Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Outros quatro países saem em defesa da Arábia Saudita frente aos EUA

1
Emissários dos estados-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) realizam coletiva de imprensa após reunião em Viena, 5 de outubro de 2022 [Vladimir Simicek/AFP/Getty Images]

Kuwait, Jordânia, Paquistão e Djibuti expressaram sua solidariedade à Arábia Saudita diante das críticas dos Estados Unidos sobre a recente decisão do cartel conhecido como OPEP+ de reduzir sua produção de petróleo a dois milhões de barris por dia (bpd) a partir de novembro.

A decisão foi tomada unanimemente pelos membros da OPEP+.

A OPEP+ é composta por membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados, incluindo a Rússia. A Arábia Saudita representa a liderança de facto da OPEP.

A chancelaria kuwaitiana emitiu um comunicado nesta terça-feira (18) para reafirmar o caráter “puramente econômico” dos sucessivos cortes, ao supostamente considerar oferta e demanda dos mercados globais. Segundo o Kuwait, a medida busca proteger os mercados de flutuações e serve igualmente aos interesses de produtores e consumidores.

“O Kuwait mantém absoluta solidariedade com a Arábia Saudita, sobre os comentários recentes que tiraram esta decisão de seu contexto puramente econômico”, destacou a nota.

LEIA: As consequências geopolíticas dos cortes de produção da OPEP+

Sinan al-Majali, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Jordânia, descreveu a medida como “questão técnica relacionada à estabilidade e às demandas do mercado, para proteger os interesses de produtores e consumidores”. Amã insistiu que tais decisões devem ser abordadas do ponto de vista “técnico”, sem considerar disputas políticas alheias ao “bem comum”.

Al-Majali advertiu ainda que os problemas em voga devem ser tratados “via diálogo equilibrado e direto entre Washington e Riad, conforme o espírito de parceria que une ambas as partes”. A Jordânia, observou o porta-voz, apoia a segurança, a estabilidade e os interesses da monarquia.

Paquistão e Djibuti também expressaram apoio à Arabia Saudita.

Na segunda-feira (17), a monarquia recebeu pleno apoio de Egito, Marrocos e Argélia sobre as alegações da Casa Branca de que seu regime estaria alinhado com a Rússia para evadir sanções referente à guerra na Ucrânia. Riad negou veementemente as acusações.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArgéliaÁsia & AméricasDjiboutiEgitoEstados UnidosJordâniaKuwaitMarrocosNotíciaOPEPOriente MédioPaquistão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments