Portuguese / English

Middle East Near You

A derrota estratégica de Israel e o ressurgimento da narrativa palestina

Manifestantes pró-palestinos se reúnem para protestar contra os ataques israelenses a Gaza enquanto uma marcha nacional pela 11ª vez é organizada pedindo um cessar-fogo urgente para Gaza em 30 de março de 2024 em Londres, Reino Unido [Raşid Necati Aslım - Agência Anadolu]

Nas primeiras horas do dia 7 de outubro, um dia que agora está gravado nos anais do conflito israelense-palestino, o status quo foi abalado.  Assim como a experiência americana no Vietnã, onde a Ofensiva do Tet marcou um ponto de inflexão, Israel se encontra em um dilema peculiar – controla a maior parte da Faixa de Gaza no terreno, mas vacila na guerra de narrativas e posição moral.  Após o assassinato de sete trabalhadores humanitários – em sua maioria estrangeiros – da organização World Central Kitchen (WCK) e o telefonema subsequente entre Netanyahu e Biden, com o último exigindo uma interrupção imediata da guerra em Gaza e sugerindo uma mudança na política dos Estados Unidos em relação à situação atual, ressurge a questão mais urgente sobre a perda estratégica de Israel nessa guerra: até que ponto os eventos de 7 de outubro e suas consequências colocaram Israel diante de uma nova realidade global em que está mais exposto e isolado, enquanto a direita palestina está mais forte e mais clara?

A derrota estratégica de Israel hoje não se trata de perder terras, mas de perder a narrativa e a legitimidade internacional. A existência de Israel tem dependido de sua capacidade de convencer a comunidade internacional, especialmente as nações ocidentais, de seu direito de estabelecer uma pátria em terras palestinas.  Isso foi buscado principalmente de duas maneiras:

A primeira foi por meio de imensa propaganda, com foco na noção de que a Palestina era “uma terra sem povo para um povo sem terra” e que o estabelecimento de uma pátria para os judeus era o único meio de protegê-los como raça após o Holocausto.

O segundo caminho envolveu o uso da acusação de “antissemitismo” para sufocar qualquer crítica a Israel, processando todos aqueles que rejeitam sua ocupação sob esse pretexto.  No entanto, a realidade após o dia 7 de outubro parece drasticamente diferente.  Diante dos horríveis massacres israelenses e das transmissões ao vivo de assassinatos, a narrativa israelense perdeu sua capacidade de persuasão.  Os países ocidentais não podem mais aplicar a lei antissemitismo contra aqueles que denunciam o genocídio.

LEIA: Antissemitismo como arma para intimidar críticos de Israel

Os governos ocidentais enfrentam contradições extremas; por um lado, buscam apoiar Israel e garantir sua sobrevivência, enquanto, por outro lado, estão testemunhando seus valores liberais ocidentais sendo submetidos a um teste rigoroso.

A história recente, em que várias nações enfrentaram diferentes formas de ocupação, deixa evidente que a vitória na batalha significa pouco quando a guerra por corações e mentes é perdida.  Da mesma forma, apesar de sua força militar, Israel está em uma encruzilhada, com sua imagem manchada e sua posição moral sendo questionada internacionalmente.  O apoio externo a Israel tornou-se tímido, enquanto as pesquisas nos Estados Unidos indicam que a nova geração está questionando o direito de Israel de estabelecer uma pátria às custas do povo palestino.

Outubro não foi apenas mais um dia de conflito, mas uma revelação das vulnerabilidades de Israel, tanto militares quanto morais.  Com mais de 110.000 vítimas, incluindo 34.000 mortos, principalmente mulheres e crianças, o olhar do mundo se tornou crítico.  Israel, que já foi visto como um grupo de sobreviventes do Holocausto em busca de refúgio e segurança, agora está diante da Corte Internacional de Justiça(CIJ) acusado de cometer genocídio e atrocidades que atraíram a condenação até mesmo de seu fiel aliado, os Estados Unidos, que agora se vê incapaz de defender publicamente suas ações.  A América chegou ao ponto de se abster de votar ou usar seu poder de veto no Conselho de Segurança para bloquear os pedidos de cessar-fogo, o que muitos em Israel veem como “outra derrota estratégica” e uma mudança significativa na dinâmica internacional, lembrando o isolamento enfrentado pelos Estados Unidos durante os últimos estágios da Guerra do Vietnã.

LEIA: Como a guerra israelense em Gaza expôs o sionismo como uma seita genocida

Historicamente, a narrativa de Israel foi construída com base na promessa de um porto seguro para os judeus, justificada por narrativas de sofrimento e sobrevivência.  No entanto, os eventos de 7 de outubro e suas consequências expuseram um vácuo moral gritante no cerne das políticas e ações militares de Israel, trazendo à mente mais uma vez os primeiros dias da Nakba palestina há 76 anos, quando gangues sionistas como Haganah, Irgun e Lehi realizaram operações de extermínio e limpeza étnica, forçando quase um milhão de palestinos a fugir de suas casas, enquanto dezenas de milhares foram mortos e feridos.  Mas a ironia é que essas cenas ocorreram longe da mídia, enquanto o extermínio atual é testemunhado e visto ao vivo pelo mundo.

Isso também destaca o fracasso do atual caminho israelense de força esmagadora na abordagem das questões fundamentais do conflito, marcando outra derrota estratégica para Israel.

Os ecos do passado ressoam alto, com exemplos como a batalha de Argel, em que a vitória dos militares franceses não pôde se traduzir em uma vitória política devido às implicações morais e internacionais de suas ações. Israel se encontra em uma situação semelhante, em que seus sucessos táticos são ofuscados pelos erros estratégicos de não prever a erosão de sua posição moral elevada e a unidade da condenação global.

Não há evidências de uma mudança real no nível das posições internacionais oficiais, mas a realidade seis meses após a guerra israelense em Gaza é melhor para a causa palestina a curto e médio prazo, e mais difícil e complexa para o tomador de decisões israelense. O fluxo de apoio internacional à Palestina confirma que um consenso global contra a opressão está começando a se formar sob a pressão das ruas e a influência de ativistas e testemunhas oculares em plataformas de mídia social que conseguiram quebrar a imagem estereotipada da mídia ocidental em relação ao conflito israelense-palestino. A condenação generalizada de Israel, juntamente com os apelos por um Estado palestino, refletem a mudança nas atitudes globais em relação ao regime colonial e opressivo de Israel. A posição da comunidade internacional, antes vacilante, agora se alinha firmemente aos princípios de autodeterminação e direitos humanos, sinalizando uma mudança significativa na maré narrativa em favor da causa palestina.

Protesto pró-Palestina em Cambridge, Massachusetts, em 14 de outubro de 2023 [Joseph Prezioso/AFP via Getty Images]

A derrota estratégica de Israel é encapsulada não pela perda de uma única batalha, mas pelo desmoronamento de seu alicerce moral e da narrativa que há muito tempo vem sendo disseminada. Assim como no Vietnã, onde o espírito americano foi quebrado não pela derrota, mas pela percepção das implicações morais de suas ações, Israel está em uma encruzilhada. Ele deve escolher entre continuar em um caminho de isolamento moral ou abraçar um novo capítulo que reconheça os direitos e as aspirações do povo palestino. Ambas as opções parecem estar fora do alcance do tomador de decisões israelense após a surpresa de 7 de outubro. Continuar a guerra de extermínio e limpeza étnica não será aceitável internacionalmente com a crescente preocupação com a expansão do conflito e, por outro lado, conceder aos palestinos seus direitos entra em conflito com os desejos da extrema direita israelense, que controla os círculos de tomada de decisão.

Para os palestinos, o dia 7 de outubro transcende as dificuldades diretas, a dor e a raiva dos massacres israelenses; ele surge como um momento decisivo em que a balança do conflito se inclinou a seu favor, representando uma mudança significativa em direção à justiça, à autodeterminação e pressionando o mundo a reconhecer seus direitos como um passo no caminho para a libertação abrangente da terra palestina.

LEIA: Seis meses depois, qual é a posição de Israel e da resistência palestina?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaVietnãWCK
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments