Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parlamentar de Israel adverte palestinos de que serão limpos etnicamente novamente se hastearem a bandeira nacional

O legislador do Likud Israel Katz [Adi Cohen Zedek/Wikipedia]

Um membro do Knesset israelense alertou os palestinos sobre outra “Nakba” se eles hastearem a bandeira nacional. Regozijando-se com a perspectiva de outra rodada de limpeza étnica, o legislador do Likud, Israel Katz, colocou um vídeo de si mesmo no Twitter falando no parlamento, emitindo um aviso severo aos cidadãos palestinos de Israel.

“Ontem eu avisei os estudantes árabes, que estão hasteando bandeiras palestinas nas universidades: lembrem-se 48. Lembrem-se de nossa guerra de independência e de sua Nakba, não estique muito a corda. […] Se vocês não se acalmarem, nós vamos ensinar-lhes uma lição que não será esquecida”, disse Katz, que foi ministro das Relações Exteriores de Israel há alguns anos, em hebraico.

Katz, que pertence ao partido político de maior sucesso de Israel depois de vencer quatro eleições consecutivas entre 2009 e 2020 sob Benjamin Netanyahu, continuou com sua ameaça dizendo aos palestinos que perguntem aos mais velhos como é a limpeza étnica e se eles esqueceram.

LEIA: Parlamentar árabe é removido do Knesset após defender direitos de estudantes universitários árabes

“Pergunte a seus mais velhos, seus avós e avós, e eles explicarão a vocês que, no final, os judeus despertam, eles sabem defender a si mesmos e a ideia do estado judeu. Não estiquem muito a corda”, acrescentou Katz.

“Você está ameaçando?”, rebateu a legisladora israelense-palestina Aida Touma-Sliman, do bloco comum de maioria árabe. “Ouça, escute, isso também é para você”, disse Katz antes de dizer a ela para ser grata por estar vivendo dentro do Estado do Apartheid.

“Se você não se acalmar, vamos te ensinar uma lição que não será esquecida”, proferiu Katz durante a discussão acalorada com Touma-Sliman. “Uau”, respondeu a legisladora palestina em choque.

Lembre-se da Nakba, 74 anos depois [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A Nakba refere-se ao deslocamento forçado de mais da metade da população palestina; 750.000 que foram expulsos de suas casas durante 1947-48 por grupos militares sionistas europeus recém-chegados. Os palestinos que compunham quase metade da população do território que mais tarde se tornaria Israel foram etnicamente limpos para criar artificialmente uma maioria judaica e abrir caminho para a criação de um estado étnico racista.

Após a expulsão e a destruição de cerca de 600 aldeias palestinas, suas casas foram ocupadas por colonos judeus vindos da Europa. De acordo com a lei internacional, os palestinos têm o direito de retornar ao território e ao lar de onde foram expulsos, bem como o direito à indenização.

Enquanto a Lei de Retorno de Israel concede a judeus de todo o mundo permissão para retornar e se estabelecer, inclusive em territórios palestinos ocupados, refugiados palestinos não judeus – tanto muçulmanos quanto cristãos – têm esse direito negado.

A Lei do Retorno é uma das muitas leis racistas instituídas por Israel e é citada pelo grupo de direitos humanos em sua designação do país como Estado do Apartheid.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments