Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Eleições nos EUA devem anteceder novo acordo nuclear, afirma Israel

1
Bandeira iraniana na usina nuclear de Bushehr, em 10 de novembro de 2019 [Atta Kenare/AFP via Getty Images]

Israel crê que não haverá um retorno ao acordo nuclear iraniano antes das eleições de meio de mandato à Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em novembro, enfatizou um oficial local ao jornal Times of Israel, neste domingo (11).

“Caso Washington não aceite as demandas de Teerã e Teerã não aceite as demandas de Washington; caso a AIEA [Agência Internacional de Energia Atômica] não desista de seus inquéritos, não haverá retorno ao acordo”, declarou a fonte.

O oficial israelense alegou que o Irã não quer a retomada do pacto sem concessões adicionais. Em contrapartida, Tel Aviv “não tem qualquer expectativa de que Teerã concorde com o novo acordo”.

“O Irã deve ser pressionado pelo Ocidente antes que as partes acatem ao acordo”, prosseguiu a fonte. “Há muitas coisas que podemos fazer para que o Irã compreenda que o tempo não está a seu lado”.

Em agosto, a União Europeia propôs um “rascunho final” para o tratado nuclear. Na sexta-feira (9), no entanto, Washington descreveu a resposta de Teerã como “passo atrás”.

LEIA: Israel acredita que posição do Irã torna improvável retorno ao acordo nuclear, mas não encerra negociações

O oficial israelense reconheceu que seu país pressiona o governo do presidente Joe Biden sobre como se posicionar nas negociações atômicas.

“Obtivemos êxito em convencer os Estados Unidos a não capitularem a concessões adicionais ao Irã”, declarou a fonte. Segundo seu relato, a Casa Branca se comprometeu em não conferir quaisquer garantias de que o pacto não será revogado por um governo futuro.

Teerã insiste em transformar o acordo – pelo qual limita seu programa atômico em troca da suspensão de sanções internacionais – em política de estado, ao torná-lo legal e vinculativo. Biden alega não ter jurisdição para tanto.

O acordo assinado em 2015 foi abandonado três anos depois pelo então presidente americano Donald Trump. Seu sucessor democrata prometeu retomá-lo em campanha.

O oficial israelense afirmou, no entanto, que Washington prometeu ao regime sionista não remover todas as sanções estabelecidas contra Teerã.

Categorias
AIEAÁsia & AméricasEstados UnidosIrãIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments