Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Racismo institucional é o preço pago por cidadãos israelenses de terceira classe

Forças de segurança detêm um manifestante durante protesto contra o assassinato de Solomon Tekah, um jovem de origem etíope, morto por um policial que estava de folga, perto da Torre Azrieli em Tel Aviv, em 3 de julho de 2019 [Oren Ziv / Agência Anadolu]

Palestinos gostam de veicular nas redes sociais a cena de uma antiga comédia israelense que mostra um grupo de combatentes do Hamas que consegue se infiltrar em um túnel, em território inimigo, e sequestrar um oficial israelense para trocá-lo por prisioneiros palestinos. Embora tudo corra bem, toda a operação é um fracasso. Por quê? Porque estava escuro e o grupo não conseguia ver que o oficial era de pele escura. Quando o líder do grupo percebe que o prisioneiro é de origem etíope, ele sabe que todos os seus esforços foram em vão.

Em seguida, o grupo entra em uma longa discussão sobre como convencer os israelenses a trocá-lo por menos prisioneiros palestinos, mas acabam convencidos de que os israelenses não lhes darão nada em troca dele, e nem mesmo ele acredita que o exército e o governo israelense cuidarão dele. Eles só têm um problema; o que fazer com este prisioneiro inútil, sem ferir seus sentimentos. Eles finalmente decidem libertá-lo.

O oficial não acredita que mesmo o Hamas não o queira e tenta convencer seus captores de que, mesmo sendo um israelense de pele escura, ele é valioso porque não é um mero soldado, é um oficial importante. Eles não ficam convencidos. Um do grupo diz que ele deveria agradecer a Deus por não ser um druso. Ele pede uma carona, mas eles se recusam a deixá-lo na linha de separação e sugerem que corra, pois os soldados israelenses são bons em fugir.

Este tipo de comédia não é incomum nas décadas de conflito. As pessoas de ambos os lados gostam de produzir e assistir, talvez porque tendam a ser mais honestas consigo mesmas quando estão rindo. Embora esses clipes de vídeo sejam destinados à autocrítica, em muitos casos eles são usados como propaganda para ridicularizar o inimigo e aumentar a autoconfiança de alguém.

Na semana passada, um policial israelense atirou e matou Solomon Teka, de 18 anos, um jovem judeu etíope, provocando protestos generalizados que bloquearam o transporte público em grandes cidades, como Tel Aviv e Jerusalém, lembrando as pessoas da Primavera Árabe. Os meios de comunicação estrangeiros mostraram alguns etíopes declarando seu apoio à Palestina e mudando sua religião para o islamismo, em uma rebelião contra o Estado de Israel, que eles descrevem como podre até a raiz. Eles são, em quase todos os aspectos, tratados como cidadãos de terceira classe pelo estado.

Aproveitando os protestos etíopes-israelenses, um comediante palestino de Gaza chamado Ali Nasman escreveu uma paródia, tirando sarro do racismo de Israel em relação a seus cidadãos de pele escura. No vídeo, em que aparece cantando, ele enegreceu o rosto e se juntou a um grupo de jovens palestinos de pele escura para zombar do modo como os judeus etíopes são tratados em Israel. Ele é visto com um garotinho pegando um ônibus, e um policial branco os expulsa, chamando-os de “escória negra”. Nasman então nos lembra como Israel negligenciou o soldado etíope-israelense capturado pelo Hamas.

Atiçando as chamas, a ala militar do Hamas revelou que Israel nunca exige discutir o caso do soldado desaparecido, Avraham Mengistu, quando a questão dos prisioneiros inimigos é mencionada. Tem sido assim desde o seu desaparecimento; ele foi excluído do arquivo de negociações completamente. A família de Mengistu acusa o governo israelense de duplicar os padrões baseados na discriminação racial.

 

Solomon Tekah, 19 anos, judeu negro etíope, foi morto quando um oficial israelense de folga disparou contra ele – Cartoon [Sabaaneh / MiddleEastMonitor]

Agora, o chefe do comitê designado pelo Ministério da Justiça israelense para investigar o assassinato de Teka, Keren Bar-Menachem, disse à família do jovem que “o relatório balístico mostra que o policial que matou Teka atirou no chão, e a bala ricocheteou e atingiu o peito do garoto de 18 anos. ”

Desta vez, o homem morto é um judeu israelense, não um palestino, então as coisas deveriam ser diferentes. Varrer o racismo oficial para baixo do tapete não será possível. Na próxima vez que Netanyahu quiser se gabar diante de seus benfeitores da AIPAC nos EUA sobre como fazer uma sociedade homogênea de diversas comunidades coloniais, ele terá que pensar muito e duramente se quiser ser honesto. O racismo institucionalizado contra os judeus etíopes marca o fracasso de todo o projeto colonialista sionista, porque a discriminação racial é inerente a toda a ideologia que sustenta o Estado colonial-colonizador. Pergunte aos palestinos, pois eles sabem que isso é a pura verdade.

Como o ativista israelense-americano Miko Peled disse, “Apoiar o sionismo e Israel é apoiar o racismo e a violência. Apoiar a luta palestina é apoiar os esforços para substituir o racismo e a violência por justiça, liberdade e direitos iguais. ”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments