Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Macron da França pede futuro com a Argélia além da história ‘dolorosa’

1
: O presidente francês Emmanuel Macron (esq.) e o presidente argelino Abdelmadjid Tebboune (dir.) realizam uma coletiva de imprensa conjunta em Argel, Argélia, em 25 de agosto de 2022.[ Hamza Zait - Anadolu Agência]

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse  ontem,  no início de uma visita de três dias à Argélia,  que os dois países devem ir além de sua “dolorosa” história compartilhada e olhar para o futuro, informou a Reuters.

O trauma do domínio colonial francês na Argélia e a amarga guerra de independência que o encerrou em 1962 assombram as relações há décadas e contribuíram para uma disputa diplomática que eclodiu no ano passado.

“Temos um passado comum complexo e doloroso. E que às vezes nos impediu de olhar para o futuro”, disse Macron depois de se encontrar com seu colega argelino, o presidente Abdelmadjid Tebboune.

Ao lado de Macron, Tebboune disse: “Esperamos que a visita abra novas perspectivas de parceria e cooperação com a França”.

Os laços com a Argélia tornaram-se mais importantes para a França porque a guerra na Ucrânia aumentou a demanda na Europa por gás do norte da África e devido à crescente migração pelo Mediterrâneo.

Enquanto isso, a Argélia procura capitalizar os preços mais altos da energia para garantir o investimento europeu.

Macron há muito queria virar a página com a Argélia e, em 2017, descreveu as ações francesas durante a guerra de 1954-62 que matou centenas de milhares de argelinos como um “crime contra a humanidade”.

LEIA: A Revolução Argelina (1954 – 1962)

Essa declaração, politicamente controversa na França, rendeu-lhe popularidade na Argélia na sua última visita há cinco anos e foi celebrada por jovens argelinos.

Macron voltará a entrar em contato com a juventude argelina nesta visita com paradas programadas focadas na cultura jovem, incluindo breakdancing e música pop norte-africana “Rai”. A França é o lar de mais de quatro milhões de pessoas de origem argelina.

No entanto, as esperanças de Macron de ir além da história carregada da era colonial já se mostraram prematuras antes.

No ano passado, ele foi citado como sugerindo que a identidade nacional argelina não existia antes do domínio francês e acusando os líderes da Argélia de reescrever a história da luta pela independência com base no ódio à França.

Os comentários provocaram uma tempestade na Argélia, onde a elite dominante ainda é dominada pela geração que lutou pela independência e onde essa luta ocupa um lugar central na identidade nacional.

LEIA: O que significaria um corte de gás da Argélia para a Espanha em meio ao conflito diplomático?

A Argélia retirou seu embaixador para consultas e fechou seu espaço aéreo para aviões franceses – complicando a missão militar francesa no Sahel.

Antes de seu encontro com Tebboune, Macron visitou um monumento aos argelinos mortos na guerra, colocando ali uma coroa de flores. Ele disse que os dois governos estabelecerão um comitê conjunto de historiadores para estudar os arquivos da era colonial.

Categorias
ÁfricaArgéliaEuropa & RússiaFrançaNotíciaOrganizações InternacionaisUcrâniaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments