Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Um horizonte político’ onde não há nenhum à vista

1
Chefe da Autoridade Geral Palestina para Assuntos Civis, Hussein Al-Sheikh [Twitter]

Quando a Autoridade Palestina anuncia que foram mantidas conversações com funcionários dos EUA, o faz com a intenção de se apresentar digno de reconhecimento diplomático. Dentro de algumas frases nas atualizações, no entanto, a AP confirma que o povo palestino está certo em estar desiludido com sua liderança e colaboração com Israel e os EUA.

“Discutimos os últimos desenvolvimentos e a necessidade de proteger e preservar a solução de dois Estados. Lançar um horizonte político e interromper todas as medidas unilaterais que destroem essa solução”, tuitou o secretário-geral do Comitê Executivo da OLP, Hussein Al-Sheikh, após a reunião. com vários funcionários dos EUA na Casa Branca, incluindo o Assistente do Presidente para Assuntos de Segurança Nacional, Jake Sullivan.

O comunicado de imprensa da Casa Branca expôs ainda mais a transferência da responsabilidade para a Autoridade Palestina por diminuir “tensões na Cisjordânia, combatendo o terrorismo e a incitação”. De acordo com Sullivan, “todas as partes” devem evitar ações unilaterais, enquanto as instituições da AP precisam ser fortalecidas, “incluindo o reforço do compromisso com a não violência”.

LEIA: Autoridade Palestina facilita a exploração dos territórios ocupados

1

Dia da Nakba 1948 [Carlos Latuff/Monitor do Oriente Médio]

De acordo com as propostas simplistas e vagas apresentadas pelos EUA, a AP – o mais fervoroso defensor da diplomacia de dois Estados – está sabotando as perspectivas de sua implementação, mesmo quando a autoridade tem, em detrimento do povo palestino, instado a comunidade internacional a preservar o paradigma extinto. A retórica dos EUA não é surpreendente; a AP existe como uma zona tampão para Israel, particularmente em um momento em que o povo palestino não está esperando que facções políticas assumam a responsabilidade e liderem sua legítima luta anticolonial. Neste caso, os EUA não vão pedir à Autoridade Palestina para prevenir a violência; os serviços de segurança treinados pela CIA em Ramallah estarão isentos de qualquer crítica e os palestinos espancados – ou pior – nas ruas não serão considerados vítimas. Eles serão vistos como os palestinos mortos por soldados israelenses na Cisjordânia ocupada: nada mais do que estatísticas de baixas normalizadas.

Levando-se em conta as declarações oficiais referentes à AP, fica clara sua ausência de autonomia. A AP é descrita e definida como condizente com o engajamento diplomático de funcionários dos EUA e israelenses, portanto, é retratada como uma liderança legítima que está enfrentando uma crise temporária. No entanto, a AP não possui legitimidade política, é mantida apenas por meio de financiamento de doadores e está servindo a um propósito limitado que está diretamente ligado à expansão colonial de Israel.

LEIA: AP impede pai e advogado de de prisioneiro palestino de visitá-lo pela segunda vez

A declaração de Al-Sheikh, portanto, reflete apenas os parâmetros obscuros do colonialismo israelense e seus colaboradores. Se a existência da AP permite que Israel expanda seus assentamentos no que resta do território palestino porque a AP não vai se declarar contra o paradigma de dois estados, de que horizonte político está falando Al-Sheikh? Qual é o sentido dessas reuniões com funcionários dos EUA, se a AP e os EUA não discutem a entidade e a colaboração por trás do fim da “solução” de dois estados? Indo ainda mais longe, por que a AP não discutiria o Plano de Partição de 1947 como definindo a dinâmica em movimento para a aniquilação total da terra palestina?

Em vez disso, Al-Sheikh produz alternativas parafraseadas em uma tentativa de retratar a eficácia, mas nem mesmo em sua retórica a AP pode alegar ser inovadora, muito menos ao negociar o fim da ocupação e colonização militar de Israel. Ele fala de “um horizonte político” onde não há nenhum à vista.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments