Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A ONU não protege os palestinos, muito menos os jornalistas

Paramédicos e jornalistas palestinos carregam um repórter ferido durante confrontos com as forças israelenses a leste da cidade de Gaza em 5 de outubro de 2018 [Said Khatib/AFP via Getty Images]

Quando a ONU não faz nada além de deveres superficiais, os direitos humanos e as organizações da sociedade civil são paralisados; um beco sem saída. No início desta semana, o Centro Palestino para o Desenvolvimento e Liberdades de Mídia (MADA) pediu à comunidade internacional que adote a Resolução 2222 do Conselho de Segurança da ONU, acordada em 2015, com relação às violações enfrentadas por jornalistas palestinos nas mãos dos militares israelenses.

Os ataques contra jornalistas palestinos aumentaram em fevereiro deste ano, com 46 violações, um aumento de 19 em relação às 27 violações em janeiro. Trinta e nove das violações de fevereiro foram cometidas por soldados israelenses, enquanto os serviços de segurança da Autoridade Palestina foram responsáveis ​​por quatro. Os três restantes foram atribuídos às redes sociais.

Em 2021, os israelenses atacaram mais de 260 jornalistas palestinos na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental. A estes devem ser adicionados os 13 alvos na Faixa de Gaza em maio, quando Israel embarcou em outro bombardeio aéreo do enclave e os palestinos se uniram contra o deslocamento forçado planejado dos moradores de Sheikh Jarrah em Jerusalém ocupada.

A integrante do Monitoramento e Documentação do MADA, Shireen Al-Khatib, observou que as autoridades israelenses confundem jornalistas com manifestantes. “Muitas vezes o jornalista será acusado de participar de um evento político como fotógrafo ou repórter”, explicou. “Mas [as autoridades israelenses] não distinguem entre um jornalista que está em campo como parte de seu trabalho e um participante ativo.” A cobertura de rotina realizada por jornalistas é usada como acusação pelas autoridades israelenses, com o objetivo de impedi-los de fazer seu trabalho.

Em janeiro passado, 20 membros do Parlamento Europeu assinaram uma petição exigindo a liberdade de circulação de jornalistas palestinos, com base em um relatório do Euro-Med Monitor que detalhava as restrições do governo israelense à liberdade de circulação como meio de coerção, além de proibições de viagem, detenção e interrogatório violento. “Tais medidas representam uma séria ameaça à independência do jornalismo palestino e à liberdade de expressão nos territórios palestinos ocupados”, destacou a petição.

LEIA: Exército israelense fecha Sheikh Jarrah para garantir reunião de colonos

O pedido de intervenção internacional do MADA, mesmo que baseado em uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, provavelmente não encontrará apoio internacional coletivo. O Parlamento Europeu poderia ter exercido alguma influência se muitos de seus mais de 750 membros tivessem assinado a petição, mas apenas 20 optaram por fazê-lo. Da mesma forma, o suposto apoio da ONU aos direitos palestinos não se estende além de resoluções e declarações; agir de acordo com sua retórica desvendaria, em primeiro lugar, a cumplicidade tácita que a comunidade internacional construiu com Israel.

Longe de oferecer uma plataforma de direitos humanos para a sociedade civil e organizações de direitos humanos, a ONU criou um fiasco permanente em que os oprimidos e seus interlocutores têm que pedir proteção. Tais organizações não devem ser sobrecarregadas com a responsabilidade de lembrar à comunidade internacional que ela deve agir de acordo com o direito internacional. No entanto, a estrutura da ONU é tal que protege os responsáveis ​​pela violência para apaziguar os estados poderosos que financiam e governam a organização. Adotar resoluções não significa nada quando a implementação é desconsiderada, e os diplomatas, neste caso, se desvinculam das reais repercussões da perseguição aos jornalistas.

Quando se trata de Israel, a recusa adicional de considerar os ataques a jornalistas como parte de sua violência colonial remove todo o contexto, e a ONU enfrenta poucos contra-argumentos de organizações de direitos humanos, aumentando a normalização das violações de Israel. Em tais contextos, e com Israel permanecendo indefinido em termos da Nakba que impôs aos palestinos, que proteção a ONU pode oferecer quando já categorizou os palestinos como parte de um projeto irritante, mas descartável? Ela não oferece proteção per se aos palestinos, muito menos aos jornalistas.

LEIA: Parlamentar israelense de extrema-direita invade Al-Aqsa em Jerusalém

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments