Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Nakba palestina não terminou em 1948; está em curso

Palestinos em Gaza protesta pelo direito de retornar à sua terra natal em 14 de maio de 2018 [Mahmoud Khattab/Apaimages]

Israel acaba de celebrar o que chama de Dia da Independência, que se baseia no mito da libertação nacional do colonialismo britânico e do estabelecimento de um estado independente sonhado por sucessivas gerações de judeus. Neste dia todos os anos, Israel flexiona seus músculos militares e realiza celebrações em todo o país.

Os israelenses comemoram seu roubo e ocupação da Palestina, uma terra com profundas raízes árabes. A “independência” de Israel substituiu o colonialismo britânico por um colonialismo de colonos ainda mais horrível. Não é à toa que os palestinos chamam o estabelecimento do estado colonial de Israel de Nakba – a Catástrofe – porque o que aconteceu em 1948 não foi a libertação do colonialismo ou a independência, mas o maior assalto à mão armada do século XX. Um país inteiro foi tomado pela limpeza étnica da população indígena palestina pelos sionistas. Além disso, a Nakba não começou e terminou em 1948; está em andamento.

Como tal, as celebrações da “independência” israelense não comemoram o passado; eles encorajam o que ainda está acontecendo em Jerusalém, na Cisjordânia, no Negev, na Galiléia e no resto da Palestina ocupada. Os palestinos em Israel lembram a Nakba e a limpeza étnica sob o slogan “Seu Dia da Independência é o nosso Dia da Nakba” para enfatizar o fato de que suas terras foram roubadas e ocupadas pela força, engano e falsificação da história. É por isso que foi vergonhoso para os Emirados Árabes Unidos enviar um telegrama de felicitações a Israel neste dia.

Indiscutivelmente ainda mais vergonhoso é o fato de que a Nakba foi abençoada pela comunidade internacional quando o reconhecimento de Israel foi concedido com um assento na Assembleia Geral da ONU, embora nunca tenha cumprido a condição de sua adesão, o retorno dos refugiados palestinos. O estado de ocupação tem sido protegido desde então pelos “membros permanentes” do Conselho de Segurança da ONU, que foi estabelecido especificamente para atingir os objetivos das potências nucleares pós-Segunda Guerra Mundial. Os países coloniais apressaram-se a reconhecer a entidade colono-colonial plantada em terras árabes; primeiro foi a União Soviética, seguida pelos EUA (não o contrário, como muitas vezes se acredita). Oriente e Ocidente trabalharam juntos para apunhalar o povo árabe pelas costas, embora se não fosse pela conspiração dos estados árabes, o Ocidente não teria sido capaz de realizar sua conspiração na Palestina árabe.

LEIA: Matar líderes da resistência não matará a vontade ou o direito de resistir à ocupação de Israel

O planejamento para a entidade sionista começou no final do século XIX. O lobby sério dos estados coloniais levou à questão da desastrosa Declaração Balfour de 1917, na qual o governo britânico prometeu seu apoio ao “estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo judeu”. Foi uma promessa feita por aqueles que não possuíam a terra para aqueles que não tinham direito legítimo a ela. A promessa foi cumprida em 14 de maio de 1948, desde quando os palestinos vivem no exílio e sob ocupação, com todo o sofrimento que isso implica. A luta dos palestinos contra a ocupação de suas terras dura 74 anos, apesar da conspiração dos governantes árabes contra eles. O mundo não lhes fez justiça nem restaurou seus direitos ou terras usurpados; a comunidade internacional, liderada pelos EUA, apoia Israel, e os países árabes leais aos EUA atuam como guardiões das fronteiras de Israel ainda não declaradas. É um projeto colonial expansionista.

Relembrando a Nakba durante a pandemia de Covid-19 – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Todos os governantes árabes, sem exceção, negociaram com a questão palestina diante de seu povo que ama a Palestina, desde Gamal Abdel Nasser até hoje, para consolidar seu próprio poder. O que está acontecendo nos bastidores é, porém, completamente diferente, e só veio à tona após anos de decepção nos tratados de paz assinados com o inimigo israelense.A OLP assinou os Acordos de Oslo com Israel em 13 de setembro de 1993, nos quais a organização de “libertação” reconheceu Israel e removeu de sua carta nacional a cláusula sobre a luta armada para libertar a Palestina do mar ao rio em troca da imaginária “autoridade ” que foi criado para não fazer nada mais do que fornecer segurança para o estado de ocupação e ser o precursor de um estado independente que nunca foi realmente destinado a existir.

LEIA: É hora de confrontar Israel ao denunciar a Nakba em curso contra os palestinos

O roubo de terras palestinas tem ocorrido ao longo dos anos do chamado “processo de paz”, com cada vez mais assentamentos e infraestruturas ilegais israelenses tornando impossível a existência de território contíguo suficiente para tal estado existir. Restam menos de 20 por cento da Palestina histórica para os palestinos, e toda ela é dominada pela ocupação militar de Israel.

Os malfadados Acordos de Oslo levaram a mais assassinatos e prisões – por forças de segurança israelenses e da Autoridade Palestina – de palestinos que lutam por sua liberdade. A Intifada de Aqsa em setembro de 2000 restaurou o espírito de resistência ao povo palestino sob o comando do falecido líder Yasser Arafat. Ele voltou dos EUA frustrado depois de se encontrar com o primeiro-ministro israelense Ehud Barak em Camp David, sob os auspícios do presidente dos EUA, Bill Clinton; ele estava convencido de que não havia sentido em acordos de paz com Israel. O estabelecimento de um estado palestino com Jerusalém como capital e o retorno dos refugiados palestinos à sua terra era uma ilusão.

O próprio Arafat liderou a intifada. A revolta incluiu o Movimento de Resistência Islâmica, Hamas, que não abandonou as constantes palestinas e a restauração de toda a Palestina, do mar ao rio. Não havia como isso ser alcançado, exceto por meio de resistência legítima.

Manifestantes anti-Israel estão reunidos do lado de fora do Brooklyn College para protestar em apoio aos palestinos e protestar à frente do Nakba 74 no Brooklyn, em Nova York, Estados Unidos, em 5 de maio de 2022. [Tayfun Coşkun – Agência Anadolu]

Manifestantes anti-Israel estão reunidos do lado de fora do Brooklyn College para protestar em apoio aos palestinos e protestar à frente do Nakba 74 no Brooklyn, na cidade de Nova York, Estados Unidos, em 5 de maio de 2022. [Tayfun Coşkun – Agência Anadolu]

Assim começou uma nova fase da luta palestina que continua desde que Arafat foi sitiado em seu complexo de Ramallah e depois morto em 2004 como uma “punição” pela intifada. A retirada unilateral de Israel da Faixa de Gaza em 2005 sob o peso da resistência do Hamas, que se manteve firme apesar do assassinato de seu fundador e guia espiritual, o tetraplégico Sheikh Ahmed Yassin, seu líder Dr. Abdel Aziz Rantisi e outros. Desde então, quatro grandes ofensivas militares foram lançadas contra os palestinos em Gaza, acompanhadas de um amplo bloqueio terrestre, marítimo e aéreo, depois que o Hamas venceu as eleições parlamentares de 2006. Por tudo isso, a resistência legítima não foi enfraquecida nem minada; a determinação do povo palestino de fazer enormes sacrifícios para libertar sua terra continua forte. Fazem-no com dignidade e honra.

O inimigo israelense falhou em colocar o povo palestino de joelhos em Gaza, assim como falhou em derrotar o Hamas. É por isso que o chefe da autoridade de coordenação de segurança “sacra” em Ramallah, Mahmoud Abbas, tem a tarefa de tentar desacreditar o movimento islâmico e derrubá-lo. Ele se junta às acusações de “terrorismo” usadas para descrever a resistência legítima à ocupação militar de Israel. Ele também cortou os salários dos funcionários da AP na Faixa de Gaza para colocar o povo contra o Hamas, mas seu plano falhou.

Não há dúvida de que há otimismo dentro da grande nação palestina, o que é inspirador. O povo conseguiu virar a mesa contra o estado de ocupação em muitas ocasiões, com sua inovação e criatividade na luta. Os israelenses vivem com medo, enquanto os palestinos acreditam que vencerão ou morrerão no processo. Um povo assim é imbatível.

LEIA: Haverá apelos por justiça a Shireen Abu Akleh ou Israel continuará seus assassinatos?

A geração atual inclui os bisnetos dos palestinos que foram expulsos de suas terras na primeira onda de limpeza étnica durante a Nakba. A maioria não foi para as casas de seus avós e terras no que é hoje o estado usurpador de Israel, mas eles ainda vivem na Palestina em seus corações e mentes. Eles são a prova viva de que a afirmação sionista de que “os velhos morrerão e os jovens esquecerão” é uma mentira. Os velhos morreram, mas só depois de entregar as chaves aos jovens, passando a missão para que nunca se esqueçam. O povo palestino não será derrotado em sua luta para viver com honra, liberdade e dignidade.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments