Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mortes causadas pelo frio aumentam no Afeganistão

1
Mais de uma centena de pessoas morreram no Afeganistão devido à onda de frio e aos incêndios em várias partes do país

Mais de uma centena de pessoas morreram no Afeganistão devido à onda de frio e aos incêndios em várias partes do país, informou hoje (23) a Autoridade Nacional de Gestão de Desastres.    

Nos últimos 15 dias, o centro, norte e noroeste do país da Ásia Central foram atingidos por um frio escaldante, informou a agência de notícias Pajhwok.

Autoridades de algumas províncias afegãs disseram que 88 pessoas morreram até agora devido ao inverno rigoroso.

Os recentes incidentes infelizes de frio, fogo e inalação de gás mataram 104 pessoas, incendiaram 50 casas parcial ou totalmente e deixaram quase 70.000 cabeças de gado mortas.

Algumas agências governamentais e organizações de assistência social distribuíram pacotes de ajuda para cerca de 40.000 famílias em diferentes partes do país no mês passado.

ASSISTA: Terremoto mortal no Afeganistão: Socorro em curso 

Muitas partes do país da Ásia Central estão testemunhando um clima excepcionalmente invernal, com a região central de Ghor, uma das 34 províncias afegãs, registrando a leitura mais baixa de 33 graus Celsius negativos no fim de semana.

Este inverno é de longe o mais frio dos últimos anos, disse Mohammad Nasim Muradi, chefe do escritório de meteorologia.

Moradores de diferentes partes do Afeganistão destacaram que a pobreza e o desemprego são as principais causas do aumento de vítimas na estação fria.

É o segundo inverno no país sob o domínio do Talibã, no poder desde a retirada das forças lideradas pelos Estados Unidos em agosto de 2021.

A ONU alertou que 28 milhões de afegãos, quase metade deles crianças, precisarão de ajuda humanitária este ano e estima-se que uma em cada duas crianças menores de cinco anos sofra de desnutrição aguda, enquanto mais de um milhão de crianças sofrem de desnutrição aguda grave.

Desastres naturais recorrentes, pobreza e doenças crônicas, incluindo o Covid-19, juntamente com o bloqueio de ativos bancários pelos Estados Unidos e outros países ocidentais aumentaram a pobreza no Afeganistão.

Os afegãos estão em pior condição econômica, social e de saúde após a retirada militar dos Estados Unidos, que invadiu o país em 2001 sob o pretexto de combater o terrorismo, mas à custa de mais de dois trilhões de dólares dos contribuintes, segundo a Brown University, a morte de centenas de milhares de civis e milhões de refugiados e deslocados internos.

Publicado originalmente em Prensa Latina

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments