Portuguese / English

Middle East Near You

Número de mortos em Gaza é subestimado, alerta novo relatório

Palestinos inspecionam a área após ataques israelenses a uma escola pertencente à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA), que é usada como centro de refugiados no Campo de Nuseirat, na parte central de Gaza, em 6 de julho de 2024. [Ali Jadallah/ Agência Anadolu].

A coleta de dados tem se tornado cada vez mais difícil em Gaza “devido à destruição de grande parte da infraestrutura”, alertou uma publicação da Lancet.

Os autores de Counting the dead in Gaza: difficult but essential (Contando os mortos em Gaza: difícil, mas essencial) alertaram que o Ministério da Saúde de Gaza “teve que aumentar seus relatórios habituais, com base nas pessoas que morrem em seus hospitais ou que são trazidas mortas, com informações de fontes confiáveis da mídia e de socorristas. Essa mudança inevitavelmente degradou os dados detalhados registrados anteriormente”.

Como resultado, os autores explicaram, os números atuais de mortos em Gaza são “uma subestimação”, especialmente porque grande parte da Faixa está em ruínas, com pessoas enterradas sob os escombros.

Além do número direto de mortes resultantes de ataques aéreos, “os conflitos armados têm implicações indiretas para a saúde, além dos danos diretos da violência”, acrescentaram.

LEIA: Os palestinos estão em ‘modo de sobrevivência’, diz chefe da UNRWA

“Mesmo que o conflito termine imediatamente, continuarão a ocorrer muitas mortes indiretas nos próximos meses e anos por causas como doenças reprodutivas, transmissíveis e não transmissíveis. Espera-se que o número total de mortes seja grande devido à intensidade do conflito; à destruição da infraestrutura de saúde; à grave escassez de alimentos, água e abrigo; à incapacidade da população de fugir para locais seguros; e à perda de financiamento para a UNRWA, uma das poucas organizações humanitárias ainda ativas na Faixa de Gaza.”

Pelo menos 38.153 palestinos foram mortos e 87.828 ficaram feridos na ofensiva militar de Israel em Gaza desde 7 de outubro, de acordo com os números do Ministério da Saúde. Acredita-se que mais de 10.000 estejam mortos, presos sob os escombros. Os corpos de muitos civis permanecem sem identificação após serem atacados por cães, atropelados por tanques israelenses ou deixados para se decompor pelas forças de ocupação até ficarem irreconhecíveis.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments