Portuguese / English

Middle East Near You

Do rio ao mar – um apelo à descolonização legítima

Milhares de manifestantes marcham pelo centro de Londres para demonstrar solidariedade ao povo palestino e exigir um cessar-fogo imediato para acabar com a guerra em Gaza, em Londres, Reino Unido, em 21 de outubro de 2023 [Wiktor Szymanowicz/Agência Anadolu]

A mídia israelense está comemorando mais uma vitória de sua narrativa, pois o Congresso dos EUA aprovou uma resolução que condena o canto da resistência palestina, “Do rio ao mar, a Palestina será livre”, como antissemita.  O texto da resolução parece uma série de trechos que supostamente justificam a natureza antissemita do slogan, mas que, em vez disso, se apresenta como uma propaganda exaustiva de Israel que o protege da responsabilização pelo colonialismo, pelos crimes de guerra e até mesmo pelo genocídio.

O texto é típico da confusão usual entre judeus e Israel, alegando que o slogan promove a violência “contra o Estado de Israel e a comunidade judaica em todo o mundo”.  Ele também declara parcialmente: “Considerando que o slogan ”do rio ao mar, a Palestina será livre” é um chamado antissemita às armas com o objetivo de erradicar o Estado de Israel, que está localizado entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo”.  Em termos políticos, isso significaria descolonização – a dissolução de uma estrutura colonial que a comunidade internacional legitimou e reconheceu, apesar de ter sido construída com base na limpeza étnica do povo palestino.  Não há antissemitismo na descolonização – apenas um direito político.

Para supostamente provar um ponto, a resolução traz o ex-presidente do Iraque, Saddam Hussein, Osama Bin Laden, da Al-Qaeda, o presidente iraniano Ebrahim Raisi, o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, e vários membros do Hamas, além de apresentar várias alegações que, desde então, se provaram falsas, como a decapitação de bebês pelo Hamas em 7 de outubro.  A resolução só seria levada a sério pelos aliados de Israel, que não questionam a manipulação sionista do antissemitismo para atender à sua agenda expansionista.  Mesmo com o genocídio em curso em Gaza.

LEIA: ‘Do rio ao mar’: Milhares participam de protesto pró-Palestina em Londres

Como é que um slogan – um chamado de resistência que não é apoiado por nenhum suporte de resistência tangível para a Palestina – prova ser perigoso no esquema maior das coisas, quando Israel está eliminando o povo palestino de Gaza?

“A retórica de ódio obstrui os esforços de paz”, afirma parcialmente a resolução.  E o genocídio não o faz?  Ou o Congresso dos EUA está agora defendendo o genocídio pela paz, da mesma forma que Israel preferiria a paz – sem palestinos?

O slogan foi usado por supostos “manifestantes violentos” – onde está a prova?  Ou será que a construção sionista da violência é aquela em que os colonizados e seus apoiadores estão pedindo que os direitos políticos sejam reconhecidos?  A resolução afirma que o slogan “perpetua o ódio contra o Estado de Israel e o povo judeu”.  Outra afirmação falsa – Israel perpetuou o ódio contra si mesmo e qualquer ódio que se espalhe pelo povo judeu é resultado do fato de Israel equiparar o judaísmo e o sionismo, apesar da diferença.  Para simplificar, os judeus são objetos aos olhos de Israel – ferramentas para a expansão colonial a serem usadas e exploradas.  Os judeus que não são sionistas reconhecem esse fato, assim como os cristãos que são sionistas, por exemplo.

“Do rio ao mar, a Palestina será livre” fala da Palestina sem sionismo, da Palestina com raízes em uma história que Israel está tentando freneticamente erradicar.  Não há violência no fato de os palestinos se lembrarem de sua terra.  Não há incitação, mas uma afirmação do que pertence aos palestinos por direito.  O colonialismo gera a necessidade de luta anticolonial, e é aí que o foco deve se concentrar – na anomalia de uma ideologia colonial europeia que rouba terras que não são suas e comete genocídio para mantê-las.

LEIA: Sionismo, Nacionalismo e Messianismo

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEstados UnidosIraqueIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments