Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu emite ordem ao exército para lançar ‘mais ataques’ contra Gaza

Três palestinos foram mortos por ataques aéreos israelense contra a Faixa de Gaza sitiada, em 5 de maio de 2019 [Mohammad Asad/Middle East Monitor]

Com os avanços das agressões israelenses, o Primeiro Ministro eleito Benjamin Netanyahu afirmou domingo ter dado ordens ao seu exército para continuar com os ataques contra a Faixa de Gaza sitiada. Foi o que informou a imprensa israelense, segundo a Agência Anadolu.

Em reunião do Gabinete de Segurança, Netanyahu declarou que deu ordens ao exército israelense “para manter os ataques contra os alvo na Faixa de Gaza,” acrescentando que o mesmo “está fortalecendo seu contingente de tanques e blindados, baterias de artilharia e tropas de infantaria na área de fronteira com Gaza,” segundo reportagem do jornal Yedioth Ahronoth.

O Gabinete de Segurança decidiu prosseguir com os ataques militares em Gaza, relatou a emissora israelense Channel 13. Uma fonte do Gabinete afirmou à emissora que não aceitará uma proposta de paz em troca de paz, afirmando que qualquer interrupção aos ataques ocorrerá sob termos israelenses.

Desde sábado (4), doze palestinos, incluindo uma mulher grávida e seu filho pequeno, foram mortos e outras 83 pessoas foram feridas pelos ataques aéreos israelenses.

Dois israelenses foram mortos no mesmo período por foguetes de forças de resistência palestinas, em resposta às agressões de Israel ocorridas na sexta-feira, que mataram quatro palestinos. Outros 84 israelenses receberam atendimento médico, dos quais 62 pessoas devido a ataques de pânico.

Ao menos 200 alvos civis foram atingidos pelas investidas de Israel sobre a faixa de Gaza desde sábado, incluindo sete edifícios residenciais.

A escalada em Gaza começou quando quatro palestinos foram mortos, incluindo um adolescente, e 51 feridos, na sexta-feira (3), em ataques israelenses contra localidades filiadas ao Hamas, além de um ataque separado sobre uma manifestação palestina contra a ocupação de décadas e o cerco à Faixa de Gaza.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments