Portuguese / English

Middle East Near You

Houthis publicam ‘confissões’ atribuídas a espiões dos EUA e de Israel

A silhueta de um homem é vista digitando em um laptop tirada em Tiskilwa, Illinois, EUA, na quinta-feira, 8 de janeiro de 2015 [Daniel Acker/Bloomberg via Getty Images]

Os Houthis do Iêmen publicaram o que descreveram como confissões de espiões que trabalham para os EUA e Israel.

As imagens, divulgadas pela TV Al-Masirah, afiliada ao grupo, foram divulgadas depois que os houthis anunciaram no domingo que haviam desbaratado uma rede de espionagem americano-israelense equipada com tecnologias e dispositivos que permitem operar secretamente, acusando seus membros de desempenhar “papéis de espionagem e sabotagem em instituições oficiais e não oficiais por décadas, beneficiando o inimigo”.

O grupo acrescentou que a rede está “diretamente ligada à CIA”.

Na terça-feira, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu aos houthis que libertassem 17 funcionários da ONU detidos no Iêmen, 13 dos quais foram detidos há poucos dias. Acredita-se que vários deles façam parte da “rede de espionagem” de que os houthis falaram.

De acordo com as confissões, todos os réus trabalharam na embaixada americana em Sanaa e com organizações americanas, como a USAID.

LEIA: EUA e Reino Unido bombardeiam Iêmen, houthis respondem no Mar Vermelho

De acordo com a Al-Masirah TV, Amer Al-Aghbari conseguiu um emprego na Embaixada dos Estados Unidos em 2010 e trabalhou com marketing agrícola e produção agrícola, promovendo produtos americanos e fornecendo aos americanos informações sobre os desenvolvimentos do Estado nesse campo.

Ele confessou que trabalhou para o projeto de melhoria da educação básica da USAID entre 2004 e 2007 e afirmou que os livros de leitura para as séries elementares foram copiados de um modelo israelense que foi aplicado na Jordânia com a cumplicidade do pessoal especializado em educação no setor de currículo.

Al-Aghbari também disse que foi designado em 1993 para instalar dispositivos de escuta na casa do então primeiro-ministro do Iêmen, Haider Al-Attas, e que no mesmo ano também foi designado pela agência americana para coletar informações sobre armas localizadas no norte e no sul do país.

O embaixador dos Estados Unidos no Iêmen, Steven Fagin, pediu hoje aos houthis que libertem imediatamente os funcionários detidos de organizações internacionais, incluindo os funcionários da embaixada dos EUA em Sanaa.

“Os houthis devem agradecimentos a todos esses iemenitas, e não falsas acusações e prisões. O povo do Iêmen merece mais do que as mentiras fantasiosas dos houthis para reforçar seu governo abusivo e autocrático”, disse ele em um comunicado.

LEIA: Tensões no Mar Vermelho reforçam impacto da guerra em Gaza, alerta China

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIêmenIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments