Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

UE adverte contra aventuras perigosas dos EUA no Oriente Médio

Alta Representante da União Europeia para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, Federica Mogherini participa da conferência intitulada "Apoiando o Futuro da Síria e Região" em Bruxelas, Bélgica. Em 14 de março de 2019 [Dursun Aydemir / Agência Anadolu]

A chefe da política externa da União Europeia, Federica Mogherini, disse que o bloco apóia totalmente os esforços do Iraque para diminuir as crescentes tensões entre os Estados Unidos e o Irã, porque o conflito terá conseqüências terríveis para todos os lados, segundo reportagem da Reuters.

Falando em uma coletiva de imprensa ao lado do chanceler iraquiano, Mohammed al-Hakim, durante uma visita a Bagdá, Mogherini disse que a UE aprecia e apoia a política do Iraque de manter boas relações com todos os vizinhos e alertou contra “aventuras perigosas” na região.

“O ministro e eu conversamos longamente sobre as crescentes tensões em torno do Iraque e a necessidade, em primeiro lugar, de evitar a escalada. Qualquer erro de cálculo poderia levar a conseqüências muito perigosas, em primeiro lugar para o Iraque, mas não só ”, disse ela.

A viagem de Mogherini ocorre em um momento de intensas tensões iranianas-americanas. Os EUA culpam o Irã por vários ataques recentes contra petroleiros e os dois países chegaram perto do conflito militar no mês passado, quando o Irã derrubou um drone dos EUA e o presidente Donald Trump ordenou ataques aéreos retaliatórios, apenas para cancelá-los minutos antes do impacto.

No ano passado, Trump retirou os Estados Unidos de um acordo de 2015 entre o Irã e as potências mundiais para conter seu programa nuclear. Washington endureceu as sanções ao Irã, que reagiu aumentando o enriquecimento de urânio além dos limites estabelecidos pelo acordo.

Os países europeus não apóiam diretamente as sanções dos Estados Unidos, mas não conseguiram encontrar formas de que o Irã pudesse evitá-las.

As tensões colocaram Bagdá, cujos dois maiores aliados são Washington e o vizinho Teerã, em uma posição desconfortável e ameaçam diretamente sua segurança.

O Iraque depende dos EUA para assistência em segurança e importa energia e bens vitais do Irã, com quem a maioria xiita compartilha laços religiosos. Ambos ajudaram a derrotar os militantes do Daesh que chegaram a invadir um terço de seu território.

Um conflito militar quase certamente se estenderia ao Iraque, que abriga tanto as tropas dos EUA quanto as influentes milícias xiitas aliadas ao Irã.

“Também afirmamos à Sra. Mogherini que o Iraque não deve se tornar um campo de batalha para este conflito, mas deve ajudar a resolver essa crise ao lado de outros países árabes, especialmente Kuwait e Omã”, disse Hakim, acrescentando que um conflito também complicaria os esforços contra o terrorismo.

“O cancelamento unilateral do acordo nuclear causou uma crise que poderia ter sido evitada através de negociações”, disse ele, referindo-se à retirada de Trump do acordo, mas acrescentou que a UE poderia desempenhar um papel importante na redução das tensões.

A UE apoia a proposta do Iraque de realizar uma conferência regional entre o Irã e Estados sunitas do Golfo Arábico, como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, disse Mogherini, que também se reuniu com o primeiro-ministro iraquiano Adel Abdul Mahdi e o presidente Barham Salih durante sua viagem.

“A experiência européia é que, mesmo nos momentos mais difíceis, é sempre melhor sentar e conversar do que explorar avenidas do desconhecido que podem ser perigosas para todos”, disse ela.

Categorias
Ásia & AméricasEUAEuropa & RússiaIrãIraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments