Portuguese / English

Middle East Near You

Israel tem todas as cartas na mão em Gaza?

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, chega para um discurso em seu escritório em Jerusalém em 14 de março de 2020 [Gali Tibbon/AFP via Getty Images]

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, é frequentemente criticado por não conseguir produzir uma visão para o “dia seguinte” ao fim da guerra de Gaza. Algumas das críticas emanam dos tradicionais aliados ocidentais de Israel, que desconfiam das agendas pessoais e políticas de Netanyahu, que se concentram em atrasar seus julgamentos por corrupção e garantir que seus aliados extremistas continuem comprometidos com a atual coalizão governamental. As críticas, no entanto, são mais fortes dentro do próprio Israel.

“Enquanto o Hamas mantiver o controle sobre a vida civil em Gaza, ele poderá se reconstruir e se fortalecer, exigindo assim que as IDF [Forças de Defesa de Israel] retornem e lutem em áreas onde já operaram”, disse o Ministro da Defesa Yoav Gallant em maio, exigindo um plano “day after”.

O mesmo sentimento foi transmitido pelo chefe do Estado-Maior do exército israelense, Herzi Halevi. “Enquanto não houver um processo diplomático para desenvolver um órgão governamental na Faixa que não seja o Hamas, teremos que lançar operações repetidas vezes”, disse ele, segundo o Canal 13 de Israel.

É verdade que Netanyahu não tem um plano para o pós-guerra.

A falta de tal “visão”, no entanto, não se deve inteiramente à sua própria incapacidade de produzir uma, mas também à sua incapacidade de determinar, com qualquer grau de certeza, se a guerra produziria resultados favoráveis para Israel.

LEIA: Israel já perdeu a batalha na Faixa de Gaza

Nove meses de guerra mostraram que o estado de ocupação é simplesmente incapaz de manter sua presença militar em áreas urbanas, mesmo naquelas que foram etnicamente limpas ou que são pouco povoadas. Isso se provou ser tão verdadeiro na parte sul de Gaza quanto na parte norte, incluindo cidades fronteiriças que eram relativamente fáceis de entrar nos primeiros dias e semanas da ofensiva militar.

Para que seja elaborado um plano pós-guerra que atenda aos interesses israelenses, Gaza teria que ser dominada militarmente, uma meta que parece mais distante do que nunca. No início da guerra, e muitas vezes desde então, Netanyahu argumentou que Israel teria “responsabilidade geral pela segurança” da Faixa de Gaza “por um período indefinido”.

Isso também é improvável, pois Israel tentou estabelecer esse controle de segurança entre 1967 e 2005, quando foi forçado, devido à resistência popular durante a Segunda Revolta, a retirar seus colonos e tropas da Faixa de Gaza, impondo um cerco hermético que está em vigor desde então.

Eventos recentes provaram que até mesmo o bloqueio israelense é insustentável, pois aqueles que foram encarregados de manter os palestinos presos falharam miseravelmente em sua tarefa principal. Essa avaliação é feita pelos próprios militares israelenses. “Em 7 de outubro, falhei (na) missão de minha vida: proteger o envelope [de assentamentos] [de Gaza]”, disse o comandante da 143ª Divisão, general de brigada Avi Rosenfeld, ao apresentar sua demissão em 9 de junho.

LEIA: 4 pecados israelenses sem precedentes

Isso significa que retornar ao status quo pós-guerra de 1967 não é uma opção racional, nem a reativação do chamado “plano de desengajamento” pós-2005.

Enquanto Washington está ocupada com a esperança de conceber uma alternativa que garanta a segurança de longo prazo para Israel – sem levar em conta os direitos, a liberdade ou a segurança dos palestinos, é claro – Netanyahu se recusa a entrar no jogo. O problema com as ideias americanas, no que diz respeito ao governo israelense, é que uma linguagem como “voltar às negociações” e coisas do gênero é completamente tabu na política dominante de Israel.

Além disso, Netanyahu rejeita qualquer envolvimento da Autoridade Palestina em Gaza.

Essa posição, que foi defendida até mesmo por outras autoridades israelenses, parece confundir muitos, pois a AP já está incorporada aos acordos de segurança de Israel na Cisjordânia ocupada. O verdadeiro temor de Netanyahu é que o retorno da AP a Gaza teria um preço político, pois daria maior credibilidade ao presidente da AP, Mahmoud Abbas, que investe com afinco no “processo de paz” defendido pelos EUA.

A atual liderança israelense não apenas rejeita o retorno ao antigo discurso político, mas também mudou fundamentalmente, passando essa linguagem para a anexação militar da Cisjordânia e até mesmo para a recolonização de Gaza. Para recolonizar Gaza, de acordo com as expectativas do Ministro da Segurança Nacional de extrema direita, Itamar Ben-Gvir, dois eventos consecutivos teriam que ocorrer: primeiro, a pacificação da Resistência de Gaza e, em seguida, uma limpeza étnica parcial ou total da população palestina no Egito.

LEIA: Além da solução de dois Estados – Por que reconhecer o Estado da Palestina é importante?

Embora o exército israelense esteja fracassando em sua primeira tarefa, a segunda também parece inviável, especialmente porque a recente operação israelense em Rafah empurrou centenas de milhares de palestinos deslocados para trás, para longe da fronteira entre Gaza e Egito, em direção ao centro da Faixa.

Netanyahu não parece ter um plano real para Gaza, nem para agora nem para o “dia seguinte” à guerra. Portanto, ele prolonga a ofensiva apesar do fato de seu exército estar exausto e esgotado, sendo forçado a lutar em várias frentes.

Culpar Netanyahu por não conseguir produzir uma visão do “dia seguinte” para Gaza, no entanto, também é uma ilusão, pois pressupõe que Israel tem todas as cartas. Na verdade, ele não tem nenhuma.

É claro que existe uma alternativa para o cenário de guerra sem fim, ou seja, o levantamento permanente do cerco a Gaza, o fim da ocupação militar e o desmantelamento do regime de apartheid.  Isso garantiria aos palestinos a liberdade e os direitos consagrados – na verdade, garantidos – pelas leis internacionais e humanitárias. Se a comunidade internacional tivesse a coragem de impor a Tel Aviv essa realidade do “dia seguinte”, não haveria necessidade de mais guerra ou resistência.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments