Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os atentados na Argentina dos anos 1990 voltam a assombrar comunidades árabes e muçulmanas

Equipes de resgate vasculham os escombros no local de um carro-bomba no Centro Comunitário Judaico da Asociacion Mutual Israelita Argentina (AMIA) em Buenos Aires, Argentina, em 18 de julho de 1994 [Diego Levy/Bloomberg/Getty Images]

Os atentados que atingiram a comunidade judaica argentina na década de 1990 voltaram a assombrar comunidades árabes e muçulmanas no país sul-americano após uma nova investigação da agência de espionagem israelense Mossad, na qual o Hezbollah é acusado de ser o responsável. O relatório rejeita as suspeitas de que os argentinos foram cúmplices ou que autoridades iranianas em Buenos Aires estiveram envolvidas. Os governos da Argentina, Israel e Estados Unidos há muito acusam o Irã de ter um papel operacional no atentado de março de 1992 à Embaixada de Israel em Buenos Aires, que matou 29 pessoas e feriu 242, e no atentado de julho de 1994 ao Centro Comunitário Judaico. na capital argentina, na qual 80 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas.

Uma investigação do Mossad, cujas descobertas escritas foram compartilhadas com o Haaretz e o New York Times, fornece detalhes de como os dois ataques terroristas em Buenos Aires foram planejados e como materiais explosivos foram contrabandeados para a Argentina em frascos de xampu e caixas de chocolate. De acordo com o inquérito, os produtos químicos usados ​​para fabricar as bombas foram adquiridos por uma empresa comercial usada como cobertura para as operações do Hezbollah na América do Sul.

“No entanto, o inquérito do Mossad descobriu que o Irã não estava envolvido na realização dos ataques ou na prestação de assistência”, disse o New York Times. Os dois ataques foram realizados por uma “unidade secreta do Hezbollah”. De acordo com o Mossad, o Hezbollah do Líbano usou infraestrutura secreta construída ao longo dos anos em Buenos Aires e outras localidades sul-americanas para planejar os ataques. “O Hezbollah realizou as duas operações, em retaliação às operações realizadas por Israel no Líbano”, acrescentou a agência.

O especialista em assuntos da América Latina Ali Farhat me disse que a investigação do Mossad é uma repetição do que Israel vem alegando há 30 anos. “Desde os primeiros momentos de cada explosão, Israel foi rápido em acusar o Hezbollah e o Irã. Desde então, vem pressionando a Argentina para chegar à conclusão que o Estado de ocupação deseja.”

LEIA: A importação da violência israelense para América Latina

A reabertura do arquivo dos atentados, explicou, está mais uma vez relacionada a alguns planos das agências de inteligência dos EUA e de Israel para apertar os parafusos das comunidades árabes e muçulmanas na América Latina.

Segundo Farhat, a mídia que é relativamente simpática às comunidades árabes e muçulmanas na Argentina é de esquerda e um tanto fraca em comparação com outras mais à direita. “Por isso, a maioria dos meios de comunicação tendem a adotar a narrativa dos EUA e de Israel sobre questões do Oriente Médio.” Isso pressiona a opinião pública a fazer o mesmo, em detrimento das comunidades da América Latina.

Empresários árabes e muçulmanos estão sob os holofotes e sob vigilância, destacou. “Sempre que essas campanhas começam na América Latina, sabemos que há algo relacionado à segurança da comunidade árabe e islâmica prestes a acontecer na região.”

O Mossad acredita que os planejadores e os homens-bomba estão vivos e bem, e morando no Líbano, tendo fugido da justiça por décadas. A Interpol agora aparentemente teria  emitido “alertas vermelhos” contra duas pessoas acusadas de envolvimento nos ataques de Buenos Aires; ambos identificados pelo Mossad como agentes libaneses do Hezbollah. Uma terceira pessoa continua sendo procurada pelos Estados Unidos. Mas o comandante de operações do Hezbollah, Imad Mughniyeh, foi morto em 2008; O Mossad afirma que ele estava no comando da unidade do Hezbollah que realizou os atentados.

No entanto, Ali Farhat acredita no contrário. “Ao longo de muitos anos, investigações e serviços de inteligência internacionais não conseguiram provar que havia uma presença libanesa do Hezbollah na Argentina ou na América Latina em geral naquela época.”

Então, qual foi o sentido do Mossad levantar essa questão novamente agora, 30 anos após os eventos? No que diz respeito a Farhat, o principal objetivo é pressionar as comunidades árabes e muçulmanas da América Latina e perseguir algumas personalidades importantes dentro delas. Os bombardeios voltaram para assombrar as comunidades em grande estilo.

LEIA: Por que a resistência importa: palestinos estão desafiando o unilateralismo e o domínio de Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArgentinaArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIrãIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments