Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Homem procurado pelo Haiti segue preso na Turquia, apesar de decisão judicial de libertá-lo

1
Empresário Samir Handal [@metesohtaoglu/Twitter]

A Turquia não liberou um homem procurado pelo Haiti por seu suposto envolvimento no assassinato do presidente Jovenel Moise, disse seu advogado na segunda-feira, apesar de um tribunal rejeitar sua extradição e decidir que ele deveria ser libertado há três semanas, relata a Reuters.

Moise, um ex-empresário de 53 anos que assumiu o cargo em 2017, foi morto a tiros em julho de 2021 em sua residência particular. Sua esposa foi ferida no ataque.

O empresário Samir Handal, de nacionalidade jordaniana, foi detido em um aviso vermelho da Interpol enquanto transitava pela Turquia a caminho dos Estados Unidos para a Jordânia em novembro passado.

Seus advogados disseram que o aviso vermelho foi posteriormente suspenso a pedido deles, aguardando uma revisão final.

Um tribunal turco rejeitou o pedido de extradição do Haiti para Handal em 4 de julho e decidiu que ele deveria ser libertado.

LEIA: Antes que a Turquia possa normalizar com a Síria, deve concordar com o Irã e a Rússia quem são os ‘terroristas’

O advogado Mahmut Barlas disse que as autoridades turcas decidiram deportar Handal após a decisão do tribunal, mas que uma proibição de viagem emitida este mês devido ao aviso vermelho estava impedindo a deportação.

“Meu cliente está sendo ilegalmente privado de sua liberdade com base na existência falsamente argumentada de um aviso vermelho”, disse Barlas à Reuters.

“Esta é uma violação ilegal, flagrante e direta das regras de dados da Interpol e do Código Penal turco”, disse Barlas.

Ele disse que Handal estava detido em um centro de deportação desde 5 de julho e foi transferido para o aeroporto de Istambul em 15 de julho antes de ser devolvido depois que o processo de deportação foi interrompido.

“A proibição de viagem aplicada sem ordem judicial deve ser suspensa imediatamente”, acrescentou Barlas.

A Interpol não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar o status do aviso vermelho contra Handal.

Handal disse que só alugou uma casa para Emmanuel Sanon, um suposto mentor do assassinato, e não sabia de nenhum plano para matar Moise.

Os advogados de Handal disseram que ele não deveria ser extraditado porque estaria sujeito a trabalhos forçados no Haiti. Eles também enfatizaram a incerteza política no país.

Categorias
CaribeEuropa & RússiahaitiNotíciaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments