Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Após um ano no poder, governo de Israel pode ser forçado a sair

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett (centro), e o ministro das Relações Exteriores israelense, Yair Lapid (dir.), participam da reunião semanal do gabinete do governo israelense nas Colinas de Golã, em 26 de dezembro de 2021 [Israeli Government Press/Agência Anadolu]

As sessões de verão do Knesset israelense começaram há alguns dias, assim como o debate interno sobre o futuro do governo e seu destino, em meio às ameaças da oposição de derrubá-lo. Isso gerou mais disputas internas no governo e criou obstáculos adicionais à sua estabilidade, o que pode abrir caminho para o anúncio antecipado de um novo ciclo eleitoral.

Os partidos israelenses dizem que o maior desafio enfrentado pela coalizão não é apenas sua minoria de 59 a 60 no governo, mas que a abertura da sessão de verão no Knesset mostrou que ela está mais frágil do que quando foi empossada há menos de um ano. Ao mesmo tempo, há crescentes confrontos entre membros da coalizão governamental.

Enquanto o primeiro-ministro, Naftali Bennett, está passando por um estado de instabilidade, o primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid, está trabalhando freneticamente para extinguir os incêndios e acabar com a crise com os palestinos em relação à Mesquita de Al-Aqsa. Isso está acontecendo ao lado da divulgação de várias declarações agressivas de dentro da coalizão, todas sugerindo eleições antecipadas. No entanto, é uma questão de quem vai derrubar o governo, quem vai liderá-lo na campanha eleitoral e se os dois, Bennett e Lapid, entrarão em estado de conflito de interesses.

Logo depois que a coalizão israelense derrotou a oposição no início da sessão de verão do Knesset, alguns começaram a dizer que o governo de Bennett havia chegado ao fim e que ele agora está se preparando para novas eleições à luz da sequência de eventos na Mesquita de Al-Aqsa, que causou uma tempestade dentro da coalizão do governo. Os líderes do governo falaram sobre a necessidade de cooperação parlamentar com a Lista Conjunta liderada pelos deputados árabes Ayman Odeh e Ahmed Tibi, não descartando a possibilidade de sua votação dar ao governo uma rede de segurança no Knesset. Isso, no entanto, aumentaria a pressão vinda da direita dentro do governo e pode levar mais membros de direita a se juntarem aos que deixaram recentemente o governo de coalizão.

Além disso, há uma batalha secreta entre Lapid e Bennett sobre o destino da posição do primeiro-ministro. Se as coisas permanecerem como estão, Lapid assumirá o cargo em novembro de 2023, mas, caso o governo de coalizão ceda e comecem os preparativos para novas eleições, Lapid assumirá essa tarefa durante os três meses das eleições e a formação do novo governo, mas isso causaria um estado de caos, discórdia e problemas internos.

LEIA: Bennett tem que andar com cuidado ou a ‘Espada de Jerusalém’ pode ser desembainhada novamente

Os israelenses concluem que, se o governo se estabilizar nas próximas semanas e conseguir continuar apesar de tudo o que está acontecendo, Lapid e Bennett poderão superar seus interesses conflitantes. No entanto, se a arena política continuar a testemunhar mudanças sucessivas, a batalha secreta entre os dois sobre quem liderará o governo pode aproximá-lo do fim, e sua parceria pode ser dissolvida.

Não é mais segredo que os apelos por eleições antecipadas prevalecem nos círculos políticos israelenses, embora apenas um ano tenha se passado desde que o atual governo tomou posse. A coalizão se tornou frágil após a renúncia de seu presidente, Idit Silman, e sua transição para a oposição. Está sofrendo de fragilidade diante da série de desafios. Com o passar dos dias, as tensões no governo aumentam, ampliando as especulações de que as eleições são iminentes, bem como as avaliações israelenses de que o governo está prestes a entrar em colapso.

Ao mesmo tempo, o governo enfrenta vários desafios econômicos e de segurança, especialmente à luz das recentes operações de guerrilha palestina.

A oposição explorou a situação no terreno com os palestinianos, descrevendo o governo como um fracasso como resultado da sua gestão da situação e acusando-o de se submeter à chantagem e de se render às exigências da Lista Árabe Unida liderada por Mansour Abbas, e tentando agradá-lo para que ele possa retornar ao governo de coalizão.

Há também o temor de uma nova crise interna, devido ao desejo dos membros de mostrar conquistas diante de seus eleitores, mesmo às custas de seus parceiros de coalizão.

O governo pode enfrentar um problema ao tentar aprovar leis pelo Knesset, já que não detém mais a maioria. Como resultado, terá dificuldades para aprovar o orçamento e outros projetos de lei para ajudá-lo a governar. Bennett anunciou que foi feito um acordo entre os membros da coalizão de que eles trabalhariam juntos para manter o governo e não cair em eleições e caos neste momento delicado.

O frágil governo de Bennett está sob grande tensão como resultado da situação política, partidarismo israelense, além da tensão de segurança com os palestinos. Não está claro se sua coalizão será capaz de resistir a todas essas tempestades.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments