Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Copa do Mundo do Catar 2022: Oportunidade econômica perdida para o Bahrein?

1
Vista de Manama, capital dol Bahrein [Economic Development Board]

A febre do futebol tomou conta de grande parte do Oriente Médio, mas um país do Golfo Árabe não parece estar muito animado com a próxima Copa do Mundo do Catar.

A cada quatro anos, a Copa do Mundo cativa os torcedores e empresários da região sede por quase quatro semanas. Pode ser a aparência de um país árabe ou as receitas que o torneio ajuda a gerar para os negócios locais –  faltando apenas alguns dias para o pontapé inicial, países que antes estavam em desacordo com o Catar, esperam ansiosamente lucrar com o espetáculo esportivo.

O Catar, rico em gás, gastou cerca de US$ 220 bilhões na construção de infraestrutura de classe mundial, incluindo novas estradas, transporte público e instalações esportivas – mas permanece com um déficit significativo em hotéis.

O Emirado de Dubai, que fica a apenas 45 minutos de voo, espera um aumento de última hora nas reservas, já que mais de 1,2 milhão de pessoas se preparam para ir ao campeonato.

Os hotéis de Dubai estão oferecendo pacotes especiais para os fãs e o emirado preparou zonas de fãs em parques, praias e no centro financeiro.

Enquanto isso, a vizinha Arábia Saudita, que em grande parte se isolou do turismo até começar a emitir vistos em 2019, está oferecendo aos visitantes com cartões de torcedor Hayya a oportunidade de visitar o reino por 60 dias.

Mas a apenas algumas milhas náuticas do Qatar parece haver pouca fanfarra no Reino do Bahrein sobre a primeira Copa do Mundo do Oriente Médio.

Não há vôos diretos, fan zones e pouca publicidade para o torneio que ocorre a uma curta viagem de suas costas.

LEIA: Catar comemora Copa do Mundo de 2022 com novas notas

“O Bahrein parece ter perdido a oportunidade da Copa do Mundo, especialmente devido ao seu setor de hospitalidade voltado para o turismo”, disse Kristian Coates Ulrichsen, pesquisador do Oriente Médio no Baker Institute da Rice University, ao Middle East Eye.

‘Aproximação lenta’

Os laços entre Bahrein e Qatar foram tensos nos últimos anos e se romperam completamente em junho de 2017 após a crise diplomática do Golfo.

O Bahrein juntou-se ao Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU) no corte de relações com o Catar e impôs um bloqueio ao vizinho por alegações de que apoiava o “terrorismo” e tinha relações próximas com o Irã. Doha negou as acusações e disse que o boicote visava restringir sua independência.

“Parece que o processo de reaproximação está sendo muito lento para as empresas do Bahrein colherem qualquer coisa da Copa do Mundo”

– Acadêmico do Bahrein

Desde a cúpula histórica do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) do ano passado em Al-Ula, na Arábia Saudita, que viu o fim oficial da cisão, os laços do Catar com o Egito, a Arábia Saudita e, em menor grau, os Emirados Árabes Unidos melhoraram acentuadamente. Apesar disso, não houve uma verdadeira reparação das relações entre Doha e Manama.

Duas semanas após a cúpula de Al-Ula, o ministro das Relações Exteriores do Bahrein, Abdullatif al-Zayani, acusou o Catar de não tomar a “iniciativa” para resolver sua disputa com o reino.

“Certamente é o caso de que as relações diplomáticas e políticas entre Bahrein e Catar foram as que mais demoraram para melhorar”, disse Ulrichsen.

Um acadêmico do Bahrein baseado no Reino Unido, que pediu anonimato por causa da sensibilidade do tema, disse que não caracterizaria a atitude do Bahrein como falta de entusiasmo.

“É a Copa do Mundo, afinal… [parece] que o processo de reaproximação está sendo muito lento para as empresas do Bahrein colherem qualquer coisa da Copa do Mundo.”

Várias pessoas que falaram com o Middle East Eye (MEE) sob condição de anonimato disseram que havia um clima bastante moderado na Copa do Mundo em Manama, com os moradores lutando para avaliar a atitude do governo em relação ao evento.

Um executivo do jornal disse ao MEE que havia uma instrução do governo do Bahrein para diminuir a cobertura dos eventos da Copa do Mundo.

O MEE entrou em contato com a embaixada do Bahrein em Londres para comentar, mas não recebeu uma resposta até o momento da publicação.

LEIA: FIFA pede que seleções da Copa do Mundo ‘se concentrem no futebol’

De acordo com o executivo, os patrocinadores da Copa do Mundo que têm interesses comerciais no reino também foram cautelosos em veicular campanhas publicitárias impressas e externas por medo de como o governo responderia.

O MEE entrou em contato com cinco grandes patrocinadores do torneio, mas não recebeu uma resposta até o momento da publicação.

O executivo do jornal acrescentou que sua empresa alugou um estádio para a Copa do Mundo da Rússia de 2018 e montou telas de TV gigantes para os fãs de futebol – mas não havia nada dessa escala planejado para o evento deste ano.

“Os shoppings do Bahrein costumavam estar cheios de entusiasmo quando as Copas do Mundo eram realizadas em outros lugares. Mas agora – embora o evento esteja muito próximo – não há rituais comerciais usuais como a venda de TVs com desconto”, disse ele.

Assistir de casa

Historicamente, Bahrein e Catar entraram em conflito pelo controle das ilhas Hawar e Janan e da cidade de Zubarah; bem como a cobertura da Al Jazeera da revolta da Primavera Árabe de 2011, e a decisão do Catar de conceder cidadania a muçulmanos sunitas do reino de maioria xiita.

Um agente de viagens em Manama disse que a disputa de longa data significa que as chances de voos diretos entre os dois países são pequenas.

‘Uma chance de receber torcedores da Copa do Mundo pode fazer bem para a economia do Bahrein e ainda há esperança de que isso aconteça’

– Kamal Mohiyuddin, corretor de imóveis, Manama

De acordo com Kamal Mohiyuddin, um corretor de imóveis indiano em Manama, a questão do deslocamento dos fãs do Bahrein para o Catar não foi a única consequência da ausência de voos diretos.

Os serviços de transporte de Doha a Manama, a cidade mais permissiva da região, com cerca de 20.000 quartos de hotel, teriam beneficiado a todos, disse ele.

“A chance de receber torcedores da Copa do Mundo pode ser boa para a economia do Bahrein e ainda há esperança de que isso aconteça”, disse Mohiyuddin.

“O orçamento do Bahrein visava 20% da receita do turismo este ano e já alcançou 18%”, disse ele, citando um relatório que afirmava um aumento de 984% na chegada de turistas ao Bahrein no primeiro trimestre deste ano após o fim de restrições relacionadas à pandemia.

O Ministério do Patrimônio e Turismo de Omã disse que a Copa do Mundo está pronta para “elevar o perfil de muitos destinos regionais” e a recuperação financeira associada ao evento pode se estender bem após o término do torneio.

No primeiro trimestre deste ano, 1,483 milhão de turistas entraram no Bahrein pela ponte King Fahd que liga a nação insular à Arábia Saudita – em comparação com os 84.000 do ano passado, um enorme crescimento atribuído à flexibilização das restrições de viagem relacionadas ao Covid-19.

LEIA: Copa do Mundo 2022: Como o futebol mudou o jogo para o Oriente Médio

Como resultado, os catarianos também estavam de volta ao Bahrein. “Vejo muitos Nissan Patrols [um veículo favorito dos cidadãos do Catar] com placas do Catar aqui”, disse um verdureiro ao MEE.

Ele afirmou que isso aconteceu depois que o emir Tamim bin Hamad Al Thani, do Catar, e o rei Hamad bin Isa Al Khalifa, do Bahrein, se encontraram à margem da Cúpula de Jeddah em julho.

O dono da mercearia disse que viu as notícias da reunião através de uma captura de tela do site dissidente proibido Bahrain Mirror, que também informou que Manama removeu o Catar da lista de países que os bahrainianos foram proibidos de visitar.

“Sempre que vemos as fotos dos líderes do Catar e do Bahrein apertando as mãos e sorrindo, mas ainda sem viagens aéreas, achamos que eles esqueceram de discutir o assunto mais uma vez”, disse o dono da mercearia.

Ainda assim, alguns torcedores disseram que fariam a viagem de carro de cinco horas para assistir aos jogos ao vivo, enquanto outros ainda comemorariam a primeira Copa do Mundo do mundo árabe no conforto de suas casas.

“Alguns de nós do Bahrein podem não conseguir vir ao Catar, mas vamos assistir a todos os jogos pela TV”, disse Ammar Ahmadi, consultor de negócios do Bahrein, ao MEE.

“Somos torcedores fervorosos de futebol, e é um esporte importante aqui. Quero ir a todos os jogos que o Brasil joga, mas não consegui ingresso.”

1

Artigo originalmente publicado no Middle East Eye [MEE]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBahreinCatarCopa do Mundo Catar 2022FIFAOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments