Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A resposta da UE ao último deslocamento forçado de palestinos de Israel é – novamente – muito fraca

As bandeiras da União Europeia são vistas acenando fora do prédio da Comissão da UE em Bruxelas, Bélgica em 6 de julho de 2021 [Dursun Aydemir - Agência Anadolu]

A União Europeia está, como sempre, a adoptar uma abordagem errada quando se trata de lidar com as violações do direito internacional por parte de Israel. Com mais de 1.200 palestinos enfrentando o despejo forçado de Masafer Yatta, também conhecido como “Firing Zone 918”, depois que a Suprema Corte israelense decidiu a favor da demolição de oito aldeias, a UE limitou-se a resumir o que Israel e a comunidade internacional já sabem: Israel tem obrigações sob lei internacional.

“Sob a lei internacional, transferências forçadas individuais ou em massa e deportação de pessoas protegidas dos territórios ocupados são proibidas, independentemente do motivo”, tuitou a delegação da UE aos palestinos. “Como potência ocupante, Israel tem a obrigação de proteger a população palestina e não deslocá-la.” Como potência ocupante, Israel sabe disso, mas mesmo assim o ignora.

De fato, Israel não precisa de um lembrete de suas obrigações; ela precisa, e nós precisamos, que a comunidade internacional a responsabilize por essas obrigações. A comunidade internacional, no entanto, está investindo pesadamente em Israel, tanto política quanto economicamente.

Mais uma vez, Israel usou sua falsa narrativa de segurança para usurpar a terra em que Masafer Yatta foi construído. As Forças de Defesa de Israel (IDF) afirmam que a terra é necessária para fins de treinamento militar. De acordo com o Jerusalem Post, os palestinos que vivem nas aldeias programadas para demolição ainda podem chegar a um acordo com o IDF para acessar algumas das terras para fins agrícolas. Existem, no entanto, muitos exemplos em que os palestinos foram privados de suas terras agrícolas permanentemente, mas tiveram que enfrentar colonos israelenses e violência militar, forçando-os a ficar longe de suas terras, mesmo quando tal “acesso” foi acordado com antecedência.

LEIA: A ONU não protege os palestinos, muito menos os jornalistas

Documentos que datam de 1981 revelam que Ariel Sharon ofereceu Masafer Yatta ao IDF para deslocar à força os palestinos para que Israel pudesse reter o território para sua expansão. “Nós definitivamente temos interesse em ampliar nosso território lá… dada a expansão dos árabes rurais na ‘parte de trás da montanha’ em direção ao deserto.”

O prefeito de Masafer Yatta, Nidal Abu Younis, disse que “esta [decisão] prova que este tribunal é parte da ocupação”. É uma pena que tais declarações sejam feitas como se ele ou qualquer outra pessoa acabasse de perceber a natureza da Suprema Corte de Israel. Não havia necessidade desta ou de qualquer outra decisão para provar a lealdade do tribunal ao estado colono-colonial. Nenhum estado ou instituição judicial em Israel trabalhará contra o processo colonial. E nem a UE, que financiou moradias para as comunidades que vivem em Masafer Yatta. Em janeiro deste ano, Israel destruiu oito estruturas na área, deixando 19 pessoas, entre elas 11 crianças, deslocadas à força.

A agenda humanitária empregada pela UE atende apenas aos interesses do bloco. O investimento da UE na Palestina é mínimo e corrompido, assim como sua declaração lembrando Israel de suas obrigações sob o direito internacional. Israel violou a lei internacional para garantir sua existência e recebe apoio diplomático para fazê-lo, o que tem precedência sobre qualquer ajuda humanitária alocada aos palestinos pelos mesmos atores políticos que apoiam Israel. Quando irá a UE emitir uma declaração que expresse o seu desprezo pela transferência forçada de palestinianos, por exemplo, e a vincule a este desrespeito histórico que a comunidade internacional tem pelo deslocamento forçado contínuo que tem acontecido desde então, incluindo a Nakba?

LEIA: A comunidade internacional invalida seu suposto apoio à Palestina

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments