Portuguese / English

Middle East Near You

Exército israelense lança ofensiva terrestre na Cidade de Gaza e mira novamente o escritório da ONU

Palestinos inspecionam a área após os ataques israelenses a uma escola pertencente à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA), que é usada como centro de refugiados no Campo de Refugiados de Nuseirat, na parte central de Gaza, em 06 de julho de 2024. [Ali Jadallah - Agência Anadolu].

O exército israelense anunciou, no início da segunda-feira, que lançou uma “operação terrestre” na Cidade de Gaza, contra alvos que incluíam a sede da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), alegando que abrigava armas e salas de investigação e detenção.

O exército israelense afirmou em um comunicado que a operação se baseia em informações de inteligência que indicam a presença de “infraestrutura e agentes do Hamas e da Jihad Islâmica na Cidade de Gaza”, informa a Agência Anadolu.

Referindo-se ao ataque à sede da UNRWA, o exército israelense alegou que o prédio abrigava armas, salas de investigação e detenção do Hamas e da Jihad Islâmica.

O exército disse que já havia realizado “operações” na área “para eliminar os agentes do Hamas e destruir uma rota de túneis subterrâneos sob o complexo”.

Durante a recente ofensiva, o exército israelense teria usado alto-falantes para alertar os civis a deixarem o prédio, prometendo uma passagem segura para os não-combatentes.

Quando a ofensiva terrestre começou, o exército disse que avisou os civis sobre as ações militares na área, alegando que uma rota seria aberta para permitir que os civis não envolvidos fossem evacuados.

LEIA: Número de mortos em Gaza é subestimado, alerta novo relatório

A UNRWA ainda não respondeu sobre o ataque militar israelense à sua sede.

No sábado, os militares israelenses alegaram ter atacado militantes palestinos dentro da Escola Al-Jaouni em Nuseirat, que os combatentes do Hamas estavam usando como centro de comando. Esse ataque teria matado 16 palestinos e ferido outros 50.

No início do dia, milhares de palestinos fugiram de grandes áreas do sudoeste da Cidade de Gaza quando as forças israelenses invadiram inesperadamente, pela primeira vez em mais de três meses, e abriram fogo pesado contra estradas, casas e prédios residenciais, resultando em dezenas de vítimas.

Um correspondente da Anadolu informou que veículos militares israelenses entraram no bairro de Tel Al-Hawa, na área industrial, nas zonas universitárias e na periferia sul de Rimal sob fogo pesado de caças e artilharia.

Testemunhas disseram à Anadolu na segunda-feira que a aviação e a artilharia israelenses realizaram ataques intensos no sudoeste da Cidade de Gaza, com disparos contínuos de helicópteros.

Eles também disseram que todas as instalações de saúde na Cidade de Gaza ficaram fora de serviço enquanto as forças israelenses atacavam hospitais no norte da Faixa de Gaza.

Separadamente, as canhoneiras israelenses dispararam metralhadoras pesadas contra o porto de pescadores no oeste da Cidade de Gaza, relataram as testemunhas.

Desrespeitando uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que exige um cessar-fogo imediato, Israel tem enfrentado condenação internacional em meio à sua contínua e brutal ofensiva em Gaza desde um ataque do Hamas em 7 de outubro de 2023.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments