Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A comunidade internacional invalida seu suposto apoio à Palestina

Soldados israelenses caminham perto de Moshav Sha'al nas Colinas de Golã anexadas a Israel em 9 de fevereiro de 2022 [ Jalaa Marey/AFP via Getty Images]
Soldados israelenses caminham perto de Moshav Sha'al nas Colinas de Golã anexadas a Israel em 9 de fevereiro de 2022 [ Jalaa Marey/AFP via Getty Images]

Um relatório recente do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) coloca Israel em 10º lugar quando se trata da participação nas exportações globais de armas de 2017 a 2021, com seus principais destinatários sendo a Índia, o Azerbaijão e o Vietnã. O Estado de ocupação ficou em 14º lugar em importações de armas, sendo seus principais fornecedores os EUA, Alemanha e Itália. As estatísticas indicam um aumento de 19% no período entre 2012 e 2016.

Os EUA forneceram 92% das importações de armas de Israel de 2017 a 2021, incluindo aeronaves militares e armas de precisão guiadas. O relatório do SIPRI observa que a aeronave de combate F-35 “tem sido usada desde 2018 em ataques aéreos a alvos em Gaza, Líbano e Síria”, além de ser considerada “um componente-chave da capacidade de Israel de atacar alvos no Irã”.

Israel receberá US$ 1 bilhão dos EUA para reabastecer seu sistema de defesa antimísseis Iron Dome? – Desenho animado [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Israel receberá US$ 1 bilhão dos EUA para reabastecer seu sistema de defesa antimísseis Iron Dome? – Desenho animado [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Uma reportagem do The New York Times em janeiro deste ano afirmou que o governo indiano havia comprado o spyware Pegasus de Israel em 2017 como parte de um acordo de US $ 2 bilhões que ocorreu quando o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, fez sua primeira visita ao colono-colonial. entidade. O mesmo pode ser atribuído ao Federal Bureau of Investigation (FBI) dos EUA, que fez a aquisição em 2019. De acordo com a The New York Times Magazine, Israel está estrategizando seus sistemas de vigilância na forma como faz armas, tornando a Pegasus “um componente-chave de sua estratégia de segurança nacional” e também usado como alavanca para garantir a normalização de Israel pelos países árabes e os Acordos de Abraão.

Tendo em vista as exportações de armas e a proeminência de Israel, o apoio declarado da comunidade internacional à Palestina é invalidado. Com a narrativa de segurança de Israel desempenhando um papel importante e lucrativo em garantir o apoio diplomático da comunidade internacional, não apenas a Palestina é marginalizada, mas os negócios de armas com Israel mostram claramente cumplicidade no processo colonial. O que levanta a questão – por que a comunidade internacional ainda finge apoiar a Palestina quando está participando de maneiras práticas para eliminar o que resta do território palestino?

Não se trata apenas das performances macabras de Israel em Gaza, embora sejam as mais proeminentes em termos de demonstração da brutalidade israelense. Sem ter para onde ir, os palestinos em Gaza sofreram bombardeios horríveis e sofreram deslocamentos forçados internos repetidamente, enquanto Israel demonstra seu poder militar e lucros mais tarde.

O compromisso com a narrativa de segurança de Israel alcançou esforços colaborativos dentro da comunidade internacional. A defesa de Israel de sua narrativa de segurança é principalmente questionada apenas quando a grande mídia cria uma sensação sobre as violações dos direitos humanos e, mesmo assim, os palestinos ainda são silenciados por interpretações do colonialismo como conflito.

Os principais fornecedores militares de Israel – os EUA, a Alemanha e a Itália, são proponentes do compromisso de dois Estados – a desculpa diplomática para a colonização que, à primeira vista, é considerada uma suposta visão para um Estado palestino independente. Esse suporte é inexistente. Ao contrário, a narrativa de segurança de Israel é a principal prioridade em termos de paradigma, assim como sua influência regional e global. Entre a diplomacia e o comércio de armas, os palestinos enfrentam poucas perspectivas de independência, principalmente se for permitido que o compromisso de dois Estados permaneça como um verniz para a violência industrial de Israel.

LEIA: A próxima crise de Gaza pode ser pior do que qualquer coisa que já vimos

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AlemanhaArtigoÁsia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEstados UnidosEuropa & RússiaItáliaOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments