Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Local do assassinato da jornalista Shireen Abu Akleh vira memorial

Palestinos colocam flores onde a jornalista da Al-Jazeera Shireen Abu Akleh foi morta pelas forças israelenses em Jenin, Cisjordânia, em 12 de maio de 2022 [Nedal Eshtayah/Agência Anadolu]

O local do assassinato da jornalista Shireen Abu Akleh, na entrada do campo de refugiados de Jenin, se transformou em um memorial para os palestinos.

Desde as primeiras horas da manhã de quinta-feira (12), palestinos de vários lugares se reuniram para visitar o local onde Abu Akleh foi baleada para colocar flores e orar por ela.

Fotos de Abu Akleh foram penduradas nas árvores ao redor da área, junto com bandeiras palestinas e um tradicional keffiyeh.

No chão onde Abu Akleh caiu após ser baleada, havia buquês de flores e cartas.

Uma das mensagens dizia: “A imagem ficou clara e a cobertura estava ausente. Shireen Abu Akleh é uma palavra que não morre. Que sua alma descanse em paz”.

Na manhã de quarta-feira, o Ministério da Saúde palestino anunciou a morte de Shireen Abu Akleh “como resultado de ter sido baleada pelo exército israelense na cidade de Jenin”.

A rede Al-Jazeera e a Autoridade Palestina acusaram Israel de matar deliberadamente Shireen Abu Akleh atirando nela enquanto ela estava trabalhando, ao passo que o exército israelense disse que suas descobertas iniciais foram de que ela foi “morta por pistoleiros palestinos”.

Abu Akleh nasceu em Jerusalém em 1971 e foi uma das primeiras correspondentes da Al-Jazeera, ingressando no canal em 1997.

Majd Owais, um jovem que mora em uma das casas próximas, disse que compareceu “em homenagem a Shireen e seu grande papel nacional”.

Ele acrescentou à Agência Anadolu: “Desde ontem, o local tem constantemente cidadãos que vêm orar por ela”.

Owais continuou, apontando para vestígios de balas: “Olha, isso é o que as balas israelenses explosivas deixaram para trás nas árvores e nas pedras. Essas balas são conhecidas, elas são usadas apenas pelo exército israelense”.

Ele disse que Abu Akhleh, acompanhada por seus colegas, estava usando um colete especial de imprensa e que o exército israelense viu sua localização e atirou diretamente contra eles.

No mesmo lugar, Ayman Khalil, da aldeia de Anin, estava derramando lágrimas. Ele disse à Agência Anadolu que decidiu visitar “o local do martírio de Abu Akleh, para orar por ela e ver onde ela foi alvejada”.

Ele acrescentou: “Todos nós choramos, apesar de não conhecer Shireen pessoalmente, mas a conhecemos através de sua cobertura de notícias há décadas. Shireen, você serviu ao país transmitindo a imagem da verdade”.

Mamoun Fashafsha, um palestino da aldeia de Jaba’, na província de Jenin, disse a um correspondente da Agência Anadolu que veio “para inspecionar o local do martírio e rezar por Abu Akleh”.

Ele acrescentou: “Shireen significa muito para nós, ela viveu na memória de gerações, e sua memória permanecerá por muitos anos. Shireen relatou muitos eventos ao longo de muitos anos. Ela é uma combatente da resistência e deu à causa palestina o que outros foram incapazes de fornecer, através de sua voz e cobertura”.

Fashafsha acusou as autoridades israelenses de atacar deliberadamente Abu Akleh por seu papel pioneiro na cobertura da imprensa e na exposição de crimes israelenses.

Muitos moradores do campo de Jenin relembram suas memórias de Abu Akleh durante sua cobertura da invasão israelense do campo em 2002.

Umm Ahmed Freihat, moradora do campo, disse em lágrimas: “Shireen viveu a batalha do campo conosco. Ela relatou os massacres israelenses e a destruição que deixaram para trás. Ela procurou entre as ruínas por nossos filhos”.

Em entrevista à Agência Anadolu, ela acrescentou: “Ela estava com sede e sem água. Suas roupas estavam sujas, então dei a ela roupas da minha casa. Shireen se foi e sua ausência atingiu meu coração como um raio”.

Em abril de 2002, o exército israelense entrou na cidade de Jenin e seu acampamento e, em dez dias, pelo menos 52 palestinos foram mortos, cerca de metade deles civis. Cerca de 150 edifícios foram completamente destruídos, dezenas foram parcialmente destruídos e cerca de 435 famílias foram deslocadas, segundo relatórios de direitos humanos.

LEIA: Haverá apelos por justiça a Shireen Abu Akleh ou Israel continuará seus assassinatos?

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments