Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Etíopes israelenses protestam em Israel: risco de escalada e ameaças policiais

Forças de segurança prendem um manifestante durante protesto contra o assassinato de Solomon Tekah, jovem de origem etíope, morto por um policial que estava de folga, perto da Torre Azrieli, em Tel Aviv. Em 3 de julho 2019 [Agência Oren Ziv / Anadolu]

Manifestantes israelenses de origem etíope, também conhecidos como Falashas, se reuniram na quarta-feira para protestar contra a morte do adolescente etíope-israelense Solomon Teka, que foi baleado por um policial no bairro Kiryat Haim, em Haifa, no início desta semana. Ao jornal Haaretz, um dos manifestantes disse: “Não devemos permitir um rápido retorno à vida normal, ao Instagram e ao Facebook. As pessoas aqui estão isoladas da realidade e não percebem que um menino morreu porque ele é negro ”.

O Departamento de Investigação Policial está investigando o policial que matou Teka, por suspeita de assassinato não intencional. No entanto, o Canal 12 informou hoje que, de acordo com suas investigações, o oficial atirou no chão, mas a bala desviou e atingiu o peito do garoto.

O canal 12 acrescentou que Netanyahu chamou os líderes do Falasha para uma reunião urgente hoje. No entanto, eles recusaram o convite e exigiram que o primeiro ministro israelense viesse até eles.

Os comícios em Israel ocorreram ontem (3), quando manifestantes bloquearam as vias principais de Tel Aviv, principalmente a rede de ruas Ayalon, que constitui um circuito central de tráfego na cidade. Os manifestantes também fecharam a estrada da praia, entre Haifa e Tel Aviv, perto da cidade de Netanya, além de outra rua principal na capital israelense e a junção Kiryat Ata na Baía de Haifa. Outras manifestações eclodiram em vários locais.

Houve confrontos entre a polícia e os manifestantes, que queimaram pneus de borracha, dois carros e danificaram outros veículos. A polícia afirmou que 111 policiais ficaram feridos quando os manifestantes jogaram pedras e coquetéis Molotov neles. O comunicado não mencionou ferimentos entre os manifestantes, pois um deles foi atropelado por um carro enquanto bloqueava a rua. As forças de segurança israelenses também prenderam 136 manifestantes e dispararam bombas sonoras, enquanto empregavam métodos violentos para dispersar a multidão.

Forças de segurança detêm um manifestante durante um protesto contra o assassinato de Solomon Tekah, um jovem de origem etíope, morto por um policial que estava de folga, perto da Torre Azrieli em Tel Aviv, em 3 de julho de 2019 [Oren Ziv / Anadolu Agência]

A autoridade nacional para estradas, Netivei Israel, indicou que o custo dos danos nas ruas de todo o país chegava a quase um milhão de shekels, incluindo a destruição de um sistema de sinais luminosos.

A TV israelense informou, na noite de terça-feira, que havia fortes sentimentos de raiva entre os manifestantes. Um deles declarou:

“O problema é que eles não nos consideram seres humanos, o que já começa com os brancos que não querem que seu filho brinque com um crioulo no parque público, e que acontece com a polícia que nos trata de acordo com a cor das nossas peles primeiro. Não podemos esconder nossa cor de pele ”.

Os manifestantes afirmaram que todos eles têm parentes próximos, vizinhos ou colegas de trabalho que foram submetidos à discriminação racial.

Netanyahu, Rivlin e a polícia pedem calma aos manifestantess

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente Reuven Rivlin pediram que os manifestantes permanecessem calmos. Netanyahu disse em um vídeo: “Eu sei que há problemas que precisam ser resolvidos. Nós trabalhamos duro e devemos trabalhar mais para resolvê-los; no entanto, peço-lhes uma coisa: parem de bloquear as ruas. Respeitamos o estado de direito e não toleraremos esse comportamento ”. Netanyahu anunciou que faria uma reunião do comitê sobre os falashas, mais tarde hoje.

Rivlin também afirmou: “Temos que parar e pensar juntos sobre como continuar a partir daqui. Temos que finalizar a investigação sobre a morte de Salomão, e devemos evitar o próximo assassinato, o próximo abuso físico, a próxima humilhação. Estamos todos comprometidos com isso. ”

De sua parte, o ministro israelense da Segurança Interna, Gilad Erdan, afirmou que ativistas entre os manifestantes incitavam agressões aos policiais e demonstravam intenção de atirar contra eles. Disse ainda que os manifestantes jogaram coquetéis Molotov em delegacias de polícia.

Enquanto os manifestantes pediam novos protestos nesta tarde, Erdan afirmou que “o resultado dos confrontos da noite anterior poderia ter sido pior se os manifestantes tivessem sido feridos ou mortos. Os policiais precisam trabalhar o mais rápido possível e usar seus recursos para impedir o bloqueio das ruas e manifestações violentas ”. Segundo o ministro, a polícia tentou conversar com os líderes dos protestos, “no entanto, os jovens manifestantes não nos escutaram ” – disse.

A polícia israelense anunciou nesta manhã que está permitindo que os manifestantes fechem as principais ruas do país. A declaração indica que “o bloqueio de ruas é proibido por lei e prejudica uma ampla gama de motoristas. Mas que os serviços de segurança foram contidos e impedidos de cometer violações contra os manifestantes, em uma tentativa de permitir que expressem sua opinião; no entanto, a polícia israelense diz que não permitirá um bloqueio em todo país que afete seriamente os cidadãos de Israel em geral e os usuários de rua em particular ”.

Os ativistas publicaram uma lista dos locais onde as manifestações ocorrerão esta tarde, incluindo os locais centrais em Tel Aviv, Jerusalém, Beersheba, Afula e a área da Baía de Haifa.

Categorias
ÁfricaEtiópiaIsraelNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments