Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Eurovision: Bandeira palestina na performance de Madonna causa comoção

Madonna se apresenta nas finais do festival de música Eurovision 2019, em Tel Aviv. Na performance, dois dançarinos exibem bandeiras palestina e israelense nas costas, em 18 de maio de 2019 [Twitter]

Os organizadores israelenses do festival Eurovision deste ano temiam que alguns dos competidores, sob pressão do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), pudessem introduzir comentários políticos em suas performances.

No final, entretanto, foi Madonna, convidada especial do Eurovision, quem utilizou sua performance para fazer uma declaração política.

A competição deste ano foi mais política do que costuma ser, realizada no contexto de uma campanha do movimento BDS que pedia a artistas, fãs e emissoras a não participar do evento, como protesto contra as políticas israelenses em Cisjordânia e Gaza.

Embora nenhum artista ou radiodifusor tenha cancelado sua participação, a super-estrela do pop Madonna causou surpresa durante a performance especial de duas canções – “Like A Prayer”, sucesso de 1989, e “Future”, com participação do rapper americano Quavo.

No final do segundo número, dois dançarinos de apoio apareceram brevemente no palco vestindo uma bandeira palestina e outra israelense na parte de trás de seus figurinos.

A União Europeia de Radiodifusão (EBU, em inglês), co-produtora da competição ao lado da emissora nacional israelense, publicou uma declaração imediatamente após sua performance. “Este elemento da performance não foi aprovado pela EBU e pela emissora sede, KAN. O Festival da Canção Eurovision é um evento não-político e Madonna foi informada disso,” afirmou a declaração, segundo a agência Reuters.

A cantora de 60 anos de idade, seguidora da Cabala, versão esotérica do judaísmo, recebeu críticas de ativistas pró-Palestina por se apresentar no evento.

Ela defendeu sua decisão ao publicar uma declaração no início da última semana, na qual prometeu sempre se expressar em defesa dos direitos humanos e afirmou ter esperanças de ver “um novo caminho para a paz.”

Hatari, banda que competiu pela Islândia, exibiu pequenas faixas palestinas ao vivo durante a contagem de pontos. A EBU afirmou que a manifestação política “contradiz diretamente as regras da competição.”

Categorias
Europa & RússiaEurovisionIsraelNotíciaOriente MédioPalestineVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments