Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Congressistas de Israel ameaçam derrubar governo caso assentamento seja desmantelado

Primeiro-Ministro de Israel Naftali Bennett conversa com repórteres antes de embarcar ao Bahrein, no Aeroporto Internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv, 14 de fevereiro de 2022 [Gabinete de Imprensa do Governo de Israel/Agência Anadolu]

O partido Yamina (Nova Direita) — ao qual pertence o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett — ameaçou desmantelar a frágil coalizão de governo caso avance a evacuação do assentamento ilegal de Homesh, ao norte de Nablus, na Cisjordânia ocupada.

Na segunda-feira (23), o Ministro da Defesa Benny Gantz afirmou em um encontro de seu partido Kahol Lavan (Azul e Branco) que Homesh seria evacuado pois “não pode existir ali, como resultado da Lei de Desengajamento”.

Em resposta, membros da coalizão alertaram nesta quinta-feira (26) à rede Ynet News que, caso Gantz prossiga com a evacuação e escolha não contestar a decisão da Suprema Corte, congressistas de direita não terão escolha senão renunciar do governo.

Nir Orbach, membro do Knesset (parlamento israelense) pelo partido Yamina, e a Ministra do Interior Ayelet Shaked contactaram Gantz às vésperas de seu recurso na justiça, que deve ser submetido até a próxima semana.

Segundo as informações, Orbach insistiu a portas fechadas que a evacuação do assentamento ilegal seria uma “linha vermelha” para componentes de direita do governo.

LEIA: Israel proíbe entrada de delegação da União Europeia na Palestina ocupada

A ong israelense Peace Now observa que há cerca de 660 mil colonos em 145 assentamentos licenciados pelo governo de Israel — ilegais conforme a lei internacional. Há ainda 140 postos coloniais avançados — também ilegais sob a lei israelense.

Em 2005, Tel Aviv — sob a gestão do premiê Ariel Sharon — evacuou os colonos de Homesh e da Faixa de Gaza e desmantelou outros cinco assentamentos e bases militares perto de Jenin, como parte de um plano unilateral de desengajamento.

Desde então, no entanto, tropas israelenses passaram a isolar a área de palestinos que detêm posse das terras. Os colonos mantiveram sua presença em Homesh, ao estabelecer um posto colonial improvisado, em detrimento da lei israelense.

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, prometeu que seu governo continuará a construir assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments