derrubar a definição da IHRA em sua totalidade.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaInvestigaçãoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestineReino Unidos
Show Comments
Show Comments