Portuguese / English

Middle East Near You

Universidade inglesa se afasta do Barclays sob pressão do acampamento em Gaza

Ativistas de direitos humanos invadiram 15 agências do banco Barclays na Inglaterra e na Escócia. [twitter/x @Pal_action]

A Universidade de Reading, da Inglaterra, concordou em se desfazer do banco Barclays após semanas de protestos de estudantes da Reading Friends of Palestine.

Em uma declaração, o vice-reitor, professor Robert Van de Noort, disse: “Desde que me reuni pela primeira vez com os alunos do Reading Friends of Palestine em 20 de maio, o primeiro dia de seu protesto em Whiteknights, muito foi dito e muito foi feito. A maior parte dessa atividade foi muito bem-vinda: uma expressão ativa e apoio à liberdade de expressão e debate, em muitas formas.”

“Como já descrevi anteriormente, nossas políticas existentes sobre investimentos foram criadas para alinhar nossos princípios com nossas posições financeiras. Nas últimas semanas, os alunos defenderam com veemência que há espaço para ampliar essas políticas. E estou disposto a concordar”, continuou ele, acrescentando que ”isso significa que a Universidade se desfará dos títulos detidos em três bancos sob a nova exclusão: Bank of America, Barclays e Wells Fargo”.

Ele explicou que é importante realizar revisões periódicas da Política de Investimentos da universidade, inclusive analisando “mais detalhadamente todas as nossas posições éticas”, incluindo “nossas políticas sobre investimentos que apoiam direta ou indiretamente armamentos, especialmente armamentos indiscriminados”. Van de Noort explicou que, no entanto, a universidade não deixará de investir totalmente no comércio de armas.

LEIA: Em campanha, Starmer promete reconhecer a Palestina como ‘parte do processo de paz’

A representação dos alunos será incluída no Comitê de Investimentos e Desenvolvimento pela primeira vez, acrescentou ele, dando-lhes voz sobre as ações que a universidade detém. Ele esperava que um novo sistema para isso estivesse em vigor até janeiro de 2025.

Em resposta à decisão, a UOR Friends of Palestine disse estar “entusiasmada”, acrescentando: “Estamos incrivelmente orgulhosos dos nossos campistas e gratos à nossa comunidade, pois isso não teria sido possível sem o apoio de vocês. Muito obrigado a todos”.

Recentemente, o Barclays enfrentou novas críticas de ativistas de direitos humanos. Esta semana, membros da Palestine Action vandalizaram 15 agências do banco na Inglaterra e na Escócia, exigindo que o banco ponha fim à sua cumplicidade com o genocídio em curso em Gaza. As janelas foram quebradas e as agências foram pintadas com tinta vermelha, para destacar o sangue que está sendo derramado como resultado dos investimentos do Barclays em fabricantes de armas,  incluindo a Elbit Systems de Israel.

Um relatório divulgado este mês revelou que o Barclays agora detém mais de £2 bilhões em ações de empresas cujas armas, componentes e tecnologia militar foram usados contra os palestinos por Israel. O Barclays também fornece mais de £6,1 bilhões em empréstimos e subscrição para essas empresas de armas e tecnologia militar, incluindo participações de £2,7 milhões na Elbit Systems. A Palestine Solidarity Campaign (PSC) pede um boicote ao banco por sua “grave cumplicidade” nos ataques de Israel aos palestinos. O Barclays nega essa alegação.

Negando tais relatos, o banco diz em seu site:

“O Barclays tem sido alvo de críticas em relação a Gaza com base em dois argumentos: que o Barclays é um investidor nessas empresas e que fornecemos uma série de serviços financeiros a clientes que produzem equipamentos usados pela Força de Defesa de Israel”.

LEIA: Observatório das instituições de caridade é instado a interromper o fluxo de doações do Reino Unido para o exército de Israel

“Perguntaram-nos por que investimos em nove empresas de defesa que fornecem para Israel, mas isso é um erro. Negociamos ações de empresas listadas em resposta a instruções ou demandas de clientes e isso pode resultar na posse de ações. Não estamos fazendo investimentos para o Barclays e o Barclays não é um “acionista” ou “investidor” nesse sentido em relação a essas empresas.”

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments