Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O assassinato de um alto oficial iraniano torna mais provável um confronto Israel-Irã

Povo iraniano participa do funeral do coronel Sayad Khodaei da Guarda Revolucionária do Irã, em 24 de maio de 2022 em Teerã, Irã. [Meghdad Madadi ATPImages/Getty Images]

Embora a agência de espionagem Mossad de Israel não tenha anunciado sua responsabilidade pelo assassinato de Hassan Sayyad Khodaei, um coronel da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC, na sigla em inglês), o assassinato recebeu muita cobertura na mídia israelense. Isso deu a impressão clara de que era de fato uma operação israelense, mas sem que Israel assumisse a responsabilidade direta. Essa abordagem tem sido comum com os serviços de segurança israelenses em muitas frentes.

Se os relatórios do Irã forem precisos, fica claro que o Mossad está operando não apenas contra a IRGC e sua Força Quds na Síria, mas também em plena luz do dia no coração do Irã. O assassinato de Khodaei ocorreu alguns meses após a destruição de uma base de fabricação de drones na província de Kermanshah, no leste do Irã. Parece que Israel acertou suas contas com Khodaei, que aparentemente planejou uma série de ataques contra alvos israelenses, incluindo o consulado israelense na Turquia.

A lista de alegações do Mossad contra Khodaei é longa. Seus ataques planejados contra alvos israelenses e judeus foram frustrados no último minuto em Chipre, Colômbia, Quênia e Turquia, assim como tentativas de atrair israelenses seniores para situações comprometedoras.

O assassinato de Khodaei segue o assassinato do comandante da Força Quds, general Qasem Soleimani, no aeroporto de Bagdá, e do cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh, que foi morto no coração da capital iraniana enquanto estava em seu carro. Embora o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, tenha deixado claro para Israel que não aceitará tais assassinatos enquanto as negociações com o Irã estiverem em andamento sobre um novo acordo nuclear, está claro que Israel está levando adiante seus planos independentemente.

LEIA: Israel está enfrentando mais ameaças, mas está menos preparado para elas

Se acontecer que Israel foi realmente responsável por matar Khodaei, isso significaria que está mudando sua estratégia em relação ao Irã. Dessa forma, Israel está mirando em indivíduos-chave em vez de representantes regionais do Irã; isso aumenta a intensidade da guerra sombria entre Tel Aviv e Teerã. A natureza de assassinatos desse tipo exige muita atenção aos detalhes para garantir que aqueles que os executam estejam seguros e para reduzir a possibilidade de serem vinculados à parte que os encarregou das operações.

Este último assassinato exigiu informações precisas dentro do Irã. O arquivo de Khodaei incluiria seus dados pessoais, hábitos regulares, locais de residência e trabalho e a extensão de sua participação em ações hostis. Assassinatos exigem permissão de dentro do Mossad e do sistema de segurança israelense, até o topo da liderança política. O tempo é muito importante e leva em consideração as circunstâncias políticas prevalecentes.

Povo iraniano participa do funeral do coronel Sayad Khodaei da Guarda Revolucionária do Irã, em 24 de maio de 2022, em Teerã, Irã [Meghdad Madadi ATPImages/Getty Images]

Khodaei não estava ligado ao programa nuclear iraniano. Ele estava com a Força Quds, que é responsável pela atividade militar do Irã na região. É provável que ele tenha participado do contrabando de armas para o Hezbollah do Líbano e milícias iranianas na Síria, e em tentativas de estabelecer uma presença iraniana na fronteira com Israel. Sua morte pode ser um golpe operacional imediato para a Força Quds e pressionar diretamente a liderança da IRGC.

Embora o Mossad não tenha anunciado sua responsabilidade pela morte de Khodaei, as chamadas Forças de Defesa de Israel entraram em alerta máximo em preparação para a possibilidade de uma resposta iraniana em uma frente ainda desconhecida. Vários pontos de inflamação ao redor de Israel podem explodir a qualquer momento. O Irã precisa considerar se deve ou não responder ao assassinato, talvez com um ataque preventivo para impedir qualquer agressão israelense premeditada. Os israelenses acreditam que o assassinato de Khodaei reduzirá as capacidades operacionais do Irã, mas sabem que ainda há uma possibilidade de vingança contra o Estado de ocupação que poderia expor a inteligência e as fraquezas militares de Israel. No entanto, o Irã pode achar difícil substituir o amplo conhecimento, a experiência e as conexões de Khodaei.

LEIA: Bennett tem que andar com cuidado ou a ‘Espada de Jerusalém’ pode ser desembainhada novamente

Isso não significa que o Irã deixará de trabalhar contra Israel, mas deve se perguntar quanto esforço será necessário para retaliar e se pode assumir mais riscos. Será importante para Israel enfrentar os esforços do Irã para descobrir suas próprias fraquezas de segurança.

Aqueles nos círculos militares e de segurança de Israel acreditam que o Irã responderá aos assassinatos de Khodaei e Fakhrizadeh com ataques fora do Estado de ocupação. O Irã já fez isso no passado, mas pagou um alto preço, porque nenhum país está disposto a permitir que tais ataques ocorram em seu próprio território. Teerã provavelmente retaliará com um ataque que não seja lançado diretamente do Irã. Enquanto isso, medidas de segurança muito rígidas estarão em vigor em torno de alvos em potencial, sobretudo oficiais de baixa patente, porque eles não se sentem mais seguros no Irã do que na Síria.

Isso exigirá que o Irã dedique tempo e recursos à segurança interna que poderiam ser melhor usados ​​em outros lugares. Ao ser ameaçado dentro de suas próprias fronteiras, Teerã está sendo constrangido na frente de seus cidadãos. Além disso, no final das contas, o assassinato de Khodaei torna mais provável um confronto Israel-Irã.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasIrãIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments