Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É muito cedo para escrever o obituário da Irmandade Muçulmana

Manifestante segura um pôster do falecido ex-presidente egípcio Mohamed Morsi durante um protesto em Nova York, EUA em 2 de março de 2019 [Atılgan Özdil / Agência Anadolu]

Apesar da campanha que enfrentam, os islâmicos têm sido historicamente resilientes e adaptáveis ​​a circunstâncias catastróficas

As condições para movimentos, partidos e organizações islamistas em toda a região do Oriente Médio e Norte da África nunca pareceram tão sombrias.

As breves aberturas políticas que se seguiram aos levantes árabes de 2010-11 viram alguns movimentos islâmicos sunitas, como a Irmandade Muçulmana do Egito e o Ennahda da Tunísia, capitalizar com a remoção de ditadores de longa data e eleições livres para ganhar poder político após anos de oposição.

No entanto, seus sucessos foram de curta duração. A Irmandade Egípcia foi removida por um golpe militar em julho de 2013. Desde então, a contrarrevolução no Egito marcou uma mudança global na qual os movimentos islâmicos foram visados ​​com o objetivo de erradicá-los. Os islâmicos foram rotulados como entidades políticas antidemocráticas e até mesmo grupos terroristas.

Mais de uma década após as revoltas, os movimentos islâmicos em toda a região estão enfrentando uma repressão renovada, polarização política e social e circunstâncias drasticamente alteradas. No entanto, é muito cedo para escrever o obituário do islamismo.

LEIA: Sisi nega ter conspirado contra presidente egípcio eleito democraticamente

Grupos islâmicos historicamente provaram ser extremamente resilientes e capazes de se adaptar a circunstâncias catastróficas, de modo que o atual contexto sombrio pode ser uma oportunidade de renovação, em vez de uma indicação de sua aniquilação iminente.

Reação generalizada

Como observa o cientista político Marc Lynch, a “catástrofe atual” do Islã político é caracterizada por algumas tendências claras. Em primeiro lugar, os movimentos islâmicos conquistaram espaço político após as revoltas, mas essa oportunidade durou pouco e muitas vezes expôs seu despreparo para governar, resultando em uma reação generalizada.

Em segundo lugar, o retorno do regime autoritário na região fechou oportunidades significativas de participação política, pois a campanha global contra o islamismo empreendida pelos Emirados Árabes Unidos restringiu as maneiras pelas quais os movimentos islâmicos podem ganhar legitimidade e recursos. Os islâmicos estão sendo amplamente demonizados mais uma vez, impedindo significativamente seu potencial retorno à vida política.

Em terceiro lugar, a repressão renovada e o exílio forçado deram um duro golpe nas estruturas organizacionais dos movimentos islâmicos, historicamente uma fonte de sua força. Bens foram confiscados e hierarquias destruídas, levando a deserções generalizadas e divisões internas sobre ideologia, direção e estratégias para responder à repressão. Como resultado, o compromisso histórico dos islamistas com a não-violência e a resistência pacífica passou a ser questionado.

Por fim, os movimentos islâmicos enfrentam profundos desafios ideológicos e estratégicos, pois seu compromisso com a moderação e a participação política pacífica, que lhes permitiu prosperar por décadas, levou à destruição e à perseguição. Eles devem agora estipular um novo conjunto de estratégias para reconstruir suas bases populares e apaziguar os quadros mais jovens insatisfeitos com a resistência passiva abraçada pelos líderes seniores.

Mesmo assim, os movimentos islâmicos provaram ser resistentes a circunstâncias difíceis no passado, sugerindo que o mesmo pode acontecer agora, embora sua direção permaneça incerta.

Repressão severa

A Irmandade Muçulmana, o movimento islâmico mais antigo com o qual muitos grupos e partidos islâmicos contemporâneos compartilham uma série de traços organizacionais e ideológicos, está enfrentando uma das repressões mais duras de sua história desde a década de 1950. No Egito, o grupo conseguiu capitalizar o breve período de abertura política que se seguiu ao afastamento de Hosni Mubarak em 2011, garantindo vitórias eleitorais no parlamento e na presidência.

LEIA: Nova campanha pede fim das execuções políticas no Egito

Mas o movimento falhou espetacularmente na governança e, desde o golpe de 2013, permanece sob forte repressão. Milhares de líderes-chave e membros de base e apoiadores foram presos, mortos ou forçados a viver no exílio.

No entanto, as circunstâncias sem precedentes que a Irmandade enfrenta, juntamente com os desafios externos e internos, também oferecem chances significativas de reavivamento. A dimensão do exílio cria espaço para novas formas de organização política, revisão ideológica e pensamento estratégico de longo prazo.

Desde a sua criação em 1928, a Irmandade enfrentou repetidas repressões dos regimes egípcios, que cooptaram o grupo para o sistema político ou o reprimiram. Em todas as instâncias, a Irmandade demonstrou a capacidade de resistir à repressão e de ressurgir como uma poderosa força sociopolítica quando circunstâncias favoráveis ​​à participação se materializaram mais uma vez.

De fato, a Irmandade aprendeu a capitalizar a repressão, transformando-a em fonte de força e coesão. A repressão do regime ajudou, assim, o grupo a angariar apoio público, fortalecendo sua imagem como um ator legítimo da oposição, reforçando o compromisso de seus membros com sua causa e poupando-o da necessidade de revisar traços ou estratégias ideológicas centrais, em favor de uma abordagem que promova a firmeza na a face da adversidade.

A Irmandade está, portanto, bem posicionada para sobreviver à atual onda de repressão, contando com ferramentas de resistência, como força organizacional e sua capacidade de promover uma forte identidade coletiva entre os membros.

Futuro incerto

Como argumentamos em outro lugar, no entanto, existem quatro dimensões da repressão atual que a tornam qualitativamente diferente das experiências passadas da Irmandade, lançando assim incerteza sobre como o movimento pode ressurgir da repressão no futuro.

Em primeiro lugar, a brutalidade do regime de Sisi tem sido indiscriminada, marcando território desconhecido para alguns membros em todos os espectros organizacionais e geracionais. Em segundo lugar, a repressão surgiu logo após o fracasso da Irmandade em sua primeira experiência no governo, fazendo com que muitos membros questionassem a visão e o projeto político do grupo.

LEIA: Egito condena 14 líderes da Irmandade Muçulmana a longas prisões

Em terceiro lugar, a repressão abriu um espaço significativo para os membros mais jovens agirem independentemente da organização e promoverem suas próprias iniciativas, agendas políticas e ideias, desafiando princípios fundamentais como confiança cega e obediência à liderança. E, finalmente, a Irmandade agora enfrenta a tarefa sem precedentes de ter que se reunir no exílio.

A dimensão do exílio também favoreceu uma maior fragmentação interna, com o efeito mais visível sendo o estabelecimento de um segundo Gabinete de Orientação em 2015 por um pequeno grupo de membros devido a divergências sobre como responder à repressão do regime. Isso marcou a primeira divisão interna séria desde a década de 1950.

É importante ressaltar que a partir de 2013, a Irmandade se viu fragmentada não apenas em linhas verticais, pois suas estruturas hierárquicas eram cada vez mais desafiadas, mas também em contextos geográficos devido à nova dimensão do exílio. Os membros da diáspora turca abriram caminho para a renovação interna por meio de seu engajamento em novas formas de ativismo e alianças intergeracionais e inter-ideológicas, aproveitando um contexto sociopolítico mais favorável à sua presença e atividades.

Mudança qualitativa

A fragmentação da Irmandade, juntamente com o desconhecimento do exílio e a abertura de oportunidades para que subgrupos como mulheres e jovens exerçam maior agência, complicam o processo de reagrupamento. Cria as condições necessárias para a mudança interna, à medida que os membros fazem um balanço e aproveitam as experiências passadas para reunir e reconstruir a Irmandade.

De fato, os membros jovens, e aqueles que deixaram brevemente o movimento porque estavam desiludidos ou expulsos por ativismo que contradizia as políticas da Irmandade, estão voltando lentamente para a organização mãe. No entanto, muitos continuam a buscar locais alternativos para o ativismo e estão engajados no processo de repensar os princípios e objetivos ideológicos centrais da Irmandade.

LEIA: A Irmandade Muçulmana é capaz de administrar um estado?

A trajetória que a Irmandade percorre desde 2013 mostra que o movimento está em um caminho de renovação, impulsionado por debates internos sobre questões-chave como estruturas organizacionais, ideologia, liderança e valores, muitas vezes liderados por atores que antes ocupavam uma posição marginal na o grupo. O que resta a ser visto são as lições que o movimento e seus membros tirarão de suas experiências desde o levante.

À medida que o modus operandi da Irmandade é questionado e reformulado, o movimento se encontra em uma posição única. Os observadores devem tomar nota das principais forças contemporâneas que moldam os movimentos islâmicos, a fim de capturar plenamente suas trajetórias atuais e futuras. Isso requer uma mudança qualitativa na forma como estudamos e entendemos os movimentos islâmicos, afastando-nos de categorias binárias como “radical” e “moderado”, que há muito dominam as análises.

Os movimentos islâmicos não são atores monolíticos. Mais ênfase deve ser dada aos papéis dos membros individuais e como eles estão moldando questões relacionadas à política e à ideologia, juntamente com como os contextos geográficos contribuem para o surgimento de fertilização cruzada ideológica com outros atores políticos, levando a novas colaborações e alianças.

Os papéis de atores anteriormente marginalizados também devem ser totalmente capturados, incluindo os de mulheres e jovens. Embora existam alguns sinais globais de que o islamismo pode estar “perdendo força”, um exame mais detalhado mostra que movimentos como a Irmandade não estão mortos – e há uma forte oportunidade de promover resiliência e renascimento interno.

Artigo publicado originalmente em inglês e francês no site Middle East Eye.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments