Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Shireen Abu Akleh foi privada de um funeral digno, afirma emir do Catar

Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani, emir do Catar, discursa no dia de abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça, em 23 de maio de 2022 [Hollie Adams/Bloomberg via Getty Images ]

A falecida repórter palestina da Al Jazeera Shireen Abu Akleh foi privada de um “funeral adequado“, disse o emir Tamim Bin Hamad Al-Thani, do Catar.

“A jornalista palestina cristã americana Shireen Abu Akleh foi assassinada há duas semanas na Palestina e não recebeu um funeral adequado”, disse Al-Thani a repórteres no Fórum Econômico Mundial na Suíça.

Ele acrescentou que a morte de Abu Akleh não foi menos “horrível do que a morte dos sete jornalistas na Ucrânia e os outros 18 na Palestina desde 2000”.

Dirigindo-se à extensa atenção internacional sobre o conflito russo-ucraniano e suas implicações, Al-Thani apontou que os governos de todo o mundo devem “prestar atenção e esforço iguais para resolver todos os conflitos que são esquecidos ou ignorados”.

Ele enfatizou que todos merecem “paz, segurança e dignidade”, descrevendo a Palestina como uma “ferida aberta desde a fundação das Nações Unidas”.

LEIA: O martírio e a imortalidade da Voz da Palestina

“Essas famílias estão ocupadas há décadas sem nenhum alívio à vista. A escalada na agressão aos assentamentos ilegais tem sido implacável e o mesmo vale para os contínuos ataques contra o povo palestino.”

“Continuo rezando para que o mundo acorde para a injustiça e a violência e finalmente aja”, disse ele.

Israel assassinou a jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh em 11 de maio, enquanto ela cobria o ataque do exército de ocupação ao campo de refugiados de Jenin. A profissional da imprensa de 51 anos estava vestindo um colete à prova de balas exibindo claramente a palavra “Press” e estava de capacete, mas ainda foi baleado na cabeça por um atirador israelense. Seus colegas também foram baleados enquanto tentavam resgatá-la.

Os carregadores de caixão em seu funeral também foram espancados com cassetetes enquanto a polícia de Israel reprimia seu cortejo fúnebre enquanto viajava por Jerusalém Oriental ocupada.

Categorias
CatarIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments