Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O comando no bastidor’: Washington está em guerra com Moscou?

Sistemas de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS) [Exército dos EUA]

Embora Washington insista que não está interessado em um conflito militar direto com Moscou, este último afirma que os EUA estão, de fato, diretamente envolvidos. Mas quem está dizendo a verdade?

Em 8 de setembro, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, apareceu em Kiev em uma visita não anunciada. Ele carregava consigo promessas de mais um pacote militar e financeiro de quase US$ 3 bilhões, principalmente para a Ucrânia, mas também para outros países do Leste Europeu. De acordo com um relatório publicado pelo New York Times em maio, o apoio financeiro dos EUA à Ucrânia ultrapassou US$ 54 bilhões.

A plataforma de financiamento da Devex afirma: “Uma porcentagem relativamente pequena desse financiamento é voltada para a ajuda humanitária”. A mesma fonte também indica que o montante total de ajuda principalmente militar fornecida pelo Ocidente à Ucrânia entre 24 de fevereiro e 16 de agosto superou a marca de US$ 100 bilhões.

Para que um arsenal militar tão maciço funcione, pode-se imaginar o envolvimento de legiões de especialistas militares, treinadores e engenheiros. O pacote mais recente de Washington inclui centenas de milhões de dólares em ajuda militar, como mais Sistemas de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS).

E mais está vindo. De acordo com Blinken: “O presidente Biden… apoiará o povo da Ucrânia enquanto for preciso.”

LEIA: Palestinos merecem direitos como os ucranianos, reafirma África do Sul

Os russos, no entanto, não têm ilusões de que o apoio militar dos EUA à Ucrânia esteja confinado a meros envios de armas ou limitado a transações financeiras. Em 2 de agosto, o Ministério da Defesa russo acusou os EUA de estarem “diretamente envolvidos no conflito na Ucrânia”. A declaração do ministério citou uma admissão do vice-chefe de inteligência militar da Ucrânia, Vadym Skibitsky, que disse ao The Telegraph: “Washington coordena ataques com mísseis HIMARS”.

Esta não é a primeira vez que a Rússia acusa os EUA de envolvimento direto na guerra. Já em 25 de março, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que o Ocidente havia declarado “guerra total” à Rússia. Nesse caso, o principal diplomata de Moscou estava se referindo a todos os aspectos dessa “verdadeira guerra híbrida”, incluindo sanções sem precedentes que visavam quebrar a economia da Rússia e a vontade de suas forças militares. Desde então, o embargo ocidental dos EUA à Rússia ultrapassou 10.000 sanções, um número sem precedentes em conflitos modernos.

Além disso, desde então, a natureza do envolvimento americano na guerra mudou. O tipo de armas fornecido pela primeira vez a Kyiv por Washington rapidamente se transformou de armas de capacidade defensiva com alcance limitado, para armas de capacidade ofensiva com sistemas de artilharia de longo alcance, incluindo HIMARS e M270.

Grande parte do envolvimento dos EUA pode ser entendido através do bom senso. Considere o relatório do Politico em 29 de agosto, alegando que: “Desde os primeiros dias da guerra, Kyiv tomou a iniciativa como ataques de mísseis e explosões misteriosas causaram estragos na frota russa, afundando vários navios … e devastando sua ala aérea baseada na Crimeia. em um ataque dramático este mês.” Se esses detalhes estiverem corretos, é difícil imaginar que tamanho sucesso teria sido realizado por, como descrito pelo próprio Politico, uma “pequena marinha ucraniana”.

Presidente da Rússia Vladimir Putin reconhece províncias separatistas no leste da Ucrânia [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Quando as armas americanas são fornecidas e operadas por especialistas militares americanos, e quando o movimento das forças russas é monitorado por coordenadas de satélite americanos, deve-se concluir facilmente que os EUA estão de fato envolvidos em uma guerra direta com a Rússia. Este argumento é reforçado pelo fato de que os EUA estão utilizando toda a sua experiência em guerra econômica, usada contra o Iraque, Cuba e outros, para devastar a economia russa.

Mas por que os EUA se recusam a aceitar que estão engajados em uma guerra direta contra a Rússia?

Sucessivas administrações dos EUA aperfeiçoaram a arte de se envolver em conflitos militares sem fazer tal declaração. Enquanto os EUA travavam sua prolongada guerra no Vietnã a partir de meados da década de 1950, eles se envolveram em muitos outros conflitos militares que foram mantidos em segredo. Essas guerras não declaradas incluíram as campanhas secretas de bombardeio do governo Nixon no Camboja, que resultaram na morte estimada de 100.000 pessoas.

Para reduzir o poder do presidente de conduzir a guerra sem notificar o Congresso, o Congresso dos EUA aprovou a Resolução dos Poderes de Guerra de 1973, também conhecida como Lei dos Poderes de Guerra. Apesar do veto presidencial, uma maioria de dois terços no Congresso conseguiu transformar a resolução em lei. Ainda assim, sucessivas administrações encontraram maneiras de contornar a lei, incluindo o envolvimento dos EUA no bombardeio da Iugoslávia em 1999 e novamente na guerra dos EUA na Líbia em 2011.

De fato, foi na Líbia que a frase “liderar por trás” foi usada em abundância. Os americanos pareciam ter encontrado uma maneira brilhante de se envolver na guerra, evitando suas custosas consequências políticas. Dessa forma, o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, poderia se envolver em várias guerras ao mesmo tempo sem ser chamado de intervencionista ou de presidente belicista.

LEIA: As razões e objetivos por trás das relações entre o Hamas e a Rússia

Para entender a extensão das guerras não declaradas em andamento nos Estados Unidos, maravilhe-se com este relatório de 1º de julho do The Intercept, que obteve os dados usando a Lei de Liberdade de Informação. Esta foi “a primeira confirmação oficial de que pelo menos 14” operações militares – conhecidas como programas 127e – estavam ativas no Oriente Médio e na região da Ásia-Pacífico em 2020 e que, entre 2017 e 2020, os comandos dos EUA realizaram 23 operações separadas.

Assim, mesmo que os EUA se envolvam em combate direto contra a Rússia, as chances de uma guerra ser declarada são quase nulas. Portanto, a extensão do envolvimento dos EUA só pode ser obtida a partir de evidências de campo..

Chame isso de “comandar por trás”, “guerra por procuração” ou “guerra híbrida”, Washington é uma parte muito importante na guerra devastadora na Ucrânia, que está pagando um alto preço pelo desejo de Washington de permanecer a única superpotência do mundo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaOpiniãoRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments