Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jornalistas tunisianos protestam para exigir acordo

Jornalistas tunisianos seguram cartazes durante um protesto exigindo liberdade de imprensa do lado de fora do Sindicato Nacional de Jornalistas Tunisianos (SNJT), em Túnis, em 5 de maio de 2022 [Fethi Belaid/AFP via Getty Images]

Dezenas de jornalistas tunisianos que trabalham em instituições de mídia confiscadas pelo Estado participaram, na sexta-feira (20), de um protesto para exigir um acordo por suas condições financeiras e profissionais.

Um repórter da Agência Anadolu divulgou que o protesto ocorreu na Praça Kasbah, em Túnis, a convite do Sindicato Nacional de Jornalistas da Tunísia e da Universidade de Mídia Geral do Sindicato Geral dos Trabalhadores da Tunísia.

De acordo com o convite, o protesto foi organizado para contestar: “A política continuada de marginalizar o setor de mídia pela autoridade e liquidar as instituições confiscadas”.

Os manifestantes levantaram slogans como “até quando vamos ficar sem salário?”, “Ó, governo, que vergonha, a imprensa está se deteriorando”, “Ó, presidente da República, a imprensa não é um privilégio” e “Dê-me meus direitos”.

Em seu discurso durante o protesto, o presidente do Sindicato Nacional dos Jornalistas da Tunísia, Mohamed Yassine Jelassi, expressou: “Essa é outra fase pela qual estamos lutando uns com os outros por nossos direitos, liberdades e para defender nossos colegas”.

Em uma declaração à Agência Anadolu à margem do protesto, Jelassi declarou: “A autoridade conseguiu uma coisa, que é diminuir a classificação da Tunísia em liberdade de imprensa e nos devolver aos tempos antigos”.

“Estou enviando uma mensagem ao governo e à presidência; não desistimos nem nos cansamos de defender os direitos de nossos colegas”, afirmou Jelassi.

LEIA: EUA reduzirão ajuda à Tunísia por ‘desviar-se da democracia’

Ele continuou: “Querem punir o setor de imprensa, porque não se envolveu em adulação e porque os jornalistas relatam diariamente as dificuldades que este país sofre. Então, nós os responsabilizamos por destruir essas instituições”.

As instituições de mídia confiscadas pertenciam a membros e parentes do presidente do antigo regime, Zine El Abidine Ben Ali. Essas instituições foram confiscadas pelo Estado junto com o restante de suas propriedades. Até agora, os sucessivos governos não conseguiram liquidá-los ou cedê-los ao setor privado.

No início de maio, os Repórteres Sem Fronteiras anunciaram que a Tunísia havia caído no Índice de Liberdade de Imprensa em 21 pontos, agora ocupando o 94º lugar depois de ter ficado em 73º em 2021.

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments