Portuguese / English

Middle East Near You

Hezbollah do Líbano revela mais de suas armas em uma escalada arriscada

O sistema de defesa aérea israelense destrói um míssil no ar enquanto o fogo irrompe em 15 lugares no norte de Israel devido a mísseis disparados do Líbano e estilhaços que caem durante operações de bloqueio nas Colinas de Golã em Israel, em 13 de junho de 2024. [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu].

O Hezbollah está usando mais armas de seu arsenal no conflito com Israel, mesmo quando declara não ter interesse em uma guerra em grande escala, algo que os analistas acreditam ter como objetivo dissuadir Israel de um confronto mais amplo, mas que também pode correr o risco de desencadear um.

Desencadeado pela guerra de Gaza, o conflito na fronteira libanesa-israelense mudou de patamar no último mês, aumentando a preocupação de que os adversários fortemente armados possam escalar para uma guerra que seria ruinosa para ambos os países.

O espectro de tal guerra está pairando sobre a região enquanto a mediação liderada pelos EUA luta para garantir um cessar-fogo em Gaza, com uma retórica cada vez mais belicosa tanto de Israel quanto do Hezbollah.

O Hezbollah tem intensificado seus ataques de várias maneiras ultimamente, enviando um número maior de drones explosivos de uma só vez, usando um novo tipo de foguete e declarando que atingiu aviões de guerra israelenses pela primeira vez – um marco para o grupo, de acordo com uma fonte familiarizada com o arsenal do Hezbollah.

Em retaliação à morte de um comandante sênior por Israel, o Hezbollah desencadeou dois dias de seu mais pesado bombardeio no conflito até agora, disparando cerca de 250 foguetes contra Israel na quarta-feira e um ataque ainda maior contra nove instalações militares israelenses com foguetes e drones na quinta-feira.

LEIA: Atacar o Líbano é desastre para a existência de “Israel”

Muitos dos foguetes de quarta-feira parecem ter aterrissado em terreno aberto e provocado grandes incêndios em arbustos. Os estilhaços do ataque de quinta-feira deixaram pelo menos duas pessoas feridas em Israel.

A escalada testou as regras não escritas que, desde outubro, limitaram o conflito a áreas na fronteira ou próximas a ela, mantendo as cidades libanesas e israelenses fora da linha de fogo.

Israel disse, na quinta-feira, que considera o Hezbollah e seus patrocinadores iranianos culpados pelo aumento da violência e prometeu repetidamente restaurar a segurança na fronteira. As Forças de Defesa de Israel não responderam imediatamente a um pedido de comentário sobre as novas capacidades do Hezbollah, como a alegação de ter atingido um avião de guerra.

A fonte familiarizada com o arsenal do Hezbollah disse que o grupo ainda está calibrando suas ações com a intenção de evitar uma guerra total, mesmo que tenha intensificado seus ataques – a abordagem adotada desde o início do conflito.

LEIA: Irã não permitirá que Israel faça o que quer no Líbano, diz chefe das Relações Exteriores

A fonte disse que o Hezbollah começou a escalar com o objetivo de aumentar a pressão sobre Israel ao lançar uma ofensiva em Rafah, na Faixa de Gaza, no início de maio, e também com a intenção de revelar gradualmente mais de suas capacidades.

Isso incluiu as armas antiaéreas que o Hezbollah disparou contra um avião de guerra israelense pela primeira vez em 6 de junho, um esforço para desafiar a supremacia aérea de que Israel desfruta há muito tempo, disse a fonte, recusando-se a identificar o tipo de arma usada.

O Hezbollah anunciou quatro ataques contra aviões de guerra israelenses na última semana, dizendo que os havia forçado a deixar o espaço aéreo libanês.

“O Hezbollah está mostrando os tipos de capacidades que possui” em um esforço para “fortalecer a dissuasão para uma guerra convencional”, disse Seth G. Jones, vice-presidente sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington.

“A questão é saber que tipo de defesa aérea o Hezbollah tem e o que mais ele poderia obter dos iranianos e sírios. Suspeito que qualquer indicação séria de capacidades sérias levaria os israelenses a atacar com força”, disse ele.

Mais “surpresas 

O Hezbollah começou a trocar tiros com Israel em 8 de outubro, um dia depois que seu aliado palestino, o Hamas, atacou o sul de Israel, provocando a guerra de Gaza. O Hezbollah diz que cessará o fogo somente quando a guerra de Gaza acabar.

ASSISTA: Chamas no norte: Imprensa israelense reporta 13 incêndios após disparos do Hezbollah 

Dezenas de milhares de pessoas fugiram de ambos os lados da fronteira. Os ataques israelenses mataram mais de 300 combatentes do Hezbollah e cerca de 80 civis no Líbano, de acordo com dados da Reuters. Os ataques do Líbano mataram 18 soldados israelenses e 10 civis.

Israel bombardeou áreas onde o Hezbollah opera no sul do Líbano e no Vale do Bekaa. Em Israel, o deslocamento de tantas pessoas se tornou uma grande questão política, pressionando o governo a agir.

Antes desse conflito, Israel e o Hezbollah haviam evitado um grande confronto desde uma guerra de um mês em 2006, desencorajados desde então por ameaças mútuas de destruição catastrófica.

O arsenal do Hezbollah cresceu enormemente desde 2006.

O Hezbollah derrubou cinco drones israelenses, pilotou drones contra alvos israelenses e usou sofisticados foguetes guiados que capturam imagens à medida que se aproximam de seus alvos, imagens posteriormente transmitidas pela TV Al-Manar do grupo.

LEIA: Mísseis do Hezbollah causam blecaute nos colonatos de Israel

Em 8 de junho, o Hezbollah disparou pela primeira vez foguetes de artilharia Falaq 2, de fabricação iraniana, capazes de carregar uma ogiva maior do que os Falaq 1 disparados anteriormente.

Seus foguetes também provocaram incêndios florestais no norte de Israel.

O vice-chefe do Hezbollah, Naim Qassem, disse em 4 de junho que o grupo não buscava a guerra, mas estava pronto para lutar se ela fosse imposta. Ele também deu a entender o armamento que o grupo tem em reserva.

“O que o partido usou até agora na batalha para apoiar Gaza e defender proativamente o Líbano é uma pequena parte do que ele tem, e há assuntos cujas surpresas podem ser maiores”, disse ele em 10 de junho.

Restaurando a dissuasão perdida 

Os Estados Unidos, que consideram o Hezbollah um grupo terrorista, lideraram os esforços diplomáticos para diminuir a escalada do conflito. Uma autoridade dos EUA disse, na quinta-feira, que Washington estava muito preocupado com a possível escalada.

LEIA: Israel reconhece as capacidades do Hezbollah após a queda do drone Hermes 900

O Hezbollah indicou sua abertura a acordos diplomáticos para que o Líbano se beneficie, mas diz que isso não pode ser discutido até que Israel interrompa a ofensiva em Gaza. Israel também indicou abertura para um acordo diplomático que restauraria a segurança no norte, enquanto se prepara para uma ofensiva.

Enquanto isso, Israel tem usado seu poder aéreo para atacar o Líbano quase que diariamente, tendo como alvo os combatentes do Hezbollah no sul, no Vale do Bekaa e até mesmo atacando Beirute em uma ocasião para matar um líder sênior do Hamas. O Hezbollah quer restabelecer a dissuasão que faria Israel pensar duas vezes.

“Eles tiveram que aumentar a escalada porque perderam a dissuasão e precisam restabelecer a dissuasão”, disse Mohanad Hage Ali, vice-diretor de pesquisa do Carnegie Middle East Centre.

“Mas, também no que diz respeito à operação israelense em Rafah, eles precisavam agir. Eles justificaram sua participação na guerra para apoiar e mostrar solidariedade a Gaza, então tiveram que agir.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIrãIsraelLíbanoOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments