Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Antes que a Turquia possa normalizar com a Síria, deve concordar com o Irã e a Rússia quem são os ‘terroristas’

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan é recebido pelo presidente iraniano Ebrahim Raisi com uma cerimônia oficial em Teerã, Irã em 19 de julho de 2022. [Ali Balıkçı/ Agência Anadolu]

Apesar de estar na vanguarda dos estados determinados a ver a derrubada do governo sírio ao apoiar facções armadas da oposição há mais de uma década, a Turquia deu a entender que poderia seguir outros países da região na normalização das relações com Damasco. Tal como está, Ancara continua a ser um obstáculo resoluto para que a República Árabe da Síria seja totalmente reabilitada e, juntamente com o aliado Catar, se opõe a ver o Estado readmitido na Liga Árabe.

Sinais da Turquia sobre sua disposição de retomar os laços diplomáticos com a Síria não são recentes. Em 2016, cinco anos após o início da guerra civil síria, o último primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim, comentou não oficialmente: “Tenho certeza de que retornaremos [nossos] laços com a Síria ao normal. Precisamos disso. Normalizamos nossas relações com Israel e Rússia. Tenho certeza de que também voltaremos às relações normais com a Síria.”

Na esteira dos Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Jordânia e Omã restabelecendo laços com Damasco, o Movimento de Resistência Islâmica Palestina, Hamas, tornou-se no mês passado a mais recente entidade a ser associada a uma possível normalização das ligações com o governo Bashar Al-Assad. No entanto, foi apenas em abril que a mídia turca começou a abordar a possibilidade de restabelecer as relações entre os dois países.

O jornal diário pró-governo Hurriyet citou fontes anônimas e afirmou que Ancara, buscando expandir seu papel de mediadora entre a Rússia e a Ucrânia, está considerando abrir o diálogo com Damasco. Isso também ocorreu quando o ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, anunciou planos para o retorno “voluntário e seguro” de refugiados sírios, aumentando ainda mais as especulações sobre um possível contato entre as agências de inteligência em ambos os lados da fronteira.

A publicação disse que o governo turco chegou ao ponto de transmitir mensagens nesse sentido ao seu vizinho. No entanto, fontes do Ministério das Relações Exteriores da Síria negaram ter recebido tais comunicações, considerando isso apenas propaganda na corrida para a eleição presidencial da Turquia.

LEIA: EUA devem deixar terras a leste do Eufrates na Síria, afirma Erdogan

Os dois principais pontos de discussão que antecedem qualquer esforço de normalização, segundo o jornal, são a questão dos refugiados que retornam à Síria e a presença das Forças Democráticas Sírias Curdas (SDF) . Este último levou a Turquia a violar a soberania da Síria em uma tentativa de estabelecer o que diz ser uma zona segura na crença de que as FDS estão ligadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e seus afiliados. A Turquia considera o PKK uma “organização terrorista”, e que a questão é de segurança nacional para Ancara.

Portanto, não é preciso dizer que os planos do presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciados no final de maio para uma nova ofensiva contra as FDS no norte da Síria impediriam qualquer possível incursão à normalização com Damasco. Antes do movimento planejado, grupos armados pró-turcos que operam sob o guarda-chuva do Exército Nacional Sírio (SNA) foram atacados em lutas internas nos arredores de Aleppo entre a Legião Sham e o Ahrar Al-Sham, com sede em Idlib, que tem ligações estreitas. com o ex-afiliado da Al-Qaeda Hayat Tahrir Al-Sham. Este último coopera com a Turquia.

No caminho desses planos estão a Rússia e o Irã, os principais apoiadores de Assad, que expressaram suas próprias preocupações e oposição. Estes foram reiterados durante a Cúpula de Teerã como parte do Processo de Astana na terça-feira, que viu conversas trilaterais entre os presidentes da Turquia, Rússia e Irã com a Síria no topo da agenda.

Isso também foi transmitido ao mais alto nível da República Islâmica, durante uma reunião com o líder supremo aiatolá Sayyid Ali Khamenei, que alertou que “qualquer tipo de ataque militar no norte da Síria prejudicará definitivamente a Turquia, a Síria e toda a região, e beneficiar os terroristas.” No entanto, Khamenei também expressou a disposição do Irã em cooperar com a Turquia em sua luta contra o terrorismo.

O presidente russo, Vladimir Putin, falou da necessidade de erradicar todos os grupos terroristas da Síria, incluindo o Daesh. O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, também pediu “acabar com a presença de grupos terroristas” na Síria.

LEIA: Negociações na Síria são adiadas, diz enviado da ONU

É importante ressaltar que o trio estava de acordo que a ocupação ilegal de terras sírias pelos EUA e o roubo de seus recursos naturais devem terminar. De acordo com um comunicado oficial, os três “expressaram sua oposição à apreensão ilegal e transferência de receitas do petróleo que deveriam pertencer à Síria” e “rejeitaram todas as tentativas de criar novas realidades no terreno … incluindo iniciativas ilegítimas de autogoverno”.

No entanto, Erdogan pediu a Moscou e Teerã “que apoiem a Turquia nesta luta contra as organizações terroristas”, uma referência à oposição curda que a Turquia considera separatista. Ele agora tem que decidir se lança a ofensiva; a opção permanece na mesa enquanto a ameaça percebida persistir.

No entanto, também é importante considerar as opiniões do governo sírio. Ontem, em Teerã, o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisa Mekdad, expressou a oposição de seu país a qualquer proposta de ofensiva turca em seu solo. “A Turquia trabalhando para estabelecer zonas seguras em solo sírio a colocará em uma posição de conflito com Damasco”, insistiu. “Nós nos opomos a qualquer envolvimento turco no território sírio para estabelecer zonas seguras, e somos contra a política de turquificação da Síria e o apoio [de Ancara] a organizações terroristas”.

A declaração conjunta da Turquia, Irã e Rússia expressando sua “determinação de continuar trabalhando juntos para combater o terrorismo em todas as formas e manifestações” é vital para salvaguardar seus respectivos interesses e a integridade territorial do Estado sírio. Há, porém, claramente uma divergência, particularmente entre a Turquia de um lado e Moscou e Teerã do outro no que diz respeito a quem é um “terrorista” operando na Síria.

Embora haja um consenso sobre a oposição às facções curdas apoiadas pelos EUA, o status da “oposição síria” é onde os três países não concordam. É aqui que grande parte do conflito surge, com forças sírias apoiadas por russos e iranianos envolvidas diretamente com milícias apoiadas pela Turquia, muitas das quais operam na província “rebelde” de Idlib, descrita pela Foreign Policy no início deste ano. como a “nova capital do terrorismo global”.

ASSISTA: Irã alerta Turquia contra operação militar na Síria

Uma possbilidade seria Erdogan encerrar seu apoio ao SNA, em troca da aprovação de Moscou e Teerã para a ofensiva contra as FDS. Esse cenário se torna mais viável à medida que o projeto de mudança de regime, uma vez defendido por Ancara, se torna menos viável e prático.

Como a Turquia mostrou com a Arábia Saudita e Israel este ano, não é contra a reaproximação e a normalização em si. Assim, também é possível com a Síria e parece estar na agenda, aguardando novas negociações e acordos políticos. Para chegar a este estágio, os principais atores envolvidos no país devem encontrar algum terreno comum e estar preparados para fazer as concessões necessárias.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIrãOpiniãoOriente MédioRússiaSíriaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments