Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As razões e objetivos por trás das relações entre o Hamas e a Rússia

O chanceler russo Sergei Lavrov (dir) cumprimenta o líder exilado do Hamas Khaled Meshaal (esq) em Moscou em 8 de fevereiro de 2010. [Natália Kolesnikova/AFP via Getty Images]

Numa altura em que a diplomacia palestina se encontra em um estado de debilidade e recaída a nível internacional, devido à fragilidade da sua política externa ao descaso com o aspecto das relações internacionais em geral,  Israel teve a oportunidade de usar esse nervo sensível ao construir alianças e normalizar as relações com os mais próximos do povo palestino. Conseguiu normalizar as relações com muitos países árabes, africanos e asiáticos, que sempre estiveram do lado da causa palestina e condenaram o terrorismo da ocupação israelense.

Enquanto isso, o Hamas está trabalhando para melhorar seu status diplomático e internacional e investindo em qualquer oportunidade que beneficie a causa palestina. É neste contexto que uma delegação do movimento visita a Rússia, após ter sido recentemente convidada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros russo. Esta visita provavelmente está ocorrendo para manter conversas sobre uma série de assuntos russos relacionados aos desenvolvimentos da causa palestina, especialmente o gás de Jerusalém e Gaza que a ocupação israelense rouba e comercializa em seu próprio benefício. É claro que o movimento baseou seus esforços na posição do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, emitida recentemente, em 14 de abril, na qual descreveu a ocupação israelense dos territórios palestinos como ilegal.

LEIA: Delegação do Hamas visita a Rússia para conversas de alto escalão

Vale notar que a infiltração sionista nos continentes do mundo tem causado grandes danos às decisões internacionais sobre a Palestina. O silêncio internacional em face das políticas racistas das autoridades de ocupação israelenses contra o povo palestino, incluindo assassinatos sistemáticos, prisões, bombardeios, destruição e cerco impostos à Faixa de Gaza, confisco de terras e propriedades e construção de assentamentos não foram divulgados. de lugar nenhum. Não ouvimos mais nenhuma condenação de ninguém, como aconteceu no passado, devido à falência da diplomacia palestina e seu fracasso em atrair países amigos. Isso facilitou, direta ou indiretamente, que as autoridades de ocupação israelenses se infiltrassem nos continentes do mundo e construíssem amizades e alianças que sirvam a seus interesses econômicos, políticos e de segurança. Alguns países até mudaram a forma de lidar com a causa palestina por causa da influência da ocupação sobre suas decisões, em um momento em que mais precisamos de apoio e respaldo de qualquer pessoa. Isso se deve à injustiça internacional contra a causa palestina e aos padrões duplos em relação à causa ucraniana e à maneira como o mundo lida com a Rússia, boicotando-a e impondo sanções econômicas e políticas sobre ela, oferecendo ajuda generosa à Ucrânia e fazendo tudo o que pode pôr fim à operação militar russa contra a Ucrânia. Por outro lado, a comunidade internacional fica de braços cruzados e observa as ações da ocupação israelense enquanto os EUA dão apoio militar, financeiro e político. A Rússia não é um país contra a ocupação israelense, mas resiste à dominação dos EUA, e esse é seu interesse comum com os movimentos de resistência, apesar de suas divergências com as posições do Hamas de não reconhecer Israel.

Tudo isso levou o Hamas a dar mais atenção às relações internacionais para atrair países e organizações que se alinham com os direitos do povo palestino, para então construir alianças e mobilizar as energias populares dos países amigos, com o objetivo de apertar o laço em torno pescoço da ocupação e boicotá-la local, regional e internacionalmente. Isso poderia criar um estado de declínio nas decisões e políticas dos países que têm, ou estão considerando, relações com a ocupação após a imagem correta ser transmitida a eles e a verdadeira face da ocupação ser desmascarada e os crimes que ela comete contra o povo palestino serem expor.

O Hamas acertou ao escolher o momento para estreitar as relações com países amigos e aliados ao movimento e à causa palestina, e de construir alianças estratégicas no exterior. Também conseguiu estabelecer uma forte base de alianças internas com várias facções de resistência, nacionais e islâmicas na sala de comando conjunto. Isso ocorre, apesar das tentativas de Israel de dividi-los para enfraquecê-los, como foi o caso do último ataque à Faixa de Gaza no mês passado. A Resistência provou que é uma frente unida, evidenciada pelo fato de que a ocupação imediatamente pediu um cessar-fogo por meio de mediadores por medo da expansão de seu círculo.

Talvez os objetivos mais importantes da construção de relações amistosas do Hamas com a Rússia sejam, primeiro, as relações do movimento com o país, o reconhecimento de sua legitimidade por uma das potências internacionais. Em segundo lugar, serve como um testemunho que refuta qualquer tentativa de demonizar o movimento e classificá-lo através do Conselho de Segurança da ONU como um movimento “terrorista”, como às vezes é afirmado por funcionários dos EUA, e como foi o caso do último projeto de resolução para criminalizar o movimento, que a Rússia desempenhou um papel no bloqueio. Em terceiro lugar, o movimento quer que a Rússia bloqueie qualquer projeto da ocupação para condenar o movimento e confronte o veto americano. Em quarto lugar, omovimento conta com o papel da Rússia para acabar com o cerco a Gaza e aliviar o sofrimento de seus moradores. O movimento também dá importância ao papel russo no processo de reconciliação palestina.

LEIA: Hamas reforça repúdio a normalização entre Turquia e Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments